notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 17/06/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    opinião

    Rogério Favreto, amado por uns, odiado por outros, lido por poucos

    O dia em que o STF não levantou a venda da Justiça

    por Rafael Martinelli | Publicada em 05/04/2019 às 15h04| Atualizada em 15/04/2019 às 16h08

    O ministro Luís Roberto Barrroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou arquivar o inquérito que investigava o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4).

    No ano passado, Rogério Favreto, durante um plantão de fim de semana, mandou soltar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No Fim De Semana Em Que Todos Os Juízes Trabalharam, a decisão gerou uma série de outras decisões, que, no fim, mantiveram Lula preso.

    Pela Constituição, desembargadores têm foro no Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas o caso estava no STF porque a Procuradoria Geral da República apontou suposto "ato orquestrado".

    Ao analisar o caso, Barroso mandou arquivar o inquérito por entender que o desembargador Rogério Favreto agiu "nos limites de suas atribuições".

    Reproduzo o artigo Não há nada de absurdo no argumento de soltura de Lula; muito pelo contrário, que escrevi à época no Seguinte:, para variar, abaixo de pau, e depois comento.

     

    “(...)

    Está fora de moda em tempos de ódio à política, mas a decisão do desembargador Rogério Favreto soltando Lula, mesmo que depois considerada extemporânea, buscou assegurar coisas caras à democracia: a garantia a direitos políticos e à informação do eleitor em uma eleição.

    Tenha sido o gaúcho procurador de Tarso, batido foto servindo água para Aécio ou posado de smoking bebendo champanhe com Dória, o ‘fato novo’, que é atacado como uma chicana jurídica, goste-se ou não, é bem fundamentado na liminar que tirou árbitros de vídeo da cama, ou de férias a sete mil quilômetros, num domingo revelador da anarquia vivida pelo judiciário brasileiro.

    – Tenho que o processo democrático das eleições deve oportunizar condições de igualdade de participação em todas as suas fases com objetivo de prestigiar a plena expressão das ideias e projetos a serem debatidos com a sociedade – argumenta na decisão tomada como plantonista do TRF4.

    – Sendo assim, percebe-se que o impedimento do exercício regular dos direitos do pré-candidato, ora paciente, tem gerado grave falta na isonomia do próprio processo político em curso, o que, com certeza, caso não restabelecida a equidade, poderá contaminar todo o exercício cidadão da democracia e aprofundar a crise de legitimidade, já evidente, das instituições democráticas – alerta Favreto.

    – Oportuno registrar que eventual quebra da isonomia entre os pré-candidatos, deixando o povo alijado de ouvir, ao menos, as propostas, é suprimir a própria participação popular do próximo processo eleitoral – conclui, observando que há um “direito difuso da sociedade” de participar de um pleito em que se garanta tratamento isonômico entre os candidatos e “é dever do estado assegurar essa condição”.

    Sem peso na decisão judicial, onde teoricamente todos são iguais perante a lei, mas necessário observar, um direito que por analogia certamente espera boa parte do eleitorado, já que o ex-presidente aparece com uma preferência nas pesquisas maior que a soma de todos os outros presidenciáveis e, sem ele, o eleito de hoje seria ‘ninguém’.

    Fato é que Lula, mesmo notório candidato, apesar de quatro apelações, conforme o desembargador julgadas sem a devida fundamentação pelo juízo de execução penal, tem sido impedido de participar de sabatinas feitas pela mídia, de participar de atividades partidárias ou mesmo de viajar pelo país em campanha, como o fazem outros postulantes à presidência da república.

    Pelo menos até que seja mudada pelo Congresso, e torçamos para que não o seja, porque nos aproximaria mais de um estado de exceção, a Lei de Execução Penal não prevê a cassação dos direitos políticos de réu nenhum, pelo menos até que, como especifica o artigo 15 da Constituição, plausível de entendimento até para analfabetos funcionais, haja uma “condenação criminal transitada em julgado, enquanto durarem seus efeitos”.

    E Lula, culpado ou inocente, não tem uma condenação transitada em julgado e goza de direitos políticos para candidatar-se a cargo eletivo, mesmo que depois venha a ser cassado pelo enquadramento na lei da ficha limpa – o que só pode ser analisado pela justiça eleitoral após o registro da candidatura. Há, inclusive, recursos ao STJ e ao STF que, como podem ser negados, fazendo com que o ex-presidente pague seus 12 anos e um dia, também podem reduzir ou até anular a pena.

    Ao contrário do entendimento geral da nação, o 6 a 5 no qual o Supremo negou habeas corpus a Lula em abril não significa uma automaticidade na antecipação do cumprimento da pena após condenação em segundo grau, como lembra Dias Toffoli em HC concedido a réu posteriormente ao julgamento do ex-presidente.

    – É uma possibilidade – observou o ministro que em 12 de setembro assume a presidência do STF em substituição a Carmén Lucia – que precisa ser fundamentada em concreto e com demonstração que as circunstâncias pessoais do réu ensejam sua decretação para garantir a aplicação da lei penal.

