notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 26/05/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Eleições municipais para prefeitos e vereadores acontecem em 4 de outubro, caso não seja adiadas pela crise do coronavírus

    O político em quem você votou trocou de partido? Siga a lista em Gravataí e Cachoeirinha

    por Rafael Martinelli | Publicada em 05/04/2020 às 16h02| Atualizada em 13/04/2020 às 13h42

    O raio-x das bancadas após o fechamento da janela de transferência partidária mostra que os prefeitos de Gravataí, Marco Alba (MDB), e de Cachoeirinha, Miki Breier (PSB), mantiveram maiorias nas Câmara de Vereadores.

    Marco tem 14 em 21, o que lhe garante quórum qualificado e dificulta qualquer movimento de parlamentares para reprovar suas contas e ameaçá-lo de ficar inelegível.  

    Miki tem 9 de 17, uma maioria simples, que também complica a obsessão da oposição por cassá-lo, como mostra a história recente, com o golpeachment fracassado, e duas CPIs amalucadas – uma ainda em curso e trancando a pauta da Câmara.

    Siga como foi o troca-troca de quem tem mandato em ordem alfabética e, ao fim, comento, analisando também os reflexos na eleição de 2020 – se tivermos eleição.

     

    GRAVATAÍ

    As trocas e permanências

    : Airton Leal saiu do PV e se filiou ao MDB. Fica na base do governo.

    Alan Vieira ficou no MDB e na base no governo.

    Alex Peixe saiu do PDT e se filiou no PTB. Troca a oposição pela base do governo.

    Alex Tavares ficou no MDB e na base do governo.

    Bombeiro Batista ficou no PSD, oposição.

    Carlos Fonseca ficou no PSB, hoje oposição, em questão dias base do governo.

    Clebes Mendes ficou no MDB e na base do governo.

    Demétrio Tafras saiu do PDT e se filiou ao PSDB. Trocou oposição para base do governo.

    Dilamar Soares trocou o PSD pelo PDT e segue na oposição.

    Dimas Costa ficou no PSD e na oposição.

    Evandro Soares ficou no DEM mas trocou o governo pela oposição.

    Fábio Ávila seguiu no Republicanos e na base do governo.

    Jô da Farmácia trocou o PTB pelo PSD e o governo pela oposição.

    Mario Peres seguiu no PSDB, base do governo.

    Nadir Rocha ficou no MDB e na base do governo.

    Neri Facin seguiu no PSDB, base do governo.

    Paulinho da Farmácia continou no MDB e na base do governo.

    Paulo Silveira ficou no PSB, hoje oposição, em questão dias base do governo.

    Roberto Andrade seguiu no Progressistas e na base do governo.

    Rosane Bordignon ficou no PDT e na oposição.

    Wagner Padilha trocou o PSB pelo PDT e segue na oposição.

     

    Como ficaram as bancadas

    MDB: 6, ganhou 1. Hoje tem Airton Leal, Alan Vieira, Alex Tavares, Clebes Mendes, Nadir Rocha e Paulinho da Farmácia.

    PSD: 3, perdeu mas e ganhou um. Hoje tem Bombeiro Batista, Dimas Costa e Jô da Farmácia.

    PDT: 3, perdeu dois, mas ganhou 2. Hoje tem Dilamar Soares, Rosane Bordignon e Wagner Padilha.

    PSDB: 3, ganhou um. Hoje tem Demétrio Tafras, Mario Peres e Neri Facin.

    PSB: 2, perdeu um. Hoje tem Carlos Fonseca e Paulo Silveira.

    PTB: 1, perdeu um. Hoje tem Alex Peixe.

    DEM: 1. Tem Evandro Soares.

    Republicanos: 1. Tem Fábio Ávila.

    Progressistas: 1: Tem Roberto Andrade.

    PV: 0, perdeu um.

     

    O exército de cada um

    Em Gravataí, além dos 14 vereadores, o candidato à sucessão de Marco Alba terá apoio de pelo menos 7 partidos. Deles, apenas um sem vereador, o PSL. É um potencial exército de 224 candidatos pedindo votos nas ruas, já que não já mais coligação proporcional e cada partido pode lançar 32 candidatos.

    ‘Grande Jardineiro’ da política, entre a poda e a rega, Marco Alba teve influência na montagem das nominatas de quase todos os partidos de sua aliança.

    Dimas Costa, candidato de oposição à Prefeitura pelo PSD, tem 4 vereadores e pelo menos 4 partidos, dois deles sem vereador: PV e Solidariedade. O exército deve ser de 128 candidatos.

