notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 10/07/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Contágio da COVID 19 cresceu mais de 300 por cento em Gravataí e Cachoeirinha; é hora de reabrir comércio?

    por Rafael Martinelli | Publicada em 30/06/2020 às 17h| Atualizada em 04/07/2020 às 20h12

    É hora de reabrir o comércio, ou de fechar ainda mais? Vamos à ‘ideologia dos números’, em um momento perigoso, em que o pico da COVID-19 chega ao Rio Grande do Sul, assim como a politização do vírus.

    Junho termina como pior mês da pandemia em nossas Gravataí e Cachoeirinha sem fronteiras. O crescimento do número de infectados foi superior a 300% neste mês. Os óbitos já somam 17. Só nas últimas 24h, Cachoeirinha registrou duas mortes e, com taxa de 237.9 casos a cada 100 mil habitantes, tem uma incidência de casos maior que o ‘epicentro’ Porto Alegre (167.4/100 mil).

    Cachoeirinha registrou a morte de um homem de 82 anos na segunda e de uma mulher de 60 nesta terça, chegando a seis óbitos, todos em junho. Gravataí registrou 7 dos 12 óbitos neste mês.

    O crescimento no número de casos em junho em Cachoeirinha foi de 340%. Entre março e abril foram 18 casos, em maio 82 e em junho 341. Mais de 7 a cada 10 dos casos, 77,3%, foram registrados neste mês, que fechou em 411 casos. Em Gravataí o crescimento foi de 387%. Entre março e abril foram 24 casos, 58 em maio e 318 em junho, que fechou com 400 casos. Os registros deste mês correspondem a 79,5% do total, ou 8 a cada 10 casos.

    Os prefeitos avaliam que ainda há capacidade para voltar a operar com a bandeira laranja no Distanciamento Controlado do Governo do RS. Nos artigos Gravataí recorre de bandeira vermelha com promessa de 30 leitos de UTI para COVID 19; é difícil, 24 Horas será ’segundo hospital de campanha’ no plano para Gravataí reabrir comércio e Cachoeirinha tenta novo recurso para sair da bandeira vermelha, o Seguinte: expôs os argumentos dos prefeitos nos recursos não aceitos pelo Estado. Marco Alba e Miki Breier sustentam que as redes municipais de saúde, e os hospitais de campanha, tem capacidade para atender pacientes. Nas apelações, os prefeitos observaram a proximidade entre as restrições das bandeiras laranja e vermelha – a última penalizando negócios sem diminuir significativamente a circulação de pessoas.

    Trecho do recurso de Gravataí considera “(...) Injusta a realidade apresentada, uma vez que restringe basicamente a atividade de alimentação presencial, o funcionamento das lojas de varejo e outros serviços que previamente se adequaram às orientações do protocolo e já estão preparados para evitar as aglomerações locais (...)”. E conclui que “dessa forma, manter o comércio não-essencial fechado para o atendimento público e exigir que restaurantes, lanchonetes e padarias operem exclusivamente por tele-entrega ou sistema de ‘pegue-e-leve’, em razão das limitações do teto de operação e do teto de ocupação, são medidas que excedem o “mínimo indispensável à promoção e à preservação da saúde pública” a que se refere o inciso primeiro do artigo terceiro da Lei federal 13.979/2020”.

    Já Pedro Hallal, epidemiologista e reitor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) que é o líder da maior pesquisa no mundo sobre a presença do novo coronavírus, e que serve de base para o Distanciamento Controlado, defende “um lockdown rigoroso de 15 dias no Brasil inteiro” como forma mais eficaz e rápida para derrubar a curva de casos e com menos traumas à economia, conforme reportagem de Patrícia Comunello, no Jornal do Comércio.

    – Neste momento em que estamos perto ou no pico da contaminação, estarmos com as portas abertas é uma irresponsabilidade – critica na entrevista, onde alerta que o “fecha, abre e fecha" é mais danoso do que fazer um fechamento total, adotado em outros países.

    É compreensível o desespero dos governantes com um tombo no PIB que, conforme projeção do FMI, será de cerca de R$ 100 milhões em Gravataí e de R$ 50 milhões em Cachoeirinha. Para comerciantes então, que sentem falta de ar a cada fim de mês perpétuo, é uma tragédia. Mais: se para prefeituras o socorro do governo federal é insuficiente, e não cobre metade do prejuízo, para empreendedores o crédito segue tão em ‘análise’ como o auxílio-emergencial do Antônio Audino, do Breno Garcia.

