notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 29/11/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    eleições 2020

    Zaffa e Marco Alba, em campanha

    Justiça não aceita pedido de Dimas para tirar Marco Alba de propaganda de Zaffa; Em 2017, Bordignon foi a ’vítima’

    por Rafael Martinelli | Publicada em 21/10/2020 às 16h16| Atualizada em 29/10/2020 às 13h34

    Daniel Bordignon é um Karamázov, de Dostoiévski. Na loteria de toga, justiça – ou injustiça – parecem reservadas mais a ele do que a qualquer outro político nas eleições da aldeia. Decisão que valeu para ele na eleição de 2017, já não vale mais; da mesma forma que a ‘lei da ficha limpa’, fosse enquadrado hoje e não em 2008, poderia ter mantida a candidatura em uma eleição ganha.

    Mesmo que o ex-prefeito seja somente um expectador, e não personagem principal, é história explicar a partir dele esse último dos Grandes Lances dos Piores Momentos, nessa chatice de judicialização das eleições de Gravataí, que já tem seu ‘Tapetão 2.0’.

    Nesta terça, a juíza eleitoral Luciana Barcellos Tegiacchi não aceitou pedido da coligação Toda força para Gravataí (PSD, DEM, PV, PATRIOTA, SOLIDARIEDADE, DC, PROS), de Dimas Costa, para retirar liminarmente o prefeito Marco Alba da propaganda da coligação de Gravataí não pode parar (MDB, Republicanos, PSDB, PP, PTB, PSL, PRTB e PSB), de Luiz Zaffalon e Dr. Levi, por supostamente enganar ao eleitor “levando a crer que estaria concorrendo ao pleito de 2020, o que não é verdadeiro”. 

    Parece óbvio que o prefeito pode aparecer ao lado dos candidatos que lhe representam? Sim, só que em 2017, nas últimas semanas da eleição, e a pedido da coligação de Marco Alba, decisão judicial obrigou a retirada da imagem de Daniel Bordignon da propaganda da esposa Rosane Bordignon, candidata a prefeita na eleição suplementar em que perdeu a eleição por apenas 4 mil votos.

    O tapetão se estendeu até o TSE.

    Em 2019, Bordignon e Rosane foram absolvidos da decisão kafkiana, e aí me refiro a ‘O Processo’, e à personagem Josef K. perguntando “inocente de quê?”. Estavam ameaçados por uma inelegibilidade de 8 anos. O ex-prefeito poderia ficar fora das urnas até 2027, quando teria 69 anos. Os ‘Bordignons’ venceram por 6 a 1 no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e 7 a 0 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    À época, tratei disso em Bordignon concorre a prefeito em 2020? Ele responde, entrevista na qual Bordignon rompeu o silêncio e criticou o prefeito:

    – Sofro há quase 20 anos uma perseguição muito forte de Marco Alba, Jones Martins e Patrícia Alba, que representam o que há de mais forte no padilhismo (referência a Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil do governo Michel Temer). É aquela história: quem não tem voto, apela para os tribunais. A denúncia por eu pedir voto para minha esposa (Rosane Bordignon) foi feita pelo grupo do prefeito porque temiam perder nas urnas e precisar mais uma vez do tapetão.

    Nesta terça, a juíza de Gravataí entendeu não haver “informação inverídica sendo levada ao eleitor” pela coligação de Marco Alba e remeteu a decisões tomadas pelo TSE a partir de 2018 – rol onde está a decisão do caso dos ‘Bordignon’.

    Luciana Barcellos Tegiacchi cita como pilar o voto de Edson Fachin em julgamento envolvendo o uso da imagem de Lula na última eleição presidencial.  

    – Ante o exposto, e reforçando a prevalência da liberdade da expressão quando inexistente inveracidade, voto por julgar improcedente a Representação – decide a juíza.

    Autoexplicativo, o grifo é meu.

    Ao fim, reputo desnecessário o pedido de Dimas. Apostou na ‘loteria de toga’. Bastava ter falado com Cláudio Ávila para saber que o advogado e candidato a vereador por sua coligação foi absolvido em 2019 no mesmo processo que os ‘Bordignon’.

    Entendo o mesmo sobre o pedido, e a decisão da justiça eleitoral na eleição suplementar de há quatro anos. Marco Alba hoje pode comemorar uma vitória de sua coligação sobre o adversário Dimas, mas, fosse 2017, e não 2020, e estivesse ele no lugar de Bordignon na época, teria sido excluído da propaganda de Zaffa.

    A Bordignon resta dizer "eu já sabia!". Tempo não se devolve. Como bem sintetizou Beckett: não há como fugir das horas e dos dias. Nem de amanhã nem de ontem.

    (Sem torcida ou secação, é apenas uma leitura baseada na premissa de que a balança da justiça mantém o mesmo equilíbrio entre políticos de qualquer lado da ferradura ideológica.)

    • coronavírus
      O vídeo-homenagem do PSD ao Biga
      por Redação
    • coronavírus
      Gravataí em ’absoluto alerta’ com COVID
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      RS sob ataque da COVID; Becker só morrendo
      por Rafael Martinelli
    • política
      Até banheiro de praça é polêmica em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Quem mais perdeu na eleição de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      UTIs de Gravataí lotadas como nunca
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Segue o líder Marco Alba; O grande vencedor
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.