    Anabel Lorenzi, também candidata pela oposição, terá três vereadores e até o momento dois partidos, um deles, o Avante, sem vereador. O exército seria de 64 candidatos.

    O tamanho da coligação também permite projetar o poderio financeiro da campanha, já que neste ano o financiamento é público, pelo fundo eleitoral repassado pelas direções nacionais e estaduais para as candidaturas municipais.

    O limite de gastos nas campanhas para Prefeitura é de meio milhão e para Câmara R$ 50 mil.

     

    As variáveis

    Em Gravataí, Jones Martins ficou no MDB. O ex-deputado federal deve disputar uma prévia com Luiz Zaffalon – ou alguma surpresa que o prefeito Marco Alba apresente fazendo a oposição, e aliados inclusive, girarem as cabeças da aldeia à Maputo.

    Um das principais variáveis é o comportamento de Jones. Fora da eleição, vai pegar junto ou conspirar contra o candidato do governo? Próximos a ele estão os vereadores Clebes Mendes, Nadir Rocha, Paulinho da Farmácia, do MDB, além de Demétrio Tafras, do PSDB.

    A favor da candidatura do governo está a popularidade do prefeito e a aprovação das medidas de enfrentamento à crise do coronavírus, como mostramos em EXCLUSIVO | Pesquisa mostra que Gravataí aprova medidas de Marco Alba

    É posssível também incluir o 'fato Dr. Levi', já que o médico aparecia como um dos favoritos na disputa pela Prefeitura mas desistiu de concorrer e vai apoiar o candidato de Marco Alba.

    Em relação à candidatura de Dimas a expectativa é pela confirmação de Evandro Sores como vice, frente ao crescimento da influência de Cláudio Ávila, como tratei em Cláudio Ávila deu um 1º de abril em Bordignon; o habeas corpus, e a assimilação da perda de um aliado para o governo, como tratei em Peixe troca Dimas pelo governo Marco Alba; o motorista e o jardineiro.

    Para candidatura de Anabel a variável é o tamanho da força de Daniel Bordignon como ‘O Grande Eleitor’. Com poucos candidatos a vereador para pedir voto, a aposta parece ser mais uma vez no ‘homi na kombi’, expressão que criei para o histórico do ex-prefeito rodar a cidade pedindo votos em cima de um carro de som.

    Correndo por fora tem Claiton Manfro e seu organizado PL. Por enquanto, é candidato e tem uma nominata de 32 candidatos já em pré-campanha.

     

    CACHOEIRINHA

    As trocas e permanências

    : Alcides Gattini trocou o MDB pelo PTB e confirmou estar na oposição.

    Brinaldo Mesquita ficou no MDB e na base do governo.

    Cristian Wasem permaneceu no MDB e na base do governo.

    Deoclécio Mello permaneceu no Solidariedade e na base do governo.

    Duda Keller trocou o Republicanos pelo Cidadania e confirmou estar na oposição.

    Edison Cordeiro permaneceu no Republicanos e confirmou estar na oposição.

    Felisberto Xavier trocou o PV pelo PSD e permanece na base do governo.

    Fernando Medeiros seguiu no PDT e na base do governo.

    Ibaru Rodrigues trocou o PSB pelo Republicanos e confirmou estar na oposição.

    Jack Ritter trocou o PSB pelo Cidadania e confirmou estar na oposição.

    Joaquim Fortunato ficou no PSB e na base do governo.

    Jussara Caçapava seguiu no PSB e na base do governo.

    Marco Barbosa trocou o PSB pelo Progressistas e confirmou estar na oposição.

    Manuel D’ Ávila trocou o PDT pelo PV e permanece na base do governo.

    Nelson Martini seguiu no PTB e confirmou estar na oposição.

    Paulinho da Farmácia continuou no PDT e na base do governo.

    Rubens Otávio trocou o MDB pelo PSL e confirmou estar na oposição.

     

    Como ficaram as bancadas

    PSB: 2, perdeu 3. Hoje tem Joaquim Fortunato e Jussara Caçapava.

    MDB: 2, perdeu 2. Hoje tem Brinaldo Mesquista e Cristian Wasem.

    PDT: 2, perdeu um. Hoje tem Fernando Medeiros e Paulinho da Farmácia.

    PRB: 2, perdeu um, ganhou um. Hoje tem Edison Cordeiro e Ibaru Rodrigues.

