notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 15/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    obras públicas

    OPINIÃO | Não é loucura construir uma prefeitura nova

    por Rafael Martinelli | Publicada em 27/06/2018 às 18h46| Atualizada em 05/07/2018 às 17h14

    Até o fim do ano, o prefeito Miki Breier (PSB) pode dar início às obras de construção de uma nova prefeitura em Cachoeirinha, numa área de seis mil metros quadrados, pertencente ao município, ao lado do prédio atual.

    A projeção foi feita ao Seguinte: por Gilson Stuart, secretário de modernização administrativa e gestão de pessoas. Entusiasta da obra, o administrador espera até o dia 20 de julho inscrições para o concurso de projeto arquitetônico básico e planilha orçamentária estimativa.

    – Muitos podem dizer que uma obra dessas em meio à crise é coisa de louco. Mas é só fazer as contas para perceber que é um investimento possível, que se pagará no futuro e vai permitir um melhor atendimento. A prefeitura sairá do aluguel – resume.

    Às contas.

    A estimativa extraoficial é que a nova prefeitura, com capacidade de ocupação de 300 pessoas, custe R$ 10 milhões. O gasto com aluguéis da atual sede e da secretaria de saúde – que também funcionaria no prédio – chega perto de R$ 1 milhão por ano. Aí estaria o grosso da economia.

    Outra fonte de redução de despesas seria o aproveitamento de recursos naturais, como o reuso de águas pluviais, ventilação e iluminação natural, sistema de energia solar, etc., exigidos no edital do projeto arquitetônico, junto à acessibilidade para pessoas com deficiência – o que hoje é uma vergonha em Cachoeirinha.

    Mas, de onde tirar dinheiro, se o prefeito poucas obras consegue fazer e não esconde de ninguém que precisou congelar salários do funcionalismo para tentar evitar novos atrasos?

    De duas fontes, conforme Gilson: a venda da folha de pagamento e a venda de áreas públicas.

    A negociação da folha, que envolve 3,2 mil funcionários da ativa e cerca de 500 aposentados, já rendeu R$ 3,5 milhões em 2012. O contrato com a Caixa Federal vence em julho. O lance mínimo do novo leilão será de R$ 5 milhões. O edital, aberto também para bancos privados, já está pronto para ser publicado.

    Os outros R$ 5 milhões viriam da venda de áreas do município, a maior delas de 70 mil metros quadrados, no Jardim do Bosque, permutada na negociação com o Cruzeiro. Um projeto já está na Câmara e, com a esmagadora maioria governista, deve ser aprovado com facilidade. A ideia é abrir leilões assim que houver a autorização dos vereadores.

    Ao fim, se o dinheiro dos leilões aparecer, Gilson estará certo. Não é coisa de louco construir uma prefeitura nova.

    É opção de governo.

    De difícil convencimento para a maioria das pessoas, arrisco. 

    É bom tema para tirar a febre nas lives que o governo faz no Facebook.

    • saúde
      Frente de prefeitos reage a saída de médicos cubanos
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Hoje até vereador comemora médicos indo embora
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Todo sábado é dia para adotar um pet na Sperk
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • meio ambiente
      COM VÍDEO | A nossa lista vermelha da extinção
      por Eduardo Torres
    • trânsito
      Fim da tranqueira no trânsito está mais próximo
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Saída de médicos cubanos é desastre para Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2020
      OPINIÃO | Não façam Bordignon ’Miss Colômbia’ outra vez
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.