    À luz da citação, são no mínimo instigantes os argumentos da decisão liminar expedida por Favreto:

    – A ordem de soltura não coloca em risco pressupostos processuais penais ensejadores da prisão preventiva. Quanto à conveniência da instrução criminal porque já está encerrada. Relativamente ao risco da ordem pública e aplicação da lei penal, todo o comportamento e postura do réu, desde a instrução criminal até a atual execução provisória da pena, tem sido de colaboração e auxílio às autoridades judiciárias, bem como não há notícia de ter causado obstrução ou interferência na persecussão penal, seja com testemunhas ou outros réus. Da mesma forma, o paciente sempre informou local de domicílio certo e publicizou negativa de eventual acolhimento de asilo político pela sua condição de ex-presidente da república. Ainda, sempre que convocado pela justiça apresentou-se espontaneamente, inclusive quando determinado o seu recolhimento para o atual cumprimento provisória de pena – lista.

    Enfim, por não se enquadrar nas hipóteses previstas pelo artigo 312 do Código de Processo Penal, Lula poderia ser solto, tenha ele nove ou dez dedos, fosse ele Jesus Cristo ou Suzane von Richthofen. O que não significa absolvição. Não há nenhum absurdo na argumentação do desembargador pela soltura, e nem foi ela alvo do ataque principal do presidente do TRF4 na decisão que a derrubou. O que Thompson Flores sustentou foi a suposta falta de competência do plantonista para decidir sobre um HC que considerou 'mais do mesmo' frente a outros pedidos de relaxamento de prisão apresentados anteriormente.

    Mas ficam nos anais do judiciário os argumentos de Favreto para o 'fato novo', o alerta de que há uma anomalia na eleição e, justos ou injustos, bons ou ruins, populares ou impopulares frente à realidade brasileira, direitos constitucionais não estão sendo garantidos.

    Ao fim, inegável é que Lula resta em sua solitária como um troféu da Lava Jato – para uns, como um exemplo de que a justiça brasileira também condena poderosos; para outros, como um preso político.

    (...)”

     

    Comento.

    Inegável a influência que teve na eleição presidencial a manutenção da prisão de Lula pelo presidente do TRF-4, Thompson Flores, no episódio em que se falou até em uma ligação 00 do hoje político, e à época, juiz de primeiro grau Sérgio Moro.

    O chefe do herói da Lava Jato foi eleito com 39,6% dos votos em um pleito disputado com o ‘poste de Lula’, Fernando Haddad.

    Mas vamos à notícia do momento, porque com o adiamento eterno do julgamento da ADC sobre prisão em segunda instância, o ex-presidente seguirá um preso da política.

    Barroso surpreende ao fazer uma coisa rara em sua trajetória onde passou de advogado do terrorista Césare Battisti e bedel da esquerda ao liberar o casamento gay, a um dos cânones do lado destro da ferradura, em sentenças midiáticas em julgamentos de envolvidos no petrolão e sobre a ‘lei Lula’, aquela que mantém o ex-presidente em uma solitária na República de Curitiba há um ano neste domingo: desta vez o ministro não levantou a venda dos olhos da justiça para dar uma olhadinha na gritaria das ruas, como tanto gosta e deslegitima até o próprio Supremo.

    Favreto pode continuar dizendo aos amigos, no Copacabana, na Cidade Baixa:

    – Ainda há juízes em Berlim!

    • opinião
      Dr. Levi no MDB? Carlos Gomes vai na casa de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A ’greve geral’ em Gravataí; a Senzala com complexo de Casa Grande
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      The Viking Brasil quer ser gigante de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Como ler Marco Alba; o card que até agora é ’a’ peça de 2020
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Partido de Dimas parece o de Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Novo ’Km da Morte’ de Gravataí nas mãos de Leite
      por Rafael Martinelli
    • acolhimento
      Um pedido de socorro para ajudar mulheres agredidas
      por Redação
    • opinião
      Bolsonaro não vai mais ajudar Miki
      por Rafael Martinelli
    • em gravataí
      O bailarino que dançou para Michelle Obama
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • loja do bem
      Como doar para Campanha do Agasalho
      por Redação
    • segurança
      Barco de 7 milhões flagrado na Freeway em transporte irregular
      por Redação
    • opinião
      Sindicatão italiano pressiona Pirelli por Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A OAB de Gravataí e a polêmica da ’Lambe Toga’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Bombeiro oficialmente fora da base de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel vai presidir partido dos Bordignons
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O dia em que Régis não foi o vice de Dimas
      por Rafael Martinelli
    • com vídeo
      Quem Marco Alba apoiará para Prefeitura em 2020?
      por Rafael Martinelli
    • com vídeo
      A ’Vaza Jato’ mudou cardápio em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • trânsito urbano
      Nova rótula no Passo das Pedras fica pronta em três meses
      por Redação
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.