notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 14/12/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Rio Gravataí

    A venda da água do Rio Gravataí; uma reflexão

    por Rafael Martinelli | Publicada em 02/12/2019 às 13h06| Atualizada em 12/12/2019 às 14h58

    O geólogo Sérgio Cardoso, vice-presidente do Comitê Gravatahy, leu o artigo A PPP da Corsan para além do oba-oba; MPC age, que escrevi sábado no Seguinte:, e envia observações.

    – Venderam a água do Rio Gravataí? – instiga, lembrando que, pela legislação do uso da água no país, a Corsan, que não privatizou, e sim busca com a PPP fazer uma concessão administrativa, em caso de crise hídrica teria que suspender o abastecimento da GM, para usar um exemplo simbólico.

    Siga os apontamentos daquele que é um dos maiores especialistas no rio e em gestão da água no Rio Grande do Sul.

     

    1.

    “A Corsan esta delegando a sua função pública de distribuição de água e tratamento de esgoto para execução de uma empresa privada. Quais as consequências? A gestão da água disponível na bacia hidrográfica do rio Gravataí é pública e a outorga pelo seu uso é definida pelo Comitê de Bacia Hidrografica, um órgão de Estado colegiado onde possui outros usuários, a exemplo da indústria e agricultura que também usam a água como insumo de seus processos financeiros”.

     

    2.

    “O abastecimento público é a prioridade garantida na legislação para uso da água. A Corsan tem na indústria e comércio um de seus principais clientes financeiros, pois ela vende água sem pagar nada pela sua captação. Em uma crise, a Corsan deve fechar o registro de água que vai ao complexo da General Motor do Brasil para garantir água prioritariamente as pessoas – é isso que diz a legislação”.

     

    3.

    “A outorga para captação e lançamento de efluentes deve ser emitida pelo Estado e deve obedecer aos critérios definidos no Plano de Bacia aprovado pelo colegiado da bacia hidrográfica. As nascentes do rio Gravataí estão à montante, nos municípios que não terão PPP, mas que podem influenciar na disponibilidade das captações de água à jusante, que com a PPP seriam gerenciadas pelo consórcio privado”.

     

    4.

    “O lançamento dos efluentes das estações de tratamento já há um bom tempo tem sido motivo de pesquisa da academia e de investigação da Polícia Federal, pois suas construções nem sempre atendem os padrões definidos em projetos duvidosos e que utilizam recursos públicos federais”.

     

    5.

    “Os municípios de Glorinha e Santo Antônio da Patrulha possuem aproximadamente 50 mil pessoas e a totalidade de uso da água pela agricultura, principalmente nos meses de agosto a fevereiro”.

     

    6.

    “Esta reflexão não foca no debate do público ou privado, mas sim no direito a água para as necessidades básicas da vida dos ecossistemas, onde nós nos encaixamos, em detrimento de quem investe com olhar puramente financeiro pela venda de um produto econômico chamado de água”.

     

    7.

    “Mais um motivo para avançarmos no projeto piloto pela cobrança da água, paralisado em 2019. Quem vende água pública deve pagar pela sua captação e pelo lançamento de seus efluentes no rio Gravataí. Que é público”.

    • coluna do silvestre
      O final feliz da novela do Mato do Júlio
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • 3º Neurônio | humor
      Questionar? Eis a questão
      por Fraga
    • opinião
      Comissão apura caso de assédio moral na Câmara de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      BOM de Cachoeirinha ganhou perdendo; o diálogo MarxDonald´s
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A demagogia sobre o salários dos professores; o burro e a récua
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Prefeitura bota Ireno Michels no pregão
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • 3º Neurônio | comic con
      O conteúdo que faltou na maior feira de cultura pop do mundo
      por Silvio Teixeira
    • opinião
      TJ suspende CPI que pode cassar vereadora; é o ’interessecídio’
      por Rafael Martinelli
    • codes
      Prefeito anuncia obras de Gravataí para 2020
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Previdência custará 30 Pontes do Parque até 2022; Marco Alba fará reforma?
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Acigra tem a primeira presidente mulher
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • urgente
      Marco Alba envia projetos para salários de professores; leia na íntegra
      por Rafael Martinelli
    • rs-020
      Gravataí pressiona para assumir novo trecho da 020
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      É oportunismo projeto sobre ’escândalo dos livros’; quem é o próximo?
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O ’escândalo dos livros’ que não era escândalo; menos, vereador!
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.