notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/08/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Complexo automotivo da General Motors, em Gravataí

    Acordo Mercosul-União Européia é ruim para GM Gravataí; there is no free lunch, nem marmita grátis

    por Rafael Martinelli | Publicada em 02/07/2019 às 14h52| Atualizada em 09/07/2019 às 18h49

    There is no free lunch.

    Não há almoço de graça, diz o CEO no jatinho.

    E, invariavelmente, quem paga a conta é a Senzala, mesmo que aquela com complexo de Casa Grande.

    Na série de artigos Trump, Gravataí, almoço e marmita de graça; o futuro da GM, Se precisar fechar, GM fechaO que queria que a GM mostrasse ao prefeito; é dúvida de todos, acreditoSe precisar fechar GM, fecha; secretário de Bolsonaro avisa, Gravataí espera aterrorizadaO blefe da GM; quem paga esse almoço? e Onde a Gravataí da GM encontra a mulher do Bolsonaro e a filha de Moro, publicados pelo Seguinte:, chamei atenção para o risco da GM ir embora de Gravataí após encerrar o ciclo de investimento do ‘show do bilhão’, em 2021.

    Terrorismo, acharam alguns.

    Agora, serve como alerta aos prefeituráveis, que se preparam para, a partir de 2021 governar a ‘Terra da GM’, 'Futura-ex-Terra da Pirelli', os termos do acordo Mercosul-União Européia, no que diz respeito à indústria automobilística brasileira.

    Não parece nada bom.

    Conforme o pacto celebrado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta semana, o Brasil poderá importar carros europeus com imposto de importação reduzido pela metade.

    O acordo só valerá a pleno em 15 anos. Não é uma abertura descontrolada, já que os governos sul-americanos concordaram em baixar imediatamente o porcentual para uma cota de veículos, que representa o que os países importaram dos europeus no ano passado.

    Por enquanto, cairá de 35% para 17,5% o imposto de importação para até 50 mil carros por ano, sendo 32 mil para o Brasil. Essa é a mesma quantidade importada pelo Brasil no ano passado.

    Veículos que ultrapassarem a cota continuarão pagando 35% por sete anos após o início o acordo. Depois, as tarifas cairão gradualmente chegando a 17,5% em dez anos e a zero em 15 anos. Já as autopeças não terão carência e a maior parte delas deve chegar à taxa zero nos primeiros dez anos do acordo

    Mas, e não é torcida, nem secação, desconfio estarmos frente a uma ameaça de desmonte da indústria nacional de veículos.

    Aos que não entenderam o ‘terrorismo’: a GM não fabrica carros para a Europa, mas os veículos europeus entrarão mais baratos no Brasil.

    Ok, o consumidor ganha. Mas, e a ‘terra da GM’?

    Definitivamente, there is no free lunch; e muito menos free marmita.

     

    LEIA TAMBÉM

    Tirando a bunda da cadeira para socorrer Pirelli; Eles Não Usam Black-tie

    • supermercados
      Agas quer vendas de R$ 520 milhões na Expoagas 2019
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • eleição 2019
      A lista de quem pode concorrer ao Conselho Tutelar
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Em recuperação, vereador Nadir ainda evita visitas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel também vai para trás do muro? Postou e apagou Lula
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Áureo assume Mobilidade; na fila para Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • tecnologia da informação
      AGTI coloca Gravataí na vanguarda
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • cultura
      Falta uma semana para o Festival de Teatro
      por Redação
    • economia
      2 em cada 10 novas vagas são por dia ou horas
      por Heloísa Mendonça | El País
    • av. dos estados
      Um dos maiores problemas de alagamento perto da solução
      por Redação
    • opinião
      Stasinski vs Márcio Souza; quem ganhou o PV de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • duplicação
      Presidente do BNDES elogia ritmo das obras na RS-118
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • panificação
      Uma indústria que só cresce em Gravataí e Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • coluna do silvestre
      O novo Asun de Gravataí quer expandir a rede
      por Silvestre Silva Santos
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.