notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/10/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    coluna do martinelli

    Se grosso do ICMS só vai entrar em 2020, novo 1,4 bilhão investido na GM já atrai negócios para Gravataí

    Onde Gravataí e Cachoeirinha estão no ranking do emprego

    por Rafael Martinelli | Publicada em 13/02/2018 às 19h38| Atualizada em 19/02/2018 às 17h14

    O ranking publicado há 13 dias pelo Seguinte: colocando Gravataí como a maior geradora de empregos no Rio Grande do Sul no ano passado rendeu destaque estadual no blog de Giane Guerra na Gaúcha ZH, no feriadão do Carnaval.

    A ‘terra da GM’, puxada pelo ‘show do bilhão’, lidera o ranking positivo com a geração de 1.594 vagas em 2017. No ranking do desemprego, Porto Alegre lidera a lista das 10 que mais perderam postos de trabalho, com 9.607 vagas fechadas.

    Na ‘lista do desemprego’ também está  Cachoeirinha, a oitava a mais perder vagas, com 576 postos de trabalho fechados.

    – Entre as observações sobre este ranking, destaque para Porto Alegre, que tem sido bastante impactada pelos sucessivos resultados negativos no mercado de trabalho da construção civil. Rio Grande e Pelotas sofrem ainda com a crise na indústria naval já que direcionaram bastante a sua economia para o setor. Cidades do Vale do Sinos também sentem a retração da indústria de calçados, que teve o pior desempenho do setor no ano passado – analisa a colunista.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí é quem mais gera empregos no RS

     

    Na reportagem de 30 de janeiro, onde o Seguinte: mostrou que Gravataí estava na ‘boa contramão’ – puxada pela indústria, a vilã do desempenho do RS, terceiro no ranking nacional dos que mais perderam empregos – o secretário da Fazenda Davi Severgnini avaliou que as 1594 vagas novas do município já refletem o anúncio em agosto do investimento de R$ 1,4 bilhão da GM, com a reabertura do terceiro turno.

    Mas o 'Henrique Meirelles de Gravataí' sustenta que o saldo positivo não se resume ao ‘show do bilhão’ e aos empregos na montadora que até 2021 se tornará a maior da marca na América Latina.

    – O que vivemos hoje não é uma bolha, um fato isolado. É só o início: Gravataí seguirá ponteando o ranking dos empregos nos próximos anos.

    Para o secretário, o aquecimento da economia e a luz no fim do túnel da crise nacional dos últimos quatro anos, que tirou cerca de R$ 300 milhões de Gravataí, encontram no município outros fatores importantes avaliados pelos investidores:

    – O mercado está se acostumando a olhar Gravataí como um município com um setor privado pujante, mão de obra qualificada, logística privilegiada e um governo com uma gestão que não gasta mais do que arrecada, transparente, com clareza tributária e respeito à legalidade. Os investidores observam o discurso do gestor. E basta observar como, desde que assumiu em 2013, o prefeito se inspira em metodologias do setor privado para proporcionar um ambiente de confiança, de chão sólido, de estabilidade, com base na redução de endividamento, aumento de receita e priorização dos gastos em despesas essenciais – argumenta, com base em indicadores dos quase cinco anos de gestão Marco Alba como, após o pagamento de mais de R$ 200 milhões em dívidas, a queda do comprometimento da receita de 56% em 2012 para 32% em 2016, além de ganhos sociais como a menor mortalidade infantil da história de Gravataí e o melhor Ideb, uma das principais ferramentas para medir a qualidade da educação.

     

    LEIA TAMBÉM

    Como Gravataí limpou o nome e entrou no radar de investidores estrangeiros

     

    Ajuda, não atrapalha

     

    – Além do momento econômico, qualquer empresa avalia também indicadores e o ambiente político ao investir. Estamos cada vez mais sentindo os resultados de uma gestão responsável, que devolveu a confiança para quem quer empreender em Gravataí. O que estamos fazendo parece óbvio, mas é engraçado nesse país: o que produz o emprego, a renda e o tributo é o bandido. E o que recolhe, recebe e não dá respostas adequadas é o mocinho. É um troço maluco. Estamos mostrando que governo pode ajudar, e não atrapalhar a economia – resumiu o prefeito na reportagem do Seguinte:, prevendo principalmente a partir de 2020 um crescimento sustentável puxado pelo novo ‘efeito GM’, que proporcionava crescimento real - acima da inflação - de 10% ao ano entre 2002 a 2012, mas desde 2015 cresce só a inflação, com ganho real zero.