    Mas a ‘ideologia dos números’ evidencia que não chegamos à bandeira vermelha somente porque o governador Eduardo Leite e seus acadêmicos brincaram de colorir o mapa do Estado, como politizam o vírus políticos e seguidores, buscando o vilão da vez num ‘nós contra eles’ que historicamente empurra o Brasil ao precipício – já estamos lá embaixo, olhando para cima.

    Fato é que o pico no Rio Grande do Sul é previsto em julho, como anunciava ainda em abril o então ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, e o inverno é nossa estação de UTI superlotadas mesmo antes da pandemia.

    O mapa de leitos do Estado mostra nesta tarde 70.8% de ocupação nas UTIs gaúchas. São 1.512 pacientes, 362 (23.9%) confirmados com a COVID-19, 172 (11.4%) suspeitos ou com outra SRAG (síndrome respiratória aguda grave) e 978 (64.7%) com outros problemas de saúde. Na Região Porto Alegre, a qual pertencem Gravataí e Cachoeirinha, a taxa de ocupação de UTIs é de 74.6%. São 585 pacientes, 145 (24.8%) com a COVID-19, 46 (7.9%) suspeitos ou com outra SRAG e 394 (67.4%) com outros problemas de saúde.

    Para efeitos de comparação, no início do mês o percentual de pacientes com a COVID-19 era de 9.1%, o que mostra a pressão crescente sobre as UTIs – que é para onde vão pacientes de Cachoeirinha e Gravataí, que não tem hospitais municipais referenciados, após estabilização nos hospitais de campanha.

    Mesmo que considere Distanciamento Controlado do Governo do RS um ‘experimento descontrolado’, como tratei em artigos como É tudo com a gente em Gravataí e Cachoeirinha; o Distanciamento Controlado fake não segura a COVID 19, o modelo que faz 'gaúchos suecos' ainda é um balizador de comportamentos, e o vermelho uma placa de pare!. Relaxamos e, agora, resta sofrer as consequências, alguns em casa, lamentando ter cumprido todas as regras, outros covidiotas de máscara no queixo na rua e no comércio, ou usada só para a selfie na festa com os amigos.

    Ao fim, não há ‘melhor’ em uma pandemia. Reputo o sistema de bandeiras como a melhor entre as piores alternativas. Mesmo que municípios sejam mais penalizados que outros, nossa região não tem fronteiras e os casos graves acabam todos no Clínicas e no Conceição, em Porto Alegre, ou no Universitário, em Canoas. Acredito que Marco Alba e Miki Breier saibam, e recorreram apenas para dar uma satisfação aos insatisfeitos.

    Se a curva seguir ascendente, estamos mais perto da bandeira preta, do que da laranja.

     

    LEIA TAMBÉM

    Surto da COVID 19 em asilo de Gravataí leva à segunda morte

    Pronto Atendimento 24 Horas de Gravataí agora só atende COVID 19; UPA recebe outros pacientes

    Com o dobro de mortes e curva ascendente, região Gravataí-Cachoeirinha está em bandeira vermelha; saiba como ficam comércios

    Veja como comércio de Gravataí vai funcionar na bandeira vermelha

    Veja como comércio de Cachoeirinha vai funcionar na bandeira vermelha

    Testagem descarta surto da COVID 19 na UTI do hospital de Gravataí

    Emergência do Becker e hospital de campanha estão lotados; superintendente da Santa Casa faz radiografia

    Conheça decreto que restringe acesso a praças e parques de GravataíClique aqui para ler a cobertura do Seguinte: para a crise do coronavírus

    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha registra 8ª vida perdida para COVID 19; já são 639 casos
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Glorinha registra primeiro óbito pela COVID 19
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Dia de vidas perdidas para COVID 19 na Costa do Ipiranga, Mato Fino e Itatiaia; já são 732 casos
      por Redação
    • crise do coronavírus
      ’Kit COVID’ de Cachoeirinha não tem Cloroquina, Ivermectina sim
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Surto da COVID 19 em asilo já tem 4 mortes em Gravataí
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Não vai ter helicóptero distribuindo Cloroquina pelos céus de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Projeto aprovado em Gravataí é bonito, mas perigoso na pandemia
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí vai fornecer Cloroquina pelo SUS; a responsabilidade está com os médicos
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Nem com COVID 19 Bolsonaro ajuda; fãs já morreram em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Metade de Gravataí e Cachoeirinha tem doenças que potencializam a COVID 19; alerta aos covidiotas
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.