notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 21/11/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Presidente da Comissão Eleitoral, Patrícia Dias, e promotora da Infância e Juventude, Juliana Nahas, ambas ao fundo na foto da apuração da eleição, analisam denúncias

    É frágil ’dossiê’ de irregularidades na eleição do Conselho Tutelar de Gravataí

    por Rafael Martinelli | Publicada em 28/10/2019 às 18h32| Atualizada em 11/11/2019 às 14h18

    Quem me lê – dos silenciosos aos superfãs, categoria criada pelo Facebook que me mostrou que os leitores mais assíduos são meus maiores críticos – sabe: tenho a mania de não condenar ninguém, cidadão ou político, usando do mau humor geral da nação para permitir apenas a presunção de culpa e caçar cliques no Grande Tribunal das Redes Sociais.

    Para usar dois exemplos distintos, de Gravataí, fiz isso na história do bruxo de Gravataí que ganhou as manchetes por supostamente sacrificar crianças. Tratei disso em um documentário em vídeo, Percorremos os caminhos do ritual satânico, e no artigo-flauta Ritual satânico, o maior mico da história da Polícia Civil gaúcha.

    Acertei.

    Perdoem-me pela máxima mal colocada pela situação, mas “o diabo sabe não porque é o diabo, mas porque é velho”.

    No caso das ‘candidatas laranjas’, que ameaçava os mandatos de três vereadores, e tratei da absolvição em Como vereadores de Gravataí se livraram da cassação; as laranjas kafkianas, fiz o mesmo: li as denúncias e cravei que, caso condenados, seriam os políticos como Josef K., de O Processo, de Kafka, que perguntado se “culpado ou inocente”, inquiriu:

    – Inocente de quê?

    Faço essa introdução, longa para os padrões do “não escreva além dos caracteres que fazem o Facebook recomendar o LEIA MAIS", porque, você, que sobreviveu até aqui, deve ter o bom costume de ir além da manchete. E sabe que, aqui no Seguinte:, inclusive nos silêncios de nossa equipe, terá contexto, e os fatos, aqueles chatos que atrapalham argumentos.

    Chegou ao Conselho dos Direitos da Criança do Adolescente (CMDCA) e ao Ministério Público um ‘dossiê’ com denúncias de irregularidades na eleição do Conselho Tutelar. Chegou também para mim, por meio de uma das denunciantes. De uma forma que me pareceu mais ingênua, do que interesseira, já que interessada o é, porque a fonte concorreu, e não teve sucesso, na eleição do dia 7 de outubro.

    Assisti aos vídeos, ouvi os áudios, olhei por minutos para os prints de rede social e não consegui identificar provas de abusos que pudessem levar à uma anulação da eleição, como requerido ao CMDCA e ao MP.

    Aqui não estou transformando candidatos e eleitos na Irmã Dulce. Sabemos todos, e tratei disso no artigo pós eleição Quem ganhou na eleição para o Conselho Tutelar de Gravataí, que a eleição para o Conselho Tutelar, em Gravataí, e do Oiapoque ao Chuí, é uma ‘gincana’.

    Ganha quem ‘mobiliza’ mais gente.

    Se Beltran@ ‘mobiliza’ pela admiração pelo trabalho, Sicran@ pela relação política, e Fulan@ pela média do dinheiro estabelecida entre uma cachaça com bitter e uma cesta básica, como nas ‘gincanas’ tão tradicionais de Gravataí, a turma salta quebra-molas arriscando até matar alguém – e aqui não é uma metáfora política.

    Mas isso não importa neste momento. A pergunta é: tem provas?.

    Pelo ‘domínio do fato’, anularíamos uma eleição após a outra.

    Não vi provas nas denúncias, no que vou decepcionar minha fonte, tão ansiosa nos últimos dias pelo que sairia no Seguinte:, me apontando como a última instância a quem recorrer.

    A promotora Juliana Nahas Gavião também não identifica um escândalo.

    Quem já teve a chance de conhecê-la, sabe que é uma pessoa direta e que não foge de polêmicas envolvendo a causa que ama: a Infância e Juventude.

    – Não estou para palhaçadas ou fofocas. Não vou alimentar intermináveis brigas eleitorais. Não há dossiê, há prints de redes sociais, um áudio que não prova nada e um texto opinativo com o desabafo que uma candidata – resume aquela que é a ‘fiscal’ da eleição para o Conselho Tutelar.

    A promotora não esconde a insatisfação com as poucas exigências para candidaturas, mas relata ter percorrido a cidade nas eleições sem flagrar irregularidades como compra de votos.

    – Infelizmente o problema está na forma de eleição.

    Juliana adianta o entendimento da Promotoria sobre passagem do edital que poderia comprometer candidatos que tiveram vereadores como cabos eleitorais, e alertei no artigo Indicação política pode cassar na eleição para Conselho Tutelar; o que seria isso?, antes da eleição.

    – É dos direitos de qualquer um pedir voto – resume, observando que representariam ilegalidades apenas o uso de siglas partidárias ou do fundo eleitoral de partidos para campanhas ao Conselho Tutelar.

    Ainda assim, ela questiona sobre a desproporção de cassar um eleito pelo erro cometido por um cabo eleitoral, mesmo que políticos conhecidos na aldeia.

    A promotora explica que, independentemente da robustez das provas, a comissão eleitoral recebeu as denúncias e as averiguações estão sendo feitas.

    – Estamos tendo todo cuidado, mas não deixaremos coisas sem importância contaminar a eleição. Não há esse show de horrores que alguns propagam.

    Patrícia Gautério Dias, presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescentes (CMDCA), não atendeu à ligação do Seguinte:, mas informou por WhatsApp que que não falará enquanto a Comissão Eleitoral, que comanda pela segunda eleição consecutiva, analisa as denúncias “com calma”.

    Conforme o artigo 82 do edital que regrou as eleições, e você lê na íntegra clicando aqui, “os recursos eleitorais não terão efeitos suspensivos”.

    Não há data definida para diplomação.

    Ao fim, os 10 eleitos seguem eleitos.

    • 3º Neurônio | comportamento
      Terapia de casal, mas de casal de amigos
      por Ana Bulnes Fraga | El País
    • 20 de novembro
      Gravataí abre a Semana da Consciência Negra
      por Redação
    • opinião
      O dia em que a Câmara foi o STF; e deu empate!
      por Rafael Martinelli
    • personagens
      Quem é Sirmar Antunes, o ator que respira arte, negritude e Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A reeleição de Miki e a desfiliação de Ibarú e Marco
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Cassação ameaça outra conselheira tutelar eleita
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Escola Tuiuti está mais perto do fim
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Aniversário de Miki mostra força para reeleição
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Repercussão política foi instantânea do ’reajuste zero’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      LDO prevê ’reajuste zero’ para funcionalismo
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.