notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/02/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    me corta os tubos!

    Vampiros beneficentes, falsos profetas, santos do pau oco e os coitadinhos

    por Silvestre Silva Santos | Publicada em 30/06/2018 às 19h22| Atualizada em 30/06/2018 às 20h32

    Da série me cortem os tubos! Me aguentem ou...

    Que a maré não está pra peixe, todo mundo sabe.

    O que espanta é que mesmo sabendo que um ou outro, ou muitos, enfrentam dificuldades, das mais diversas naturezas, aqueles que têm condições se recolhem ao fofo tapete da sala e ficam diante da lareira acesa, degustando um bom tinto chileno com queijo da colônia e assistindo a algum seriado daqueles enlatados norte-americanos.

    Nem pensam em estender a mão. E quando o fazem, quase sempre buscam as luzes dos holofotes. Sei disso pela minha longa jornada em meios de comunicação, especialmente rádio e jornal, atividade que me levou a conhecer situações terríveis. Famílias que perderam tudo por causa de incêndios, enchentes, por descontrole financeiro decorrente do alcoolismo ou mesmo por causa das drogas.

    Outras, de pessoas pobres que viveram situações dramáticas em consequência de doenças graves, que exigiam medicamentos de altos preços, tipos de leite caros, remédios importados, exames complicados e de elevado custo. Fiz muitas campanhas beneficentes em favor de todo tipo de gente carente.

    Quando escrevi sobre luzes dos holofotes, sei bem ao que me refiro, e a quem. Geralmente políticos, detentores de cargos em legislativos e executivos, em busca de promoção pessoal. Ou lobos em pele de cordeiro, gente buscando vitrine para, mais adiante, pedir votos para locupletar-se politicamente.

    Mas me chamou a atenção, dia desses, uma situação inusitada, algo que eu jamais esperava ouvir justamente de quem ouvi.

    Conversava com um casal religioso, ele pastor de uma igreja cuja vertente não sei bem qual. Mas daqueles que anda de terno e gravata e com a Bíblia sob o braço. Ela, a esposa, recatada e do lar, se corta os cabelos não exagera; usa vestidos que ficam abaixo dos joelhos e – acho até – nem deve ser adepta à prática da depilação.

    Falávamos sobre assuntos de interesse comum neste encontro que se deu sobre a calçada, em meio ao frenesi de um trânsito de final de tarde onde motoristas impacientes cantam pneus com freadas bruscas e buzinam alucinados para chegar um segundo mais cedo no conforto do lar.

    No outro lado da larga avenida, restos de papelão, de móveis sucateados, e um casebre de uns três por três metros, no máximo, construído por um benfeitor anônimo depois que o abrigo improvisado queimou.

    É onde sobrevive um casal relegado ao esquecimento, na situação extrema da miserabilidade, que não é visto pelas milhares e milhares de pessoas que todos os dias passa por aquele ponto. Comem e veste o pouco que lhe alcançam alguns. E não causam incômodo nenhum, a ninguém.

    Eis que, ao final do colóquio mantido com o casal de religiosos, a senhora não vacila ao me questionar:

    - E daí, o senhor sabe quando é que vão tirar aquele lixo dali? - apontando para o casebre e os restos de sucata que rodeiam a peça de madeira.

    Queria saber, deduzi, quando algum órgão público iria expulsar o casal daquele cantinho e mandar limpar o terreno.

    Aquilo estava ‘enfeiando’ a avenida, a visão limitada deles.

    Fiquei mudo, juro. Passei por um momento de bloqueio mental e não encontrei as palavras certas para dar a resposta adequada.

    Ainda bem.

    Depois, pensei com meus botões: se uma pessoa toda religiosa e supostamente seguidora do que os homens escreveram na Bíblia diz um absurdo desses, o que sobra para os demais mortais? Aqueles que bebem vinho na frente da lareira assistindo filmes na televisão.

    Justamente por isso, para o mundo que eu quero descer. Ah, aproveita e me corta os tubos.

     

    • cultura
      Traços e letras do Coletive Arts em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Evandro não precisa desculpas por ’senadora do Bolsonaro’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Gravataí e a reforma ’comunista’ de Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • habitação
      Habitasul não aceita proposta dos moradores da Granja
      por Eduardo Torres
    • gravataí
      Marco anuncia Estrada Municipal e 8 mi em obras
      por Redação
    • estrelado
      Contagem regressiva para inaugurar a arena
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Dilamar seria o novo escolhido do ’Grande Eleitor’?
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Prefeito, vice e vereadores não receberão aumento
      por Rafael Martinelli
    • cultura
      COM VÍDEO | Os livros que circulam por Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • personagens
      Estrada, Meu humor - o livro do veterano radialista
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Marco Alba dá inflação ao funcionalismo; o que isso significa
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      Jack Ritter quer disputar prévia com Miki
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.