notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 08/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise do coronavírus

    Audino com a companheira e as filhas

    ’Vereador de Gravataí’ luta para receber auxílio emergencial

    por Rafael Martinelli | Publicada em 20/05/2020 às 13h49| Atualizada em 06/06/2020 às 12h23

    Um gravataiense está entre os 12 milhões que ainda não conseguiram receber a primeira, das três parcelas, do auxílio emergencial para trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados como proteção durante a pandemia do coronavírus. O motivo é inacreditável. Para o governo federal, Antônio Audino é ‘vereador’.

    Aos 55 anos, há dois meses sem trabalho e portador de hepatite C, uma comorbidade perigosa caso adquira a COVID-19, Audino sobrevive com R$ 123 que recebe do Bolsa Família para cuidar das filhas gêmeas Bruna e Brenda, de 10 anos, e Raíssa, de 14.

    – Amigos trazem um alimento, mas está difícil – lamenta Audino, que mora na casa sorteada para a namorada, a diarista Lucilene Schultz, no loteamento Breno Garcia, na periferia de Gravataí, e cuja família encaixa no perfil da proteção social por não ter renda mensal que ultrapasse meio salário mínimo (R$ 522,50) por pessoa, ou cuja renda familiar total seja de até 3 (três) salários mínimos (R$ 3.135,00).

    Audino não se cadastrou para receber o auxílio em 7 de abril, primeiro dia em que o aplicativo da Caixa foi disponibilizado porque, conforme as regras divulgadas pelo governo federal, receberia o auxílio automaticamente por estar no Cadastro Único (CadÚnico). Os R$ 600 seriam depositados junto ao Bolsa Família.

    – Dia 29, só foram depositados os R$ 123 – conta Audino, que começou uma peregrinação, pessoal, digital e por telefone, até Caixa Federal, Receita Federal e DataPrev, para descobrir o motivo de não receber o ‘coronavoucher’.

    A surpresa: o sistema informa que o desempregado foi “eleito ou exerce cargo público”. Para o governo federal sua situação é equiparada a de um vereador, mesmo que ele tenha concorrido à Câmara na eleição de 2016 e, com apenas 105 votos, não configure como suplente ao legislativo municipal, conforme a legislação eleitoral.

    A Dataprev, empresa pública responsável por aprovar ou reprovar os cadastros do auxílio emergencial, não se manifestou até o fechamento deste artigo.

    A Caixa instrui pessoas com o auxílio negado a refazer o cadastro pelo aplicativo do banco para pedir uma nova avaliação, mas não está funcionando com Audino. O CPF já aparece em uso no Cadastro Único.

    O último apelo do gravataiense foi ao Ministério da Cidadania. Ele ligou para o 0800 e ficou no lugar 362 na espera. Após 45 minutos na linha, um atendente lhe forneceu o protocolo n° 1844892020 e informou que uma resposta seria dada “entre 30 e 90 dias”.

    – Até lá minha família morre de fome! Não assino Carteira há 11 anos, não tenho conta em banco. Sou autônomo e crio minhas três filhas sozinho, apenas com o Bolsa Família. Minha companheira, com quem eu e as gurias moramos, é diarista e também tem pouco serviço – desabafa.

    – Dá uma revolta. A gente passando dificuldades, sem ter a quem recorrer e ainda fica sabendo que 100 mil militares receberam o auxílio indevidamente...

    Contatos com o Audino no e-mail [email protected], ou telefone/WhatsApp (51) 995241831.

    ATUALIZANDO: no último dia 29 Audino recebeu apenas "a fortuna", como conta, de R$ 123 do Bolsa Família. Seu caso ainda resta pendente na Caixa.

     

    LEIA TAMBÉM

    Idosa da Morada do Vale é segunda vítima da COVID 19 em Gravataí

    Gravataiense ainda luta contra COVID 19; ’é uma doença de solidão’

    O ’surto’ da COVID 19 na UPA de Gravataí e o ’medo que mata’

    Casos da COVID 19 devem dobrar este mês em Gravataí; saiba em que bairros estão, o sexo e a idade dos infectados

    Clique aqui para ler a cobertura do Seguinte: para a crise do coronavírus

    • 3N | opinião
      Pedro Casaldáliga, o bispo dos esquecidos
      por Juan Arias | El País
    • coronavírus
      Os ’totalmente recuperados’ em Gravataí e Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • a cadeira assombrada
      A cassação antecipada em Viamão
      por Cristiano Abreu
    • cachoeirinha
      Dona Nadir, 70 anos, teve alta da COVID
      por Redação
    • crise do coronavírus
      Homofóbico não é o Miki, é você; a bandeira rosa
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Morte aos 48; já são 8 em 7 dias
      por Redação
    • gravataí
      TCE reprova contas de Marco Alba; O Josef K. do dia
      por Rafael Martinelli
    • coronavírus
      Justiça suspende ’decreto do festerê’ em Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Com COVID, Gelson grava vídeo chocante
      por Rafael Martinelli
    • política
      Anabel age conforme prega; sem campanha na rua
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Miki limita horário para bares e festas
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Gravataí libera atividades não-essenciais
      por Rafael Martinelli
    • crise do coronavírus
      Cachoeirinha vai abrir até bares, boates e cinemas
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.