notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 13/07/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    PF e MP deflagraram operação na madrugada desta quarta

    Advogada de Gravataí e empresa de Cachoeirinha alvos da PF; os políticos suspeitos são outros

    por Rafael Martinelli | Publicada em 27/05/2020 às 14h23| Atualizada em 06/06/2020 às 12h25

    A casa de uma advogada no Centro de Gravataí e a sede de uma empresa na Vila Márcia em Cachoerinha foram alvos da Polícia Federal, que investiga desvio de pelo menos R$ 15 milhões em recursos da saúde, repassados pelos governos federal e estadual a uma Organização Social contratada para gerir o Hospital Regional do Vale do Rio Pardo.

    Trato do tema porque as milícias digitais das fake news, desinformados (que não leem até o fim) e informados do mal (que produzem postagens insidiosas), já andam aplicando na praça suas características meias verdade – como sempre refiro, uma das partes sempre mais próxima da mentira.

    Vamos à informação precisa, para além do caça-clique.

    A ‘Operação Camilo’ – ao menos nesta fase do inquérito – não envolve os governos da região, apesar da advogada residir em Gravataí e a empresa prestar serviços para a prefeitura de Cachoeirinha por meio de contratação emergencial.

    – Por aqui não há nenhum apontamento de irregularidades – confirmou ao Seguinte: o prefeito Miki Breier, há minutos.

    De políticos, os suspeitos de envolvimento na corrupção são o prefeito de Rio Pardo, Rafael Barros (PSDB), que foi preso, e o vereador de Porto Alegre Clàudio Janta, que também é presidente estadual do Solidariedade, e foi alvo das buscas da Polícia Federal.

    Conforme GaúchaZH apurou logo após a Operação, “uma empresa ligada ao vereador – não está registrada no nome dele, mas a investigação aponta que ele estaria por trás do negócio – teria recebido valores suspeitos. A investigação aponta que prefeituras contratam a organização social para prestar serviços na área da saúde e a investigada, por sua vez, contrata outras empresas – no sistema de ‘quarteirização’ – que, muitas vezes, serviriam apenas para girar o dinheiro de pagamento de propina”.

    O político não está falando, por enquanto. Seu partido, o Solidariedade não tem representação na Câmara de Gravataí. Em Cachoeirinha, o único vereador é Deoclécio Melo.

    A força-tarefa formada também por Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul, Ministério Público Federal e Ministério Público do Rio Grande do Sul, cumpriu a partir da madrugada desta quarta 129 medidas judiciais também em Porto Alegre, Rio Pardo, Butiá, Canoas, Capela de Santana, São Leopoldo, Guaíba, Portão, Cacequi e São Gabriel, nas cidades paulistas de São Paulo e São Bernardo do Campo, na cidade do Rio de Janeiro, e em Florianópolis e São José, no estado de Santa Catarina.

    A investigação apura crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção passiva, organização criminosa, ocultação de bens, crime de responsabilidade e desobediência.

    São cumpridos 61 mandados de busca e apreensão, 15 mandados de prisão temporária, além de medidas judiciais de arresto/sequestro de bens móveis e imóveis, bloqueio de valores depositados em contas dos investigados e de empresas e afastamento cautelar de funções exercidas por cinco servidores públicos municipais.

    As ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e pela Justiça Estadual de Rio Pardo.

    Conforme apurado, o serviço de saúde do Hospital Regional do Vale do Rio Pardo (HRVRP) foi terceirizado para uma Organização Social por meio de um processo de chamamento público direcionado. A instituição vencedora foi escolhida em outubro de 2017, para administrar diversos subsistemas de atividades, como serviços de vigilância e portaria, alimentação e dietética, manutenção predial, lavanderia, limpeza e sanitização hospitalar, radiologia, exames de imagem e SAMU.

    Conforme a PF, uma vez contratada, a Organização Social subcontratou empresas que serviram de instrumento de execução de desvio de dinheiro público, especialmente, através do superfaturamento dos valores cobrados pelos serviços prestados e pela não execução de partes de suas obrigações contratuais. As provas coletadas, até o presente momento, indicam a existência de um esquema criminoso que conta com a participação dos gestores da Organização Social, de empresas privadas e de servidores públicos.

    No período compreendido entre novembro de 2017 e fevereiro de 2020 foram destinados ao HRVRP cerca de R$ 60 milhões em recursos federais e estaduais. Desse valor, R$ 30 milhões foram repassados pela Organização Social às empresas subcontratadas. Até o presente estágio da investigação, a Força-Tarefa apurou superfaturamento de valores repassados às empresas subcontratadas de aproximadamente R$ 15 milhões.

    Outro fato identificado pela Força-Tarefa, já no período de enfrentamento a COVID-19, foi o repasse de R$ 3,3 milhões à empresa ligada à Organização Social que deveriam ser destinados à construção de dez leitos de UTI no HRVRP. As obras estão em andamento, contudo, o projeto elaborado pela Organização Social, que resultou na contratação, é impreciso, sem levantamentos prévios de custos, utilizado somente para recebimento da verba pública. A empresa contratada para executar a obra pertence ao mesmo grupo criminoso investigado.

    Reputo importante a informação do superintendente da PF no Estado, José Antônio Dornelles de Oliveira de que “a deflagração das ações acontece sem prejuízos à continuidade do serviço público de saúde oferecido à população pelo HRVRP”. Os doentes não podem pagar pelos corruptos.

    O nome da operação tem relação com São Camilo de Lellis, “intercessor de todos os enfermos e profissionais de saúde”. De família nobre, viciado em jogo, levava uma vida profana, decadente, e perdeu todos os seus bens. Tocado pela graça divina, arrependeu-se de todos os seus pecados, passando a dedicar sua vida a servir, por espírito de caridade, aos doentes pobres em hospitais, fundando a Companhia dos Servidores dos Enfermos, conhecidos como Camilianos.

    Ao fim, aguardemos as provas da PF,  a convicção do MP, ou, com inspiração no santo, a confissão de algum profano arrependido pelo – se aconteceu – abjeto crime de roubar da saúde em meio a uma pandemia.

    • governo
      Marco Alba propõe home office na Prefeitura de Gravataí
      por Redação
    • negócios
      Atacado do Zaffari vai abrir ao lado da Havan de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Candidato a prefeito luta contra COVID 19
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Não há ’surto’ da COVID 19 na Clínica Rebelato; a informação liberta
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Não há ’Covidão’ nas suspeitas sobre hospital de campanha de Cachoeirinha; mas, secretário, pede para sair!
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Ricos de Gravataí poderiam pagar por serviços domésticos proibidos na pandemia; a vaquinha da piscina
      por Rafael Martinelli
    • campanha
      Bebê de Gravataí volta para casa após 100 dias hospitalizada; vaquinha online conseguiu respirador
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí e Cachoeirinha testam 8 vezes menos do que recomenda OMS
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Em 10 dias, Gravataí e Cachoeirinha tem mais casos do que em 4 meses de pandemia
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha não vai fornecer Cloroquina no ’kit COVID 19’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Não vai ter helicóptero distribuindo Cloroquina pelos céus de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí vai fornecer Cloroquina pelo SUS; a responsabilidade está com os médicos
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Nem com COVID 19 Bolsonaro ajuda; fãs já morreram em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.