notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 10/07/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    política

    Prefeito participando de audiência pública remota aprovada a partir de requerimento do deputado estadual Gabriel Souza, do MDB

    Os ’negócios sigilosos’ do RS e o tchau, Mercado Livre

    por Rafael Martinelli | Publicada em 27/06/2020 às 12h30| Atualizada em 04/07/2020 às 20h12

    Não comentei ontem porque saí um pouco do ar com a partida de uma filha, minha gatinha Magnólia, de 21 anos. Mas o assunto ainda está quente. Nesta sexta, audiência pública virtual da Comissão de Economia da Assembleia Legislativa teve como pauta a polêmica do Mercado Livre, que tratei em O café frio que custou 2 mil empregos para Gravataí e em links relacionados.

    Mesmo com o investimento perdido, senti-me representado pelo prefeito Marco Alba, precisamente por levantar o tema dos ‘negócios sigilosos’ do Governo do Estado.

     

    Assista a sessão e, abaixo, analiso.

     

    Além de expedir o alvará rapidamente, Marco Alba tem feito o que pode, politicamente, nessa história do Mercado Livre. No momento em que criticou o governador Eduardo Leite, se expôs, arriscando perder, nas eleições de 2020, aliados municipais ligados ao Governo do Estado, e testou a influência junto a políticos de seu partido que ocupam secretarias estaduais.

    Mas foi PREFEITO, e exerceu a delegação que recebeu nas urnas para defender os interesses da sua cidade. Acerta em travar no hoje a luta pelo Mercado Livre e deixar para o amanhã a eleição. Ganha e perde, mas faz a pressão necessária – que só repercute ao chegar à mídia profissional e às redes sociais.

    Como já comentei anteriormente, Daniel Bordignon fez isso no final dos anos 90 com a GM. Defendeu antes o bom negócio para Gravataí, e deixou que outros, técnica, e/ou ideologicamente, questionassem as isenções, socializadas com os outros 496 municípios no bolo tributário do Estado.

    Nesta semana o grito de Marco Alba despertou até a RBS, que tratava perifericamente o assunto, ao ponto da Marta Sfredo, a ótima jornalista de economia, ter nesta sexta escrito um artigo atestando que a perda da gigante do e-commerce não poderia ser comparada à Ford – instrumento de pressão que usou o prefeito e tratei em Perder Mercado Livre é pior que Ford, diz Marco Alba a Eduardo Leite; o ’delivery’.

    Associo-me ao palanque online que o prefeito usou para levar a informação para além da RBS, não só por bairrismo, já que piso no mesmo asfalto e barro que ele, mas principalmente por uma questão que reputo a-ideológica – e necessária para o futuro dos gaúchos: o prefeito pediu transparência em todo e qualquer negócio feito pelo Governo do RS, no caso, os de negociações tributárias, de isenções e incentivos fiscais.

    Como um Dom Quixote avançando sobre moinhos de vento – na luta para não perder para Santa Catarina, as ‘Ilhas Caimãs do Brasil’, o maior investimento privado de seu governo, que representa 20 Havans (o empreendimento que foi um símbolo para a Gravataí que deu 7 a cada 10 votos para Jair Bolsonaro) – Marco Alba disse um óbvio ululante para os políticos, mas surpreendente para os leigos: ele não sabe dos detalhes da negociação entre o governo estadual e a empresa que investiria meio bilhão em sua cidade, numa projeção de cinco anos, e abriria 2 mil vagas, entre empregos diretos e indiretos.

    Que, mesmo envolvendo dinheiro público, são negócios restritos a poucos, é uma coisa notória na política, mas aparentemente inquestionável pelos próprios políticos, e pela grande mídia. A pauta ganha peso por Marco Alba não ser ‘comunista’. É um político que não tem origem em nenhum lado extremo da ‘ferradura ideológica’, e seu MDB já foi governo, é governo, e quase nunca deixou de ser no RS – ou onde for.

    Eu também não conheço o negócio Mercado Livre-Governo do RS. E você? Aí vem a pergunta seguinte: quem é acionista dessa empresa chamada ‘Estado’? Eu e você, não? Mais ou menos, já que, com o voto, delegamos a representação a eleitos nos poderes Executivo e Legislativo.

    Agora, calculem o tamanho dessa delegação de poderes. Só em 2019 foram R$ 10 bilhões em incentivos. Para efeitos de comparação, é 2,5% do PIB de R$ 400 bilhões, que é toda a riqueza produzida pelo RS.

    Três questões são mínimas.

    É positivo para o Estado o balanço entre a isenção e o quanto cada empresa representa no bolo dos impostos ao ser ‘guarda-chuva’ do setor, ao supostamente atrair investimentos para a cadeia produtiva?

    Renderia notícia positiva na RBS a divulgação da relação entre os incentivos recebidos e os empregos gerados pela empresa?

    Quem assinou o contrato defenderia o negócio na TV?, pergunta que, frente a questões éticas, recomenda para cada um fazer a si mesmo a amiga médica Hideko Takahashi. 

    Reputo essa polêmica um símbolo da ‘uberização’ da economia – inevitável e avassaladora. Até por isso, o governador precisa explicar o que deu errado, além do café frio servido ao Mercado Livre. O que a empresa pediu, que prejudicaria a economia gaúcha? Algo que diz muito: quem seria prejudicado?

    Winston Ling, CEO da Fitesa, tuitou neste sábado elogiando o discurso de Marco Alba e defendendo que “empresas como a Ford ou o Mercado Livre deveriam ser aprovadas em 30 dias”. Entendo que possa ser até em 1 dia, desde que as bases da negociação sejam abertas, para análise do Ministério Público e eventual julgamento pelo Judiciário, e, principalmente, para o eleitor avaliar a cada quatro anos se delegou bem o poder de negociação para o seu CEO.

    Ao fim, minha cobrança não é só pela transparência nos negócios sigilosos que não dão certo, mas também nas concessões de incentivos que deram, ou dão certo – supostamente. Não me interessa se os envolvidos são os mais honestos que eles próprios conhecem.

     

    LEIA TAMBÉM

    Marco Alba critica Eduardo Leite por perda do Mercado Livre; ’parole, parole, parole’

    A estranha forma do Mercado Livre negociar megaempreendimento em Gravataí; sem chantagem, please!

    O que tranca confirmação do Mercado Livre em Gravataí; o mastodonte

    Negociação com RS suspende investimento do Mercado Livre; em Gravataí, tudo certo

    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha registra 8ª vida perdida para COVID 19; já são 639 casos
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Glorinha registra primeiro óbito pela COVID 19
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Dia de vidas perdidas para COVID 19 na Costa do Ipiranga, Mato Fino e Itatiaia; já são 732 casos
      por Redação
    • crise do coronavírus
      ’Kit COVID’ de Cachoeirinha não tem Cloroquina, Ivermectina sim
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Surto da COVID 19 em asilo já tem 4 mortes em Gravataí
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Não vai ter helicóptero distribuindo Cloroquina pelos céus de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Projeto aprovado em Gravataí é bonito, mas perigoso na pandemia
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí vai fornecer Cloroquina pelo SUS; a responsabilidade está com os médicos
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Nem com COVID 19 Bolsonaro ajuda; fãs já morreram em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Metade de Gravataí e Cachoeirinha tem doenças que potencializam a COVID 19; alerta aos covidiotas
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.