notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/11/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    outubro rosa

    Nova diretoria da Liga Feminina de Combate ao Câncer de Gravataí foi empossada ontem, reativando a entidade depois de aproximadamente dois anos de inatividade.

    Elas são as vitoriosas contra o câncer de mama em Gravataí

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 03/10/2019 às 18h13| Atualizada em 17/10/2019 às 14h22

    Os últimos dados disponíveis no site oficial do Instituto Nacional do Câncer (Inca), órgão ligado ao Ministério da Saúde (clique aqui) remetem a uma expectativa de que no ano passado, em todo o país, fossem 59.700 os novos casos registrados de câncer de mama no país.

    Isso corresponde a cerca de 25% - ou um a cada quatro casos – de todos os tipos de câncer que atinge o público feminino no Brasil. Não é em vão que esta é a doença mais comum entre as mulheres, não só no país, mas no planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

    Só no Rio Grande do Sul, a expectativa era de que 5.210 novos casos da doença seriam registrados até o fim do mesmo ano, de acordo com estimativas do instituto. Porto Alegre é a capital brasileira com maior incidência do problema, com 147 pessoas atingidas a cada 100 mil, na média anual.

    A doença tem cura. Porém, precisa ser detectada precocemente.

    E é aí que entram as campanhas de prevenção com a realização de exames em períodos regulares, auto-exame com o toque dos seis pela própria mulher, e as ações de esclarecimento e ajuda como são as instituições como a Liga Feminina de Combate ao Câncer (LFCC).

     

    Nova direção

     

    Em Gravataí, a LFCC foi criada em 11 de janeiro de 2005 então como um apêndice do Clube de Mães Nossa Sem hora da Conceição. Prestes a completar 15 anos em janeiro que vem, e depois de dois anos, aproximadamente, inerte, uma assembleia geral realizada na tarde de ontem deu como reativada a LFCC de Gravataí.

    O encontro trouxe a Gravataí a presidente da Liga Feminina de Combate ao Câncer do Rio Grande do Sul, Nelma Wagner Gallo, e serviu para dar posse à nova diretoria da entidade na aldeia dos anjos, tendo a frente, agora, Nilza Melloo da Silva como presidente.

    A assembleia em que predominou a cor rosa entre as mulheres, uma referência ao Outubro Rosa, mês em que se dá mais ênfase às campanhas de prevenção ao câncer de mama, foi marcada também por homenagens e até emoção, como a do médico ginecologista e obstetra Marcelo Leone, voluntário nas ações da Liga desde a sua criação e um incentivador das campanhas de prevenção.

    Também foi homenageada a ex-presidente da liga gravataiense, Paulina Marlene Schuh, reconhecida com uma placa pelo trabalho realizado ao longo destes quase 15 anos. Paulina não compareceu à assembleia, por razões de saúde, e foi representada na transmissão de cargo pela vice-presidente, Marlene Espíndola.

     

    A história

     

    Inicialmente denominada como Projeto Liga de Combate ao Câncer de Gravataí e Glorinha, logo que foi fundada a entidade contemplava, com suas ações e promoções, os dois municípios. Em 2007, porém, no dia 2 de outubro, foi dada como criada a Liga Feminina de Combate ao Câncer “só” de Gravataí.

    Nesta mesma assembleia foi lido, colocado em votação e aprovado o estatuto da LFCC, bem como o regimento interno, e eleita e empossada sua primeira diretoria.

    Pelo estatuto, baseado no que norteia as outras entidades do gênero espalhadas pelo Rio Grande do Sul e pelo Brasil, a LFCC tem a missão de assistir ao paciente de câncer, conscientizar e educar a população visando a prevenção e o diagnóstico precoce da doença, além de auxiliar instituições hospitalares e prestadores de serviços na área da oncologia.

     

    ATENÇÃO

     

    1

    O exame precoce ajuda na identificação da doença que, se descoberta previamente, tem 95% de chance de cura. O Sistema Único de Saúde (SUS) recomenda que a mamografia seja feita a partir dos 50 anos até os 69 anos, de dois em dois anos.

     

    2

    Já a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), a Sociedade Brasileira de Radiologia e a Febrasgo orientam às mulheres para que a realização do exame inicie a partir dos 40 anos e seja feito anualmente.

     

    3

    Segundo a pesquisa da SBM, dentro da faixa etária preconizada pelo SUS como ideal para a realização da mamografia, os números ainda são baixos. No Rio Grande do Sul, apenas 27% das mulheres nessa faixa etária realizam o exame regular e periodicamente.

     

    4

    Os testes genéticos, que procuram as mutações que indicam á possibilidade da doença, só são feitos quando a paciente preenche 20% dos quesitos de risco. Dessas, apenas 25% têm resultado positivo no teste, que são tratados como câncer de fato.

     

    5

    Entre os motivos que podem aumentar a probabilidade da doença estão obesidade, tabagismo, uso abusivo de álcool e histórico familiar. O câncer de mama ocorre por causa do desenvolvimento anormal de células que se multiplicam até formar um tumor maligno.

     

    O QUE ELA DISSE

     

    --- Nós precisamos cuidar das mulheres que sabem que têm o câncer, promover o acolhimento não só no tratamento mas no âmbito familiar, parta que elas não se sintam sozinhas e desamparadas. Costumo dizer que quando uma mulher adoece, a família toda adoece, e isto precisar ser cuidado, bem trabalhado, até para que as chances de curam sejam cada vez maiores.

    Patrícia Bazotti Alba

    Primeira-dama de Gravataí

     

    Confira a cobertura do Seguinte: sobre a reativação do Liga Feminina de Combate ao Câncer de Gravataí e a importância do Outubro Rosa como mês de prevenção à doença. Clique na imagem abaixo e, depois, siga na matéria.

     

    Nova diretoria

     

    Presidente: Nilza Mello da Silva

    Vice-presidente: Valdirene Ferreira Limões

    1ª Secretária: Tatiana Cristina da Silva

    2ª Secretária: Maria de Fátima da Silva Silveira

    1ª Tesoureira: Sandra Baumgartner

    2ª Tesoureira: Helena Terezinha Vicentini Medeiros

    Diretora Social: Ana Maria Fiametti Lütz

    Liga Jovem: Júlia Grever

     

     

     

     

     

    • 3º Neurônio | comportamento
      Terapia de casal, mas de casal de amigos
      por Ana Bulnes Fraga | El País
    • 20 de novembro
      Gravataí abre a Semana da Consciência Negra
      por Redação
    • opinião
      O dia em que a Câmara foi o STF; e deu empate!
      por Rafael Martinelli
    • personagens
      Quem é Sirmar Antunes, o ator que respira arte, negritude e Gravataí
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A reeleição de Miki e a desfiliação de Ibarú e Marco
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Cassação ameaça outra conselheira tutelar eleita
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Escola Tuiuti está mais perto do fim
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Aniversário de Miki mostra força para reeleição
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Repercussão política foi instantânea do ’reajuste zero’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      LDO prevê ’reajuste zero’ para funcionalismo
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.