notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/04/2021

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Foto ALEXANDRA KOCH | Fotos Pública

    A polêmica da volta às aulas: Gravataí e Cachoeirinha odeiam professores?; Para alguns nas redes sociais parece

    por Rafael Martinelli | Publicada em 07/04/2021 às 16h33| Atualizada em 15/04/2021 às 18h04

    Até o momento em que escrevo este artigo não há decisão do ministro Kássio ‘Com K’ Nunes sobre o pedido do governo Eduardo Leite ao Supremo Tribunal Federal (STF) para volta às aulas no Rio Grande do Sul, e em Gravataí e Cachoeirinha, como previ ontem em As aulas presenciais vão voltar em Gravataí e Cachoeirinha; Sorteio ‘Com K’, greve ’Com G’.

    Se, por um lado, ao menos no termômetro do Grande Tribunal das Redes Sociais, a febre da indignação foi alta entre familiares, que anteciparam que não vão enviar seus filhos às escolas, o que será um direito garantido por Luiz Zaffalon e Miki Breier, por outro lado me assustaram comentários com críticas – e raiva, muita raiva – direcionada aos professores.

    Reputo cada vez mais heróis os profissionais que recebem os filhos dessa gente, todos os dias, para ensinar e, queiram ou não, cuidar, educar e civilizar essas crianças, já que parece uma missão impositivamente delegada por esses pais.  

    É fake news que os professores pararam durante a pandemia. Trabalharam mais!, e às vezes pagando internet do próprio bolso, e atendendo famílias tarde da noite, porque era a hora em que mães e pais estavam em casa após um dia de trabalho.

    Gênio foi Renato Russo ao, em crua poesia, entregar que “são crianças como você, o que você vai ser quando você crescer”. Em minha argumentação nem deveria citar um puto, pelo Zeitgeist, nosso espírito do tempo, permitir a ele não mais do que o ‘xingamento’ de comunista, mas já cansei, e como cita meu guru jornalista Roberto Gomes, naquela máxima, “para alguns não adianta explicar, não entenderão; a outros, não é necessário”.

    Gente, os professores querem voltar às aulas, mas tem medo, conhecem a realidade das escolas.

    Estou sempre aberto ao convencimento, mas entendo ilógico que, em bandeira preta, de alto risco de contágio, somente porque por decreto a educação infantil e o ensino fundamental foram transformadas em atividade essencial, devamos como sociedade submeter cada professor a conviver com 100, 200, ou até 600 crianças por semana – sem contar os contatos colaterais, que chegam a 200 mil pessoas em Gravataí e Cachoeirinha.

    O prefeito de Gravataí, Luiz Zaffalon, citou aos empresários, no evento que reportei e reproduzi o vídeo em 90 dias de Zaffa em Gravataí: 10 coisas que o prefeito disse na Acigra, que se associa à Unesco, que é a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, que recomenda a volta às aulas pelo risco da defasagem educacional para os países.

    Zaffa já me criticou por só buscar informações negativas sobre a volta às aulas.

    Acontece que, apesar de concordar com ele e com a Unesco, de que estamos frente à uma tragédia educacional, não consigo enxergar na realidade das nossas escolas – e estão entre as melhores da Grande Porto Alegre – condições sanitárias para evitar surtos; e mortes; menos vidas perdidas de alunos, mais de familiares e professores e trabalhadores de escolas.

    A maioria dos professores trabalha em escolas de diferentes cidades. Se não as crianças, assintomáticas e cientificamente apontadas como propagadoras do vírus, assim o serão os profissionais da educação e todos os envolvidos na ‘logística da educação’.

    Mas vamos aos especialistas.

    A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul comunicou ontem em nota que “não é o momento oportuno” de voltar às aulas presenciais. Como reporta GZH, “a entidade diz que vinha defendendo a reabertura das instituições de ensino, mas que, diante do avanço do coronavírus registrado em março, acredita que seja preciso esperar”.

    O texto que a entidade de médicos enviou a todos os associados me parece definitiva ao observar que “nenhum país do mundo que adotou política de escolas abertas em meio à pandemia o fez com tal cenário de transmissão”.

    Ao fim, antecipei ontem em As aulas presenciais vão voltar em Gravataí e Cachoeirinha; Sorteio ‘Com K’, greve ’Com G’. Se o Supremo autorizar, e os prefeitos de Gravataí e Cachoeirinha determinarem a volta às aulas presenciais, teremos greve dos professores.

    Aí, desconfio, diferente de uma greve contra congelamento de salários, ou contra uma reforma da previdência, aposto será uma greve com apoio popular.

    Como Zaffa e Miki, com muita propriedade, apresentam-se como ‘o prefeito de todos’, aguardemos.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí e Cachoeirinha: vamos morrer rezando, indo a praia e mandando os filhos às aulas?

    A ’troca da Sexta Santa’: comércio pode abrir sábado em Gravataí; ’Que sirva de exemplo para negacionistas’: o prefeito vacinado e o Brasil Doente de Jayme Caetano Braun

    Março de Gravataí teve 4 a cada 10 mortes de 1 ano de pandemia; Última vítima tinha 14 anos

    Não seria hora de um lockdown de verdade, de indústria, supers e ônibus em Gravataí e Cachoeirinha?; O exemplo que funcionou

    6 meses para ’vacina municipal’: no conta gotas atual, 2 anos para imunizar Gravataí e Cachoeirinha

    • coronavírus
      Vidas perdidas em Gravataí mostram que pandemia segue letal em abril; O detector de mentiras do Bial
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      A madrugada dos vândalos: Gravataí já calcula 50 mil em prejuízos
      por Redação | Assessoria
    • coronavírus
      A pauta-bomba: Gravataí congela em 4,80 tarifa que custaria 7,22: ’É socorro ao transporte público, não à Sogil’
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      COVID: Zaffa confirma congelamento de passagens em Gravataí até fim de 2021
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Socorro da Prefeitura para Sogil chega a 5 milhões em Gravataí; ’Pauta-bomba’ está na Câmara
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Por que vacinação foi suspensa em Cachoeirinha; O ’fiasco’ de 103 de dezembro de 2020
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Transformar vacinação de Marco Alba em uma coisa ruim é arma para negacionistas
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Rodrigo Becker | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.