notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 26/05/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Cláudio Àvila e o cão Marvel na noite do 4 de abril

    Cláudio Ávila deu um 1º de abril em Bordignon; o habeas corpus

    por Rafael Martinelli | Publicada em 04/04/2020 às 23h58| Atualizada em 10/04/2020 às 12h33

    Cláudio Ávila ganhou um habeas corpus, se não eterno, porque em política o “sou teu” de hoje é o “bandido!” de amanhã, pelo menos durante a campanha eleitoral de 2020.

    Na contagem regressiva para o fechamento da janela de trocas partidárias às 23h59 deste sábado, o advogado – que apelidei ‘Dr. Golpeachment’ por trazer no lattes a cassação de uma prefeita, Rita Sanco, em 2011, em Gravataí; e o livramento de outro, Miki Breier, em 2019, em Cachoeirinha – voltou ao protagonismo que lhe é característico, estrelando como um Leonardo de Caprio no filme aquele, que não é o Titanic.

    Passou a conversa em Daniel Bordigon, ex-prefeito por dois mandatos, deputado estadual por oito anos e ‘Grande Eleitor’ de, com todo respeito, mas na linguagem nunca agradável das eleições, ‘postes políticos’.

    Conto, sem detalhes desnecessários.

    Cláudio Ávila foi o coordenador da campanha que em 2018 fez de Dimas Costa o primeiro suplente de deputado estadual pelo PSD e, para as ambições do vereador em concorrer à Prefeitura, o político mais votado em Gravataí.

    O crescimento de Dimas atraiu apoios e Ávila começou a aparecer mais no Fórum (trabalhando), do que nas manchetes políticas e na articulação para a campanha de 2020. Os dois millennials estremeceram politicamente, como tratei em Dimas e Cláudio Ávila brigaram; o block, a Boca Rosa e a Rafa Kaliman, apesar de seguirem parceiros de copo.

    Em meio à 'DR', Ávila, que ainda não estava filiado ao PSD, e nem ninguém de seu grupo, procurou Bordignon e pediu para se filiar ao PDT para concorrer a vereador.

    A reconciliação seguiu em segredo porque era o Daniel cujos ‘elogios’ feitos a Cláudio (depois que separaram a parceria que fez um vice do outro na eleição de 2016, ganha nas urnas, e cassada no ‘tapetão’) motivaram o advogado a registrar de uma ocorrência policial por calúnia e difamação.

    O que começou como uma troca de mensagens e, conforme o colunista social Chico Pereira, terminou com Bordignon cozinhando para Ávila, apagou também o debate, profundo como uma poça e espirrando lama para todos os lados, travado entre Ávila e a vereadora Rosane Bordignon, esposa de Daniel, com Dimas no epicentro, o que tratei nos artigos  Anabel e Rosane para Prefeitura; a Bordignon solta o verbo e Cláudio Ávila responde Rosane Bordignon; os melhores amigos e piores inimigos.

    Nesta sexta, o peso de Bordignon bancou Ávila em uma reunião da executiva municipal do PDT. Das carinhas na tela do aplicativo, três de 12 foram contrários à filiação. Dois nomes apurei: José Amaro Hilgert e Lisiani dos Santos, filha do falecido ex-prefeito Abílio e neste momento já desfiliada, “devido aos últimos acontecimentos”, conforme carta que vazou para Luis Felipe Teixeira, colunista do Giro de Gravataí.

    A presidente Anabel Lorenzi fez cara de Monalisa e não usou de seu empoderamento de candidata a prefeita para vetar Ávila.

    Dos vereadores, Rosane também aceitou o antigo parceiro de canastra e amigo secreto na noite de Natal na Paragem Verdes Campos. Contrários, Wagner Padilha fez drama e Dilamar Soares acendeu um cigarro atrás do outro, mas manteve a fidelidade a Anabel. Ambos fizeram o alerta sobre os riscos a harmonia do partido com a ‘infecção’ pelo ‘ÁVILA-VÍRUS’ – que não costuma dividir o ar com muita gente na coordenação das campanhas.

    Aprovado, Ávila enviou os documentos a Bordignon e a filiação foi lançada pela internet. Até o cair da noite, quando o advogado cancelou o registro no PDT e se filiou ao PSD, de Dimas.

    Como alguém que dá um fora, mas ainda tem sentimentos pelo outro, Ávila foi delicado ao falar com o Seguinte:.

