notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/02/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Arte sobre obra de Pawel Kuczynski

    Os homens que não amavam as mulheres; em Gravataí também

    por Rafael Martinelli | Publicada em 12/08/2019 às 18h52| Atualizada em 19/08/2019 às 17h17

    Não é fácil para as mulheres ocupar espaços de poder. Uso para a constatação uma exemplo atual, a ‘Vaza Jato’, que está aí para, pelo menos, permitir aquele emoji de dúvida, da mãozinha no queixo.

    Nas mensagens de chats no Telegram repassadas ao The Intercept Brasil por fonte anônima, o juiz Sérgio Moro já ‘sugeriu’ o afastamento da procuradora Laura “não vai muito bem” Tessler dos interrogatórios de Lula, no caso do triplex, o que o ‘chefe’ da Java Jato, Deltan Dallagnol, logo providenciou.

    Depois, Carmem Lucia, ministra do Supremo Tribunal Federal, é alvo do deboche como “amiguinha” de Gilmar Mendes e descrita como “frouxa”.

    Sexta, em diálogos analisados pelo El País, uma nova ‘vítima’, como mostra a reportagem “O barraco tem nome e sobrenome. Raquel Dodge”, o retrato da procuradora-geral segundo a Lava Jato.

    Curiosamente, sempre homens atacando mulheres, em chats onde, por exemplo, o ex-procurador Rodrigo Janot era vaselinado.

    “Top”, na linguagem coxinha.

    Na política, então, é pior... Dilma é obrigada a ainda hoje, como se fosse uma coisa normal, testemunhar um presidente da República passar pano em sádicos e tarados que a torturaram e a outras tantas crianças e adolescentes.

    De políticas na ativa, Maria do Rosário e Janaína Paschoal, para usar exemplos dos dois lados da ferradura, quando tratadas por loucas ou histéricas talvez considerem elogio, frente às metralhas de xingamentos muito mais baixos, fake news e ódio direcionado a elas e, no caso da gaúcha, à filha e a família.

    Não dá para esquecer de lembrar Gleisi Hoffmann, no Grande Tribunal das Redes Sociais memezada como ‘marmita de presidiário’ por barbados e por tantas mulheres sem vergonha.

    E Marielle Franco? Mesmo assassinada a tiros, volta e meia ainda é crivada de balas que miram sua reputação – até desembargadora já disparou fake news!

    Em Gravataí não é diferente. As mulheres encontram dificuldades em eleições. Rosane Bordignon sofreu em 2017, Patrícia Alba, em 2018, com apelidos e desconstruções nas redes sociais, invariavelmente oriundos de covardes perfis falsos.

    Pior é que, quando uma chegou lá, Rita Sanco, foi impichada. É claro que, de forma cínica e oportunista, já que não havia nenhuma denúncia de corrupção, e os 11 itens da cassação restaram arquivados por Ministério Público e Judiciário, referida desde sempre por beneficiados com o golpeachment como “uma mulher honesta”, mas “sem habilidade política”.

    É só uma reflexão, da qual excluo Cláudia Cruz, bem tratada por Moro e a Java Jato. Uma coisa pode não ter nada a ver com a outra. Mas que parece, parece, não? Inegável é que são infindáveis os casos em que, se tratando de donas no poder, o que mais vemos são ‘homens que não amavam as mulheres’.

     

    LEIA TAMBÉM

    Quantos tiros você deu em Marielle?

    • coluna do silvestre
      Um ano de CCR no estado: o que mudou nas BRs
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      Zaffa foi o vip de Marco Alba na festa da GM; o preferido
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | opinião
      Conivência com o racismo, uma regra não escrita do futebol
      por Breiller Pires | El País
    • opinião
      Gravataí confirma reajuste automático no piso do magistério; saiba como fica
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      SPA urbano quer abrir franquias na região
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      O que próximo governo pagará por financiamentos em Gravataí; a conta de Davi
      por Rafael Martinelli
    • 3º Neurônio | tecnologia
      Como apagar dados pessoais que não deveriam estar na rede
      por Isabel Rubio | El País
    • opinião
      Os candidatos do Maroni em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Às portas da ditadura; do ’vilão de estimação’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel e ’Os Homens Que Não Amavam As Mulheres’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      João Paulo candidato a prefeito de Cachoeirinha pelo PP; os 38 investigados na Lava Jato
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Creche de Jornal Nacional’ abriu; a razoabilidade na crítica
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Mais de 150 mil veículos vão para as praias
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • opinião
      As CPIs ’napoleão de hospício’ de Cachoeirinha; entendo Groucho
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Não tem Jesus para crise dos médicos em Gravataí; nem arminha
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Trolador da Globo’ faz vídeos para Anabel em Gravataí; a esquerda vive
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Acordo do Mato do Júlio é bom negócio; Greta Thunberg fica para amanhã
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.