notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    eleições 2018

    Festa da vitória de Jair Bolsonaro em Gravataí, na noite deste domingo | Foto ANDREO FISCHER

    OPINIÃO | Eleição foi boa e ruim para Gravataí

    por Rafael Martinelli | Publicada em 29/10/2018 às 14h47| Atualizada em 12/11/2018 às 12h34

    DAS URNAS #12 | Uma análise pragmática do que Gravataí perdeu e ganhou com as eleições no estado e no país. Siga mais detalhes nos links relacionados

     

    Pragmaticamente falando, a eleição foi boa e ruim para a política de Gravataí. Ruim porque por mais quatro anos nenhum representante da política da aldeia terá mandato na assembléia legislativa ou na câmara federal. Patrícia Alba (MDB) e Dimas Costa (PSD) eram suplentes da coligação de José Ivo Sartori (MDB). Uma vitória do gringo guindaria a primeira-dama ou para o parlamento, ou para uma secretaria de estado. Para não ficar refém do governo, Dimas, oposição e de olho em 2020, estudava não renunciar o mandato de vereador para assumir como deputado, caso fosse chamado, para continuar beneficiado pelo ‘contra tudo que está aí’ que o fez ser o mais votado da cidade. Mas a sedução do poder não será mais testada, já que Eduardo Leite (PSDB) venceu. A não ser que o PSD participe do governo. O que também pode acontecer com o MDB, quem duvida.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Gravataí ainda pode ter dois deputados; uma quer, outro não

    OPINIÃO | Os erros e acertos de Patrícia, Jones e Dimas

     

    É claro que a política é muito mais que a aldeia, mas é sempre bom ter representação política. No balanço dos prós e contras, se no ano e meio em que, suplente, assumiu como deputado federal, Jones Martins (MDB), ao apoiar as reformas de Michel Temer foi vilão de outdoor dos trabalhadores, no quesito dinheiro na conta, a cidade recebeu R$ 20 milhões em emendas e outros R$ 33 milhões foram liberados pelo governo federal para iniciar o hospital do câncer, que atenderá toda região metropolitana.

    O município também perde a interlocução direta com o Palácio Piratini, que era tímida, mas ao alcance de um telefonema de Marco Alba, no Rio Grande do Sul o prefeito da maior prefeitura do partido do governador José Ivo Sartori. Tímida porque, se as obras da RS-118 andaram como nunca, o alinhamento das chamas do símbolo do MDB nunca foi suficiente para o recebimento dos R$ 17 milhões em repasses atrasados desde 2014 para a saúde – o que coloca Gravataí como a cidade gaúcha com mais gente aguardando na fila por cirurgias eletivas pelo SUS, com 7.376 pessoas na espera, quase quatro vezes mais que Porto Alegre.

     

    LEIA TAMBÉM

    O que Gravataí fará para deixar liderança na fila das cirurgias​

     

    Já a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) foi boa. Gravataí tem um interlocutor ligado às altas patentes do bolsonarismo. Seu vice no DEM gaúcho, o vereador Evandro Soares é o cara de Onyx Lorenzoni na região metropolitana. E o deputado federal será o ministro chefe da Casa Civil. Se Jones, deputado, tinha como padrinho Eliseu Padilha, número 1 de Temer, Evandro fala com Onyx pelo menos uma vez por dia. Inevitavelmente, será o ‘embaixador’ de Gravataí junto ao governo do militar eleito pelas urnas. Na sexta, Evandro e Marco já conversaram sobre isso – e 2020 – na prefeitura.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Em Gravataí, todos arriscam perder, menos um

    OPINIÃO | Evandro é o político do Bolsonaro em Gravataí

     

    Ainda no palanque, no discurso com ares de culto evangélico, que teve altos (a garantia do respeito às liberdades e à constituição) e baixos (as anacrônicas referências ao comunismo e socialismo), o ‘mito’ acenou para uma redistribuição dos recursos que beneficie mais os municípios, hoje sobrecarregados não só com saúde e educação, mas também com a segurança pública:

    – Mais Brasil, menos Brasília.

    Ao aderir ao SartoNaro no segundo turno, mais do que o antipetismo, essa foi a aposta do prefeito Marco Alba, dita por ele próprio no discurso: a valorização das prefeituras. Para se ter uma idéia, apenas um de cada três reais arrecadados pela união volta para os estados e municípios. A dúvida é se o presidente eleito vai abrir mão de um poder que, apesar das promessas que todos fizeram nos últimos 20 anos de campanhas eleitorais, nenhum antecessor cumpriu.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | A noite em que Marco e o MDB apoiaram Bolsonaro e filiaram Áureo

     

    Apesar de não ter sido o candidato de 6 a cada 10 eleitores que podiam dar seu confirma nas urnas neste domingo, a vitória de Bolsonaro foi incontestável. Ele é depositário de altas esperanças de um povo com medo. Foi eleito pelo voto popular, na delícia da democracia. Como já disse Carlos Drummond de Andrade, “uma eleição é feita para corrigir o erro da eleição anterior, mesmo que o agrave”.

    Torçamos.

     

    LEIA TAMBÉM

    OPINIÃO | Vitória incontestável, mas Bolsonaro não é dono do Brasil

    ATUALIZADÃO | Região deu quase o triplo de votos a Bolsonaro

    • mais médicos
      Saída de médicos cubanos preocupa prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      COM VÍDEO | Lentes que retratam vidas
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • efeito cascata
      OPINIÃO | Vereadores, não aumentem os salários
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.