notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/10/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Foto ITAMAR CRISPIM | Fiocruz

    Metade de Gravataí é grupo de risco para COVID; isso o IBGE não mostra

    por Rafael Martinelli | Publicada em 21/09/2020 às 17h45| Atualizada em 28/09/2020 às 18h54

    Um a cada 10 gravataienses está no grupo de risco do novo coronavírus por faixa etária, conforme o Painel Covid-19 Síntese por Município, lançado nesta segunda pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Levando em conta outras ‘comorbidades’, é bem mais, como a plataforma não informa. Parafraseando aquela provocação à Globo, 'isso o IBGE não mostra'.

    A ferramenta, que você acessa CLICANDO AQUI, permite acessar mapas interativos, selecionar uma localidade de interesse e visualizar, em um único ambiente, 24 indicadores para o planejamento de ações de apoio contra a pandemia para todos os 5.570 municípios do país.

    Os moradores de Gravataí com 60 anos ou mais é de 27.085, ou 10,59% da população. Os domicílios com 3 ou mais moradores por dormitórios são 13.759 (5,38%). Há, também, 3 comunidades quilombolas.

    O painel integra informações de pesquisas do IBGE, do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde e do projeto Brasil.io da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz/Brasil.IO). Os dados, que podem ser baixados no formato kml, shp e csv, estão separados em três categorias: população vulnerável (2010 e 2019), capacidade de resposta do sistema de saúde (2019) e acompanhamento da pandemia (2020).

    Ao fim, reputo minha pesquisa mais próxima ao real grupo de risco. Siga o que escrevi como alerta, ainda em 28 de maio, em Metade de Gravataí é ’grupo de risco’ para COVID 19; alerta aos ’covidiotas’.

    “(...)

    Levantamento feito pelo Seguinte: em Gravataí é confirmado por estudo feito na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp): mais de 50% da população adulta brasileira apresenta ao menos um dos fatores que aumentam o risco de manifestações graves da COVID-19.

    Se considerados apenas os adultos com menos de 65 anos, a proporção dos suscetíveis a complicações caso venham a se infectar pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) ainda é alta: 47%.

    No levantamento, ainda sem dados da Secretaria da Saúde, fiz uma projeção do ‘grupo de risco’, aplicando estatísticas do Ministério da Saúde de 2019 sobre a população de Gravataí.

    Siga os dados.

    Os idosos são 27.085 em Gravataí, 10,6% dos 281.519 habitantes projetados pelo IBGE para o ano passado.

    Os hipertensos, ou com complicações cardiovasculares são 69.535, ou 24,7% da população.

    Os diabéticos, 7,6% das pessoas, perfazem 21.395.

    Asmáticos são 8,6 mil, ou 3%.

    Pessoas com HIV são 1.016, ou 0,3%.

    Portadores de doenças renais 160, ou 0,05%.

    Acima do peso correspondem a mais da metade da população: 156.806 (55,7%).

    20% da população de Gravataí é considerada obesa: 56.303.

    Detalhando mais a pesquisa feita pelo Seguinte:, entre os hipertensos/cardíacos/obesos, um dado que assusta quando o vírus começa a baixar para as periferias, é que os mais afetados são aqueles com menor escolaridade. Com até oito anos de estudo são 42,5%; entre 9 e 11 anos de estudo são 19,4% e com 12 ou mais anos de estudo são 14,2%.

    Asmáticos são mais asmáticas. E desde bebês. Dos 6,4 milhões no Brasil, são 3,9 mi mulheres e 2,4 mi homens.

    Na Aids, são 756.586, com 29,4% de subnotificação.

    Conforme reportagem do Grupo Abril, estudo do British Medical Journal (BMJ) traz novos dados sobre a letalidade nos grupos de risco do novo coronavírus.

    Os pesquisadores avaliaram 113 pessoas que morreram e outras 161 que se recuperaram da infecção em Wuhan, na China, onde a epidemia foi deflagrada. A idade média dos que vieram a óbito era de 68 anos, contra 51 nos curados.

    A hipertensão arterial é uma das comorbidades mais associadas às complicações fatais: 48% dos falecidos tinha pressão alta, ante 24% dos que se recuperaram — o dobro!

    Entre os que morreram, 21% possuíam diabetes — esse número caiu para 14% entre os que ficaram bem. E 14% dos falecidos sofriam com outras doenças cardiovasculares.

    Provavelmente, os idosos estão mais suscetíveis às complicações do SARS-CoV-2 por causa de alterações no sistema imunológico naturais da idade. No caso dos males cardíacos, a circulação prejudicada e a debilidade dos pulmões parecem favorecer a agressividade da infecção.

    Já o diabetes, principalmente o tipo 2, é um fator de risco para o agravamento de diversas infecções. Isso porque prejudica as defesas do organismo contra vírus, bactérias e afins.

    Outros problemas são relacionados a complicações em decorrência do SARS-CoV-2: asma, enfermidades hematológicas, doença renal crônica, imunodepressão (provocada pelo tratamento de condições autoimunes, como lúpus ou câncer) e obesidade também estão ligadas às mortes.

    Para as doenças que atacam os pulmões, como asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), a relação é clara. São transtornos que já atrapalham a respiração. Nesse cenário, há acúmulo de secreção pulmonar e aumento da sensação de falta de ar.

    Portadores da doença renal crônica também são incluídos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como membros do grupo de risco da COVID-19. Isso porque os rins são responsáveis pela filtragem do sangue e participam da resposta imunológica frente à uma ameaça viral. Fora que a lesão desses órgãos geralmente vem de outras doenças crônicas associadas a sintomas graves da infecção, como hipertensão e diabetes.

    Não é possível somar todas as incidências, porque chegaríamos a 287.512 pessoas, número maior que a população. Obviamente, há muitas ‘comorbidades’ nas mesmas pessoas.

    Aplicando os 50% nos 281 mil habitantes de Gravataí, são mais de 140 mil pessoas no ‘grupo de risco’.

    Ao fim, quem não leva a sério a 'ideologia dos números', covidiota é.

     

    LEIA TAMBÉM

    Hospital de Campanha de Gravataí vai fechar

    • obras
      Marco Alba anuncia iluminação de LED em avenidas
      por Redação
    • eleições 2020
      Juíza não dá liminar para retirar placas de Dimas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Parabéns Miki, por proibir aulas!
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Prefeituráveis lançam primeiras contas de campanha
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Para Ministério Público Dr. Levi é elegível
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      ’Marco não diz que é candidato como Bordignon em 2017’
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Por que Justiça barrou debate do CIC
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Justiça não tira Marco de propaganda; Já Bordignon...
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Na TV, Zaffa e Dimas dividiram a bola do Mercado Livre
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Não é a segunda, é a nossa primeira onda ainda
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      MP quer impugnar aposta do governo à Câmara
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      Jingle do Delegado é piada de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      É fake que Deadpool não usa fundão eleitoral
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.