    PTB: 2, ganhou um. Hoje tem Alcides Gattini e Nelson Martini.

    Cidadania: 2, não tinha nenhum. Hoje tem Duda Keller e Jack Ritter.

    PSL: 1, não tinha nenhum. Hoje tem Rubens Otávio.

    Solidariedade: 1, manteve Deoclécio Melo.

    Progressistas: 1, não tinha nenhum. Hoje tem Marco Barbosa.

    PV: 1, perdeu um, ganhou outro. Hoje tem Manuel D ´Ávila.

    PSD: 1, não tinha nenhum. Hoje tem Felisberto Xavier.

     

    O exército de cada um

    Em Cachoeirinha, além dos nove vereadores, a reeleição de Miki tem apoio de pelo menos 7 partidos, apenas um deles, o Avante, sem vereadores. O potencial exército é de 182 candidatos à Câmara pedindo votos na campanha.

    A candidatura de Jeferson Lazzarotto não tem vereadores, mas reúne 3 partidos (PT, PCdoB e PSOL), o que permite projetar um exército de 78 candidatos.

    A candidatura de João Paulo Martins tem um vereador e, por enquanto, a sustentação apenas do PP. Teria um pelotão de 26 candidatos.

    A candidatura de Antônio Teixeira não tem vereadores e até agora apenas a Rede, com 26 candidatos.

    A incógnita é a ‘Situação B’, que ainda não definiu candidatura e reúne 7 vereadores de PTB, Republicanos, Cidadania e PSL. Seriam quatro partidos e um exército de 104 candidatos.

    O tamanho da coligação também permite projetar o poderia financeiro da campanha, já que neste ano o financiamento é público, pelo fundo eleitoral repassado pelas direções nacionais e estaduais para as candidaturas municipais.

    O limite de gastos nas campanhas para Prefeitura é de R$ 300 mil e para Câmara R$ 30 mil.

     

    As variáveis

    Em Cachoeirinha, a grande incógnita é o tamanho do apoio do ex-prefeito José Stédile à reeleição de Miki.

    Fator importante foi a permanência de Vicente Pires no PSB. O ex-prefeito, que chegou a colocar seu afilhado político Ibaru Rodrigues no Republicanos, era cotado para ser o candidato à Prefeitura em um frentão da ‘Situação B’.

    A candidatura de João Paulo também é uma incerteza. Mesmo que Cachoeirinha tenha dado 7 a cada 10 votos para Jair Bolsonaro, o comportamento ‘napoleão de hospício’ do ‘mito’ frente à pandemia da COVID-19 tem feito o bolsonarismo perder popularidade.

    Na ‘Situação B’, as diferenças ideológicas e vontades pessoais fazem do grupo uma espécie de ‘A Fazenda’, que dificilmente chegará sem algum eliminado até a eleição.

    Outra variável é a divisão da oposição de ‘centro esquerda’. Antônio Teixeira e Jeferson Lazzaroto repetem 2016, lançando candidaturas.

    Ao fim, para Gravataí, Cachoeirinha e o Brasil inteiro a grande incerteza é: teremos ou não eleições? Certamente se houver uma ‘carreata de corpos’, não.

    • crise do coronavírus
      Uma máscara para 30 dias na UPA; vereador denuncia empresa terceirizada
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | opinião
      Outro apocalipse: será impossível recuperar boa parte da vida que tínhamos antes da COVID 19 surgir?
      por John Gray | El País
    • crise do coronavírus
      Mais duas mortes pela COVID 19 em vizinho de Gravataí
      por Cristiano Abreu
    • crise do coronavírus
      Contágios em famílias de Gravataí mostram perigo do vírus; é homicídio, não suicídio
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí não terá ’apartheid escolar’; Marco Alba, proíba o governador de mandar alunos pobres para sala de aula!
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí não volta às aulas em junho; alerto para o ’apartheid escolar’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      5 profissionais da UPA de Gravataí tem COVID; é o ’novo normal’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Em nota, vereador de Gravataí reage à ’denúncia das fake news’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Governo federal não mandou respiradores para Gravataí; o ’plano B’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      A reinvenção do comércio de Gravataí; o exemplo do Doug
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Áudio de vereador está no Ministério Público em ’denúncia das fake news’; ouça
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Profissionais da UPA são testados para COVID 19; Gravataí tem 50 casos
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha supera Porto Alegre em incidência da COVID; um dia de 23 confirmações
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Cristiano Abreu | EDITOR | cristiano@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.