notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    2020

    Marco Alba, no gabinete | Foto GUILHERME KLAMT

    OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba

    por Rafael Martinelli | Publicada em 07/11/2018 às 15h07| Atualizada em 07/11/2018 às 15h15

    É um ame-o ou deixe-o o Plano de Infraestrutura, Asfaltamento e Recapeamento de Vias 2018-2020 apresentado por Marco Alba (MDB). Amarra a base de vereadores do governo e mantém nas mãos o poder de decisão sobre quem será o candidato à sucessão na prefeitura – tenha o plano sucesso ou não.

    É da caneta do prefeito que sairão, pelos próximos dois anos, não só a assinatura para a duplicação das pontes do Parque dos Anjos, mas as ordens para acelerar o asfaltamento de cada uma das 30 ruas em bairros e vilas de norte a sul da cidade, redutos eleitorais de políticos do A ao Z.

    Quem conhece Marco há algum tempo certamente já ouviu a expressão “bom cabrito não berra”. Habilidoso, mas de pragmatismo implacável, dele não se ouviu uma crítica sequer aos vereadores que em 2016 somaram 15 mil votos em suas eleições e reeleições e, em 2018, mesmo recebendo toda estrutura para fazer campanha, não transferiram votos suficientes para a primeira-dama Patrícia Alba, candidata do governo que fez 12 mil votos em Gravataí. Ao contrário, aonde vai elogia a base do governo pela sustentação na câmara, mesmo que não distribua sorrisos para a falta de resultados políticos nas ruas.

    – Fazer avaliação para quê? Não gosto disso. Passou a eleição, é hora de olhar para frente – foi a única coisa que o Seguinte: conseguiu tirar de Marco nos dias de ressaca eleitoral.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Os erros e acertos de Patrícia, Jones e Dimas

     

    Mas o prefeito parece emitir sinais. No anúncio do Plano de Obras, a ausência sentida foi de Jones Martins, um indicativo de que apesar de ter nas mãos a ficha 1 da sucessão será necessária a bênção final do ‘padrinho’ – como o ex-deputado federal chama Marco. Dos outros nomes cogitados nos corredores da câmara e do palacinho amarelo da José Loureiro, apenas o vice-prefeito Áureo Tedesco (MDB) estava presente, ao lado dos vereadores governistas, exceto um: Nadir Rocha, apelidado ‘camerlengo da sé vacante’ por ter sido prefeito interino em 2011 e 2017, e que já se apresenta como candidato a candidato em 2020. Alison Silva (MDB), secretário de mobilidade urbana, também não estava lá. O procurador-geral Jean Torman (MDB) só chegou ao fim da apresentação.

    O Plano de Obras amarra os vereadores porque para qualquer um deles experimentar um provável sucesso será preciso fidelidade, algo que os mais veteranos sabem que diminui na mesma progressão com que se aproximam novas eleições. Atípicas, por serem as primeiras das últimas duas décadas sem o tradicional GreNal político da aldeia entre Marco e Daniel Bordignon. O que faz multiplicarem-se candidatos crentes que podem ganhar, conspirações de bastidores por alianças inimagináveis e aproximam-se dos novos favoritos toda sorte de vigaristas, interesseiros e interessados. Enfim, cada um já trata de usar o presente para arranjar um futuro.

    Ao fim, o recado de Marco parece claro: o candidato do governo terá que ser o candidato do governo, com suas recompensas, mas também sacrifícios. Ninguém será ‘candidato de si mesmo’ ou do ‘contra tudo que está aí’. É caro para o prefeito o legado que pretende entregar ao fim dos oito anos, onde terá pago R$ 250 milhões em dívidas (seu sacrifício), mas projeta concluir obras nunca antes feitas, como as pontes (recompensa para o governista que for às ruas pedir votos).

    A vida não foi fácil para Marco, politicamente falando. É bom não esquecer de lembrar que em 2015 qualquer buquemeque feito no Argeu, ou outro bar, o colocava sempre como azarão. Resiliente, chegou em segundo no pleito anulado em 2016, recompôs apoios e venceu a eleição suplementar de 2017 aumentando em 15 mil a votação.

    Nem Marco, nem Bordignon chegaram tão longe apenas ganhando curtidas no facebook. Como os dois estão fora das urnas em 2020, as crianças não serão tiradas da sala. Mas tanto um quanto o outro seguirão com controle remoto nas mãos. Quem tiver mais pilha, se não decide quem vence, decide quem perde.

    Isso se não assistirem a mesma trama de Netflix.

     

    LEIA TAMBÉM

    Plano de Marco prevê pontes e mais de 30 ruas até 2020

     

    Assista entrevistas no dia do anúncio do Plano de Obras, em 16 de outubro

     

    • mais médicos
      Saída de médicos cubanos preocupa prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • efeito cascata
      OPINIÃO | Vereadores, não aumentem os salários
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.