notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/09/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do silvestre

    Arquiteto e urbanista Rui Mineiro (direita), um dos painelistas do seminário realizado pela Acigra e que termina amanhã, disse que mobilidade é um dos graves problemas de Gravataí

    COM VÍDEO | Mobilidade: em cinco anos a cidade toda vai parar

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 21/06/2018 às 17h57| Atualizada em 29/06/2018 às 12h05

    A cidade de Gravataí se desenvolveu ao longo e às margens da RS-030, desde Cachoeirinha que sequer havia sido emancipada ainda. Quando se fala RS-030 de antigamente, leia-se avenidas Flores da Cunha, Dorival Cândido Luz de Oliveira, parte da RS-118 e avenida Centenário. Dali, até Osório, passando por Glorinha e Santo Antônio da Patrulha.

    E foi um crescimento “meio que desordenado”, na opinião do arquiteto e urbanista Rui Mineiro, um dos painelistas de ontem à noite do Seminário Gravataí do Futuro – Desenvolvimento Integrado, realizado pela Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Gravataí (Acigra). Mineiro abordou o tema “Evolução Urbana da Cidade”, e enfatizou que a questão da mobilidade é a mais grave a ser enfrentada.

    O perímetro urbano de Gravataí, de acordo com Rui Mineiro, tem 20 quilômetros, entre Cachoeirinha e a parada 107 da RS-030. E cerca de 13 destes 20 quilômetros estão totalmente ocupados, seja por moradias ou estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços. Segundo Rui Minieiro, há falta de conexões ao longo destes dois terços urbanizados do perímetro urbano relacionado.

    --- A falta de planejamento, principalmente nas décadas de 70 e 80, fez com que não existam conexões entre os bairros, impede que os bairros “conversem” entre si, através de ligações viárias. Há quarteirões, por exemplo, que têm mais de um quilômetro, e esse é apenas um dos problemas – disse Mineiro.

     

    Prazo de validade

     

    Assim como em outras cidades, de médio e grande porte, Gravataí sofre com a questão da mobilidade e, na opinião do especialista, este é um dos principais problemas do município. Rui Mineiro chega a projetar que, se nada for feito a curto prazo para resolver os problemas de mobilidade, em cerca de cinco anos a cidade “vai estar com tudo parado, vai ser o caos”.

    Ele fez a afirmação levando em conta estatísticas dos órgãos oficiais de trânsito do estado que apontam um crescimento, na frota de Gravataí, de 20 veículos em média por dia.

    --- Esssa é uma das importâncias deste seminário, que propõe que a gente discuta exatamente questões como essas. Por exemplo, nós precisamos fazer a cidade para as pessoas, e não para os automóveis --- afirmou.

    Para exemplificar o caos que projeta, Rui Minieiro lembrou que atualmente são cerca de 750 vagas no estacionamento rotativo no centro de Gravataí. Ao mesmo tempo, o tipo de empreendimento que mais cresce na cidade é, exatamente, o de estacionamentos particulares que surgem às custas, às vezes, da derrubada de prédios antigos e que são importantes para a história de Gravataí.

    --- É carro, carro, carro, carro... Não dá mais! Tem prazo de validade, tem vida curta este modelo! Mudar o que já está consolidado em termos de urbanismo não dá, mas podemos fazer melhor o que pode ser mudado --- sentenciou.

     

    Modelo misto

     

    A solução? De acordo com Mineiro o que está feito, está feito. Já temos uma cidade consolidada. O que pode resolver, pelo menos em parte e de olho no futuro, é que a partir de agora toda a ação que for pensada deve ter a intenção de mudar a configuração do que aí está. Se não mudar, que sejam criados novos mecanismos para facilitar a questão da mobilidade, que é o mais grave embora não seja o único que mereça atenção.

    --- No Plano Diretor do ano 2000 se criaram modelos estanques, em que as áreas residenciais são apenas residenciais e industriais são apenas industriais. Isso não é bom. O ideal é que se tenha um modelo misto, em que as pessoas possam morar perto do local em que trabalham e, ao mesmo tempo, tenham acesso ao comércio e serviços públicos --- afirmou.

     

    HOJE E AMANHÃ NO SEMINÁRIO

     

     

    Transporte público

     

    Mesmo admitindo que Gravataí tem um dos melhores serviços de transporte coletivo urbano, Rui Mineiro alertou que é importante mudar o modelo para que se tenha a curto prazo uma qualidade ainda melhor.

    -- Das cidades da Região Metropolitana, hoje, o nosso transporte é dos melhores, mas ainda está aquém das nossas necessidades --- faliu o arquiteto e urbanista de Gravataí.

    A melhoria, garante, pode se dar a partir da integração do transporte público com outros modais. Uma das alternativas seria o incentivo ao uso de bicicleta para o deslocamento das pessoas.

    --- Se a gente parar para analisar, vamos ver que é grande o número de pessoas que utiliza bicicletas para ir trabalhar. Poderiam usar muito mais e para outras finalidades se houvesse um aparelhamento, por exemplo, em que pudessem deixar suas bicicletas para tomar um ônibus para percorrer um outro trajeto.

    A existência de ciclovias e uma discussão visando a implantação de transporte coletivo em pequenos trechos alternativos da cidade também são recomendações feitas pelo especialista em mobilidade. Estes pequenos trechos, integrados com o transporte principal com a finalidade de facilitar e agilizar o deslocamento dos usuários do sistema, sem que isso signifique tarifas absurdamente caras.

     

    Confira no vídeo abaixo a entrevista, para o Seguinte:, em que Rui Mineiro classificou a questão da mobilidade urbana como extremamente preocupante.

     

     

     

     

     

     

    • eleições 2018
      A certeza de Sartori é a mesma de Marco em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • inclusão
      A inclusão de deficientes através do esporte
      por Silvestre Silva Santos
    • habitação
      A ocupação onde a esperança está só no nome
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      Nas nascentes do Arroio Dilúvio
      por Tainá Rios
    • candidatos locais
      Sou o Stédile e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • candidatos locais
      Sou o Pedro Ruas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • refugiados
      Acertada data para chegada dos venezuelanos
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do silvestre
      MRV anuncia prédio com energia solar
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • coluna do silvestre
      As 10 grandes mudanças no nosso trânsito
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      O batismo de Jairo Jorge com seu ’Grande Eleitor’
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • governo
      OPINIÃO | Marco Alba está cumprindo o que prometeu
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Freesurf, de olho na onda perfeita
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • pontes do parque
      Definida data para iniciar a duplicação
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • eleições 2018
      Eduardo Leite andou pelo caminho do meio em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Parabéns prefeito, por receber venezuelanos
      por Rafael Martinelli
    • candidatos locais
      Sou o Dimas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.