     

    LEIA TAMBÉM

    COM VÍDEO | Como o bilhão da GM tem seduzido investidores

     

    RS, Capital e Brasil mal

     

    Nos dados divulgados dia 30 de janeiro pelo Ministério do Trabalho, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Rio Grande do Sul fechou 2017 com 8,1 mil vagas formais de emprego fechadas e em terceiro lugar no país entre os Estados que mais perderam empregos. Foram 1.041.421 demissões contra 1.033.248 contratações. A indústria puxou o desempenho negativo no Estado, com 248 mil desligamentos e 241 mil admissões, o que resultou em um saldo negativo de 6,3 mil.  No ranking do desemprego, além do RS estão o Rio de Janeiro, com 92 mil postos a menos, Alagoas, com 8,2 mil, Pará, com 7,4 mil e São Paulo, com 6,6 mil.

    Entre os municípios gaúchos que mais perderam vagas de trabalho está Porto Alegre, com 9,6 mil postos a menos. A Capital teve 223,9 mil demissões no ano contra 214,3 contratações. Rio Grande, na Região Sul, vem logo depois no ranking negativo com 2,1 mil postos de trabalho fechados. Cruz Alta, no Noroeste, teve um saldo de 1,1 mil empregos perdidos em 2017. Entre as cidades que mais geraram empregos estão Gravataí, com 1,5 mil vagas a mais, São Leopoldo, com um saldo positivo de 1,1 mil e Santa Maria, com 1 mil novas vagas. 

    O Brasil fechou 2017 com 20 mil postos a menos. Conforme o Caged, construção civil e indústria de transformação tiveram as maiores reduções, com 103 mil e 19,9 mil vagas a menos, respectivamente.

     

    LEIA TAMBÉM

    O Show do Bilhão da GM, vídeo a vídeo, foto a foto, minuto a minuto

     

    OS RANKINGS

    Os que mais geraram empregos

    1- Gravataí +1.594
    2- São Leopoldo +1.117
    3- Santa Maria +1.020
    4- Passo Fundo +932
    5- Lajeado +678 
    6- Estância Velha +616
    7- Uruguaiana +490
    8- Candelária +426
    9- Santo Angelo +413
    10- Igrejinha +334

    Os que mais perderam empregos

    1- Porto Alegre -9.607
    2- Rio Grande -2.125
    3- Cruz Alta -1.132
    4- Novo Hamburgo -855
    5- Eldorado do Sul -684
    6- Pelotas -614
    7- Campo Bom -590
    8- Caxias do Sul -576 
    9- Cachoeirinha -421
    10- Bento Gonçalves -330

    • eleições 2018
      OPINIÃO | Gravataí ’endireitou’ entre 2014 e 2018
      por Rafael Martinelli
    • caso eduarda
      Divulgado retrato falado de suspeito da morte de menina
      por Eduardo Torres
    • cultura & arte
      Festival de Folclore teve nove grupos
      por Da redação
    • violência
      Quem matou a pequena Eduarda?
      por Eduardo Torres
    • opinião
      OPINIÃO | Em Gravataí, todos arriscam perder, menos um
      por Rafael Martinelli
    • pequenas empresas, grandes histórias
      Hangar, a pioneira do som
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • operação solidária
      TRF4 absolve Marco Alba por unanimidade
      por Rafael Martinelli com TRF4
    • solidariedade
      COM VÍDEO | Diogo luta contra síndrome rara
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Como entendi nota das Irmãs do Dom Feliciano sobre eleições
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como ficou a duplicação da Centenário
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Gravataí virou ’cidade-dormitório de votos’
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Educação para o trânsito também fora da aula
      por Eduardo Torres
    • obras
      Plano de Marco prevê pontes e mais de 30 ruas até 2020
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.