notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 03/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Brasil tem neste domingo 677.764 casos e 36.062 mortes em decorrência do novo coronavírus | Foto AGÊNCIA BRASIL

    Perdi meu pai para COVID 19; o depoimento de uma gravataiense

    por Rafael Martinelli | Publicada em 07/06/2020 às 13h38| Atualizada em 18/06/2020 às 12h46

    A quarta vítima da COVID-19 em Gravataí não é uma estatística: tem um nome, uma história, uma família. É Alceu Pereira, 63 anos. O pedreiro, que morava sozinho no Parque Florido, gostava de pescaria e de dançar na domingueira do Veterano, lutou por quase duas semanas contra a virulência do novo coronavírus. Foi entubado, usou cloroquina, mas não resistiu ao ataque do SARS-CoV-2 a diferentes órgãos. Deixa quatro filhos e seis netos.

    – O pai tinha medo do vírus e estava em casa desde março. Apenas um familiar tinha contato com ele. O sepultamos em caixão fechado, sem poder se despedir, ou mesmo vê-lo – lamenta a filha Aline Soares Pereira, 35 anos, que altruisticamente procurou o Seguinte: após ler As mortes sem rosto da COVID 19 em Gravataí, artigo que escrevi sobre o estigma da doença, que parece fazer com que familiares não queiram falar sobre a perda de seus entes queridos.

    – Quero contar nossa história para alertar as pessoas: o vírus existe, e é pior do que mostram na TV, porque quando você tem um familiar infectado, além do sofrimento e isolamento do doente, nem no desespero lhe dão informações e os próprios médicos admitem que estão aprendendo a lidar com a doença.

    Conforme a vendedora, a suspeita é de que o pai tenha contraído o vírus de um familiar com quem tinha contato, e que precisou voltar a trabalhar quando foram retomadas as atividades econômicas não essenciais.

    – O pai não estava saindo. Não o víamos desde março.

    As comorbidades que Alceu tinha eram a hipertensão e diabetes, ambos controlados por medicamentos que tomava, conforme a filha.

    – O pai era forte, sadio. Era pedreiro! Você nunca imagina que a pessoa vai entrar caminhando em um hospital e sair enrolado em plásticos para um caixão fechado e um velório apenas com poucos familiares.

    A filha conta que Alceu procurou atendimento no Hospital Dom João Becker pela tarde do domingo 10, com febre e dores na garganta e no corpo. A pressão e a diabetes apresentavam alterações, uma tomografia também, mas a 1h de segunda recebeu alta com a recomendação de ficar em quarentena domiciliar.

    – Informaram que não havia testes disponíveis.

    Terça, com os sintomas complementares de diarréia, vômito e perda de apetite, Alceu voltou ao HDJB e foi medicado com paracetamol, tamiflu e amoxilina, relata Aline. Novamente foi liberado sem passar por testagem para COVID-19.

    – Quarta ele ligou pedindo ajuda porque sentia falta de ar.

    Um familiar levou Alceu para o hospital ao meio dia e ele foi internado às 15h. Apenas às 22h, o hospital informou que o estado do pedreiro era grave. Ele precisou ser colocado em um respirador, até ser transferido durante a madrugada de quinta para o Clínicas, em Porto Alegre.

    – A dificuldade de ter informações em Gravataí se repetiu em Porto Alegre. Já estávamos procurando advogado para tentar judicialmente saber como o pai estava. Às 10h da quinta nos informaram que o estado era gravíssimo.

    Por volta do meio dia, a equipe médica do clínicas consultou a família por WhatsApp sobre o uso da cloroquina.

    – Estávamos desesperados e autorizamos. Assinamos um termo de responsabilidade – conta Aline.

    Alceu usou o medicamento experimental entre sexta e segunda, mas a detecção de alterações cardíacas levou à suspensão do tratamento.

    – Órgãos começaram a ser atingidos. Os rins pararam e ele precisou de hemodiálise por quase uma semana. Como a oxigenação não estava boa, foi preciso deitá-lo de bruços para entubar.

    A esperança da família aumentou no domingo.

    – A médica fez uma videochamada e disse que, apesar da febre ter voltado, era gratificante para os médicos ver a reação dele. Ela contou que reduziram a sedação, ele ficou muito agitado, mas tentariam novamente tirá-lo do respirador. “Quando chegou estava mais perto da morte, hoje está mais perto de ir para casa”, ela disse.

    Às 5h30 da terça, 26, a equipe médica do Clínicas comunicou o falecimento de Alceu, após embolia pulmonar seguida de parada cardiorespiratória.

    – Não é uma gripe qualquer. Apelo a quem não está acreditando no vírus: ao não se cuidar, você pode estar colaborando para uma tragédia em outra família. O pai era uma pessoa forte. Imagina então outros idosos ou pessoas mais debilitadas! Partiu sem que pudéssemos lhe dar um beijo, sem que uma família gigante e seus tantos amigos pudessem ao menos se abraçar no velório – emociona-se Aline, que, com seu depoimento, mostra que as vítimas da COVID-19 em Gravataí têm nome, história, família.

    Rosto, ainda não. A família pediu para que não fossem publicadas fotos de Alceu.

     

    LEIA TAMBÉM

    A pior semana da COVID 19 em Gravataí; o inverno vem aí

    O ‘urubu da imprensa’ errou, para menos; contágio em Gravataí cresceu 245 por cento

    Morada do Vale é ’epicentro’ da COVID 19 em Gravataí

    Cadê o dinheiro para COVID 19? O prefeito de Gravataí responde

    Marco Alba alerta para período crítico da COVID 19 em Gravataí; tem novos decretos para comércio e aulas

    As mortes sem rosto da COVID 19 em Gravataí

    Metade da população de Gravataí é ’grupo de risco’ para COVID 19; alerta aos ’covidiotas’

    ’Gripezinha’, ’carreatas da morte’, Páscoa, reabertura e Dia das Mães; a progressão da COVID 19 em Gravataí e Cachoeirinha

    Contágios em famílias de Gravataí mostram perigo do vírus; é homicídio, não suicídio

    Sem distanciamento social Gravataí poderia ter mais de 1,3 mil mortes; às ’reginas duartes’

    Clique aqui para ler a cobertura do Seguinte: para a crise do coronavírus

    • app TEU! Ônibus
      Aplicativo permite saber quando Transcal chega na parada
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Gravataí território livre da cloroquina; é fria, prefeito!
      por Rafael Martinelli
    • política
      O post feliz de Dilamar; apoio de Bordignon a Dimas não é
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Estado deixa Gravataí fora de programa de testagem e Prefeitura vai à Justiça; entenda a nova polêmica Marco Alba vs. Eduardo Leite
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Miki solta pitbull em Hospital de Campanha sob suspeita
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí em ’coma’ pela COVID; Mortes crescem 300 por cento e prefeito alerta paradas, interior e Moradas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Governador quer mais mãos para colorir o mapa da COVID; a lógica do ’Decreto-Pilatos’
      por Rafael Martinelli
    • política
      Dimas e Evandro escorregam na poça d´água da política; mais guardas não é prioridade em uma pandemia
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Vídeo protesto: Associação Comercial faz terraplanismo contra distanciamento social em Cachoeirinha; alerta de cancelamento
      por Rafael Martinelli
    • política
      Em artigo bomba, Marco Alba apela para MDB deixar governo Leite; o ’capitalismo de compadres’
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.