notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 22/10/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Comerciários do diretor-financeiro Antenor Federizzi (E) venceram ação de R$ 250 mil

    Para quê serve sindicato? Pergunte aos comerciários que ganharam 250 mil

    por Rafael Martinelli | Publicada em 04/07/2019 às 13h39| Atualizada em 15/07/2019 às 12h14

    Um dos sintomas do que chamo de Senzala com complexo de Casa Grande é ouvir assalariado dizendo que sindicato não serve para nada. Provavelmente não é o que acham 15 trabalhadores de uma rede de lojas de departamentos de Gravataí, que ganharam ação coletiva de R$ 250 mil movida pelo Sindicato dos Empregados no Comércio.

    Os valores, que variam conforme o tempo trabalhado, e vão de R$ 1,8 mil até R$ 33 mil, são compensações pelos vendedores comissionados terem sido submetidos a desvio de função ao ser deslocados dos pontos de venda para carregar e descarregar caminhões, por vezes em horários fora do expediente.

    O comerciário que recebeu o maior valor foi pego de surpresa. Nem lembrava a ação que tramitou por quatro anos até o ganho de causa no Tribunal Superior do Trabalho, com o escritório Kahle e Bitencourt Advogados representando o Sindec.

    – Enquanto estava descarregando produtos, os funcionários não podiam vender e receber comissões, que representavam a maior parte dos salários – resume o advogado Bruno Kahle, que elaborou a ação após o sindicato receber a denúncia.

    Nenhum dos trabalhadores contribuía para o sindicato após a obrigatoriedade cair com a reforma trabalhista de 2017.

    – O sindicato trabalha por todos, mesmo para os que não contribuem. Infelizmente, o movimento sindical vive o pior momento. E foi o movimento sindical a conseguir 44 horas de jornada de trabalho, repouso remunerado, férias, 13º salários... É o trabalhador o maior prejudicado com sindicatos fracos – alerta Antenor Mariano Federizzi, diretor-financeiro dos comerciários, que na manhã desta quinta acompanhou a assinatura do parcelamento em seis vezes ao lado dos beneficiados com a ação.

    – Fui pega de surpresa! Vou me associar. Quando acontece com a gente percebemos a força do sindicato. É um dinheirinho que vem em uma boa hora – comemora Tatiane Imperatore da Silveira, que saiu da loja condenada há um ano.

    Com 30 anos de sindicalismo, Federizzi calcula que as contribuições caíram 90%, em uma base que não chega a dois mil, dos 20 mil comerciários que trabalham em Gravataí, Cachoeirinha, Canoas e Nova Santa Rita, área de cobertura do Sindec.

    – Hoje estou entregando a chave da sede em Gravataí, estamos sublocando a colônia campestre de Capão da Canoas, reduzindo fiscais das denúncias, diminuindo atendimentos médicos e também matrículas na nossa escola de educação infantil – lamenta o comerciário de 65 anos que começou a trabalhar como empacotador de supermercado, até chegar à gerência.

    A previsão de Federizzi não é nada boa:

    – Continuando como está em cinco anos o sindicato fecha.

    É o período em que o experiente sindicalista calcula os assalariados sentirão de forma mais dramática os efeitos da reforma trabalhista, principalmente nas negociações com os patrões sem a força de um sindicato.

    – O trabalhador ainda vai apanhar muito até sentir que o sindicato é necessário – constata Federizzi.

    A Nota Técnica 177 A importância da organização sindical dos trabalhadores, publicada pelo DIEESE, analisou o conteúdo de mais de 56 mil convenções coletivas e 308 mil acordos coletivos de trabalho celebrados entre 2007 e 2017 e mostrou que 93% dos instrumentos tratam de questões salariais, como gratificações, adicionais, auxílios; 89% abordam o contrato coletivo de trabalho (admissão e demissão); 87% referem-se às condições de trabalho, normas de pessoal e estabilidade; 89% regulam a jornada de trabalho (duração, distribuição, controle e faltas); 70% tratam das férias e licenças; 85% regulam questões de saúde e segurança; 92% regulam as relações sindicais, além de definirem regras paras as negociações e solução de conflito.

    Enfim, complexos e guerra ideológicas à parte, negociações mais importantes para a Senzala do que para a Casa Grande.

     

    CONHEÇA O SINDICATO

    Acesse o site do Sindec clicando aqui. Ali estão informações inclusive sobre as convenções e negociações de dissídios de uma série de categorias.

     

    Siga o vídeo produzido pelo Seguinte:

     

    • 3N | economia
      A importância dos homens arrumarem a cama
      por Luis Doncel | El País
    • coluna do silvestre
      Gravataí vai ter novo centro comercial
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Vereador quer CPI de fraude no SUS em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O pedido de Ciro para campanha de Anabel em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Bahia dá mais uma goleada na chucrice
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Cinco homens e um destino, ser sucessor de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’Outsiders’ sem sucesso na eleição para Conselho Tutelar
      por Rafael Martinelli
    • obras
      Prefeito acompanha obras para troca do pedágio
      por Redação
    • opinião
      Miki, Fernando, Sueme, Pompeo e Lupi; do checão à reeleição
      por Rafael Martinelli
    • investimento
      Neco inaugura posto de R$ 20 milhões e 150 empregos
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Um outro lado da PPP da Corsan; uma GM para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.