    – Foram meses de conversa, autorizei Bordignon a submeter meu nome ao PDT e agradeço a acolhida. Mas fiz uma retrospectiva do que vivi com Dimas até aqui, conversamos sobre os planos para a cidade e vou ficar onde estou. Também me considero responsável por chegarmos até aqui, com uma candidatura com potencial de ganhar a eleição. Não posso deixar de estar ao lado do meu amigo Dimas neste momento crucial para o futuro da cidade – disse.

    – Muito me honrou o restabelecimento de uma relação de respeito com o Bordignon, de quem tive a honra de ser vice, e a aprovação do PDT, um partido que tem como candidata uma mulher digna, com quem também já disputei junto duas eleições.

    Ao fim, e também apostando na inesquecível falta de memória, ou apagamento seletivo da memória por parte dos políticos, Ávila voltou às paradas de sucesso mesmo que tenha deixado mal um expert da política, Bordignon, que confiou no seu desejo de um remember2016 – nem que fosse para, como Marco Alba conseguiu ontem com Alex Peixe, e contei em Peixe troca Dimas pelo governo Marco Alba; o motorista e o jardineiro, fazer com que o adversário Dimas perdesse outro apoio.

    Fato é que Ávila fecha o sábado como o cara que Bordignon queria e Dimas se esforçou para segurar. O poder de Ávila por óbvio vai crescer na campanha que, é o natural, deve repetir a proximidade Dimas-Ávila de 2018 – enquanto com Dimas estiver, e, sobre isso, os últimos acontecimentos mostram que só ele pode responder.

    Como contei ontem no artigo sobre o Peixe, “é como aquela história dos três que levantaram do bar, às três da manhã, e cada um reparou que os outros estavam completamente embriagados. São coisas da política, assim agem os políticos!”

    Por mais elegante que seja o agradecimento de Ávila a Bordignon, não vejo percepções além das que manifesto a seguir.

    Quem tem memória da política na aldeia vai comparar com ‘O Caso da Fita’. Em 2011, o advogado autor do pedido de impeachment da prefeita Rita sentou com o então deputado no Hotel Intercity e conversaram sobre como firmar uma parceria. Dias depois ‘vazou’ para o blog do Políbio Braga que Ávila tinha uma gravação da reunião onde supostamente Bordignon teria oferecido cargos para salvar Rita.

    (A fita nunca apareceu).

    Quem conhece a maldade e a grenalização da política sabe que o resumo dessa ópera burlesca será contado pela aldeia como um ‘1º de Abril’ que o menino Cláudio Ávila aplicou no veterano Daniel Bordignon.

    Não curti nada dessa história.

    Para Bordignon, além de sabedor que, ao ler este artigo, talvez mais gente de seu partido do que de outros estoure o lacre da latinha bem gelada e sorria, resta assimilar o golpe. Como dizia Millôr, “quem não quer ser Brizola que não lhe vista a pele”.

     

    LEIA TAMBÉM

    EM VÍDEO: A esperança do Bordignon

    • crise do coronavírus
      Uma máscara para 30 dias na UPA; vereador denuncia empresa terceirizada
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | opinião
      Outro apocalipse: será impossível recuperar boa parte da vida que tínhamos antes da COVID 19 surgir?
      por John Gray | El País
    • crise do coronavírus
      Mais duas mortes pela COVID 19 em vizinho de Gravataí
      por Cristiano Abreu
    • crise do coronavírus
      Contágios em famílias de Gravataí mostram perigo do vírus; é homicídio, não suicídio
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí não terá ’apartheid escolar’; Marco Alba, proíba o governador de mandar alunos pobres para sala de aula!
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí não volta às aulas em junho; alerto para o ’apartheid escolar’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      5 profissionais da UPA de Gravataí tem COVID; é o ’novo normal’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Em nota, vereador de Gravataí reage à ’denúncia das fake news’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Governo federal não mandou respiradores para Gravataí; o ’plano B’
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      A reinvenção do comércio de Gravataí; o exemplo do Doug
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Áudio de vereador está no Ministério Público em ’denúncia das fake news’; ouça
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Profissionais da UPA são testados para COVID 19; Gravataí tem 50 casos
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha supera Porto Alegre em incidência da COVID; um dia de 23 confirmações
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Cristiano Abreu | EDITOR | cristiano@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.