notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 03/12/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    política

    Quase metade da arrecadação de Gravataí vem do retorno de impostos da GM

    Onde esteja a bunda, Gravataí perde 18 milhões em 2021; a ’GMdependência’

    por Rafael Martinelli | Publicada em 26/10/2020 às 18h45| Atualizada em 09/11/2020 às 15h31

    Se há uma ‘lei da gravidade’ aplicada aos políticos é que “as boas intenções políticas diminuem na razão direta da aproximação do dia da posse”. Sabia o leitor que uma conta milionária chega para Gravataí no ano que vem, parte dessa dificuldade de candidatos dizerem não, e dos eleitores não pedirem para só ouvir sim?

    Na campanha de 2018 Eduardo Leite (PSDB) usou a alegoria de que bastava ao então governador José Ivo Sartori (MDB) “tirar a bunda da cadeira” que a crise do Estado estaria resolvida.

    O Leite de campanha era quente.

    Seria possível pagar os salários do funcionalismo em dia, ajustando o fluxo de caixa e, em um ambicioso projeto, seria possível tributar mais a propriedade e menos o consumo e a produção.

    Dois anos depois, o chá gelou.

    A reforma tributária resta sepultada. E, depois de dois anos contando com a Assembleia Legislativa para prorrogar as alíquotas de ICMS, o governo ficou sem saída, por refém do discurso de campanha desconectado da realidade da crise. Leite não vai dar o ‘tarifaço’ de Sartori em 2015 e a conta chegará para as prefeituras em 2021.

    Para Gravataí é um desastre.

    Explico.

    Se a perda geral para os municípios gaúchos já está estimada em R$ 857 milhões Projeto de Lei Orçamentária do Rio Grande do Sul para 2021, o rombo em Gravataí será de R$ 18 milhões. São 3 pontes do Parque dos Anjos, para usar como símbolo uma obra esperada por décadas e entregue pelo governo Marco Alba em 2019.

    O momento não poderia ser pior. A estimativa de perdas para este ano com o ‘contágio econômico’ da pandemia do novo coronavírus é próximo aos R$ 100 milhões. E o cenário não só pode, como deve piorar em 2022. É que os reflexos do (não) retorno dos impostos gerados pela GM serão sentidos daqui a dois anos.

    Os prefeituráveis poderiam falar mais em seus vídeos sobre como vão preparar a cidade para a perda de receita com a montadora na Gravataí que experimenta a ‘GMdependência’ – o que alerto em uma série de artigos nos últimos dois anos desde que surgiram as especulações de que a General Motors poderia deixar a América Latina e, consequentemente, Gravataí.

    Quase metade da arrecadação municipal (o orçamento está próximo de R$ 1 bi, sem contar os R$ 3 bilhões produzidos e a empregabilidade que influenciam no PIB, o dinheiro que circula na economia local), advém da arrecadação referente aos impostos gerados pela venda dos carros fabricados no complexo automotivo do Parque dos Anjos.

    Somado ao fato de a GM estar por 8 meses em layoff, com a produção parada em Gravataí desde abril, dados da Anfavea, a entidade que representa as montadoras instaladas no Brasil, alerta que de janeiro a agosto os brasileiros compraram 1,17 milhão de veículos novos, o que representa uma queda de 45% em relação aos oito primeiros meses de 2019.

    Caiu quase que pela metade!

    É uma advertência tão sincera quanto o medo de que a quarta economia gaúcha, no caso da GM optar por ficar nos EUA ou se mudar da América Latina para a ‘Eurásia’, se transforme em um favelão.

    Ao fim, é por isso que em campanhas é preciso cobrar a ausência do “como” quando candidatos, de governo ou oposição, seduzem com o melhor dos mundos, seja no passado, presente ou futuro. Infelizmente, dizer toda a verdade não elege nem a pai, ou mãe, do ano. Não aceitemos, ou peçamos como eleitores, ou filhos mimados, toda a mentira.

    • coronavírus
      Assista às principais medidas para comércio
      por Redação
    • eleições 2020
      Voto mais caro de Gravataí custou 44,42 reais
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      3 casos/hora e Becker lotado; onde buscar ajuda
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Culpa da política, mas não só; COVID fecha muito, não tudo
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Bairro rico tem mais vereadores eleitos em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Quem empatou em Gravataí; Dimas, ideia ou queridão?
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Comércio terá horário reduzido; 1 caso a cada 2h
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Patrícia Alba é deputada estadual de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Gravataí em ’absoluto alerta’ com COVID
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      RS sob ataque da COVID; Becker só morrendo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Até banheiro de praça é polêmica em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.