notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 23/08/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    meio ambiente

    Descarte irregular de resíduos ainda é um dos principais problemas que poderia ser evitado, reduzindo bastante os custos da administração pública com recolhimento e manutenção da limpeza destes locais.

    Quanto lixo você produz em Gravataí

    por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt | Publicada em 05/06/2019 às 19h13| Atualizada em 10/06/2019 às 18h22

    Gravataí produz muito lixo. Sim senhor, sim senhora!

    Cerca de 5,5 toneladas por mês de acordo com o gestor público Paulo Garcia, secretário adjunto da pasta de Serviços Urbanos do município de Gravataí. Foi o que ele revelou durante a última reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Codes) realizado no mês de maio passado, dia 22.

    Mesmo com todo este volume, a média de lixo produzido por cada gravataiense (do recém-nascido ao centenário, como escreveu ontem aqui no Seguinte: o colega Rafael Martinelli) fica bem aquém do que é produzido em âmbito nacional, de acordo com o último relatório da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, a Abrelpe.

    O Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, de 2017, estudo minucioso realizado pela Abrelpe, aponta que cada brasileiro, de todas as idades e condições sociais, produz mais de um quilo por dia de resíduos que, popularmente, são considerados lixo. Pelo levantamento, é 1,035 quilo por pessoa, volume que cresceu quase 0,5% em relação ao ano anterior.

    Em Gravataí, as 5,5 toneladas por mês apontam para uma produção média de lixo de 20 quilos mensais por cidadão. Ou cidadã. Ou ainda, 0,666 quilo por dia considerando uma população de 280 mil pessoas (projeção para este ano do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Quase 40% a menos do que é a média nacional detectada há dois anos.

    Nesta conta estão principalmente os resíduos domésticos, orgânicos ou não, que são levados da aldeia dos anjos para o aterro sanitário de Minas do Leão.

     

    PER CAPITA

     

    Em 2016, cada brasileiro gerou 1,032 quilo de resíduos sólidos.

    Em 2017, houve acréscimo de 0,48%, chegando em 1,035 quilo por habitante.

    Em 2019, cada pessoa de Gravataí produz 0,666 quilo de resíduos por dia.

     

    Orçamento

     

    E o custo disso?

    Está na matéria (link abaixo) publicada ontem aqui no Seguinte: que o orçamento da prefeitura de Gravataí para este ano prevê uma receita de R$ 691,9 milhões. Do que for arrecadado em 2019, financeiramente, cerca de R$ 30 milhões vão, literalmente, para o lixo. Ou seja, gastos com coleta domiciliar e seletiva, de animais mortos, transbordo e transporte, destinação final, coleta de entulhos, aterro Santa Tecla.

    --- Nos ajudem a fiscalizar. Esse é um problema que é de todos --- pediu, quase implorou, e por pouco não ficou de joelhos, o secretário de Serviços Urbanos, ex-vereador e ex-vice-prefeito Francisco Pinho, após a exposição do “drama” que é para a pasta a questão do lixo e, mais do que isso, o descarte irregular de resíduos, aos conselheiros do Codes.

     

    OS GASTOS (em reais)

     

    Coleta Domiciliar

            11.800.000,00

    Coleta Seletiva

               3.100.000,00

    Animais Mortos

                  636.000,00

    Transbordo/Transporte

               5.850.000,00

    Destinação Final Resíduos Domiciliares

               5.850.000,00

    Coleta de Entulhos

               2.900.000,00

    Destinação Final Entulhos

               1.200.000,00

    Manutenção e Remediação do Aterro Metropolitano Sanitário Santa Tecla

               5.600.000,00

     

    Problema crônico

     

    O governo, segundo Garcia, tem o objetivo de reduzir os gastos relacionados ao lixo. Para isso é necessária especialmente a conscientização da população. Garcia alerta como medidas fundamentais que as pessoas não façam descarte irregular de resíduos e tratem a coleta seletiva como algo importante sob o ponto de vista ambiental e como forma de reduzir custos para a administração.

    O descarte irregular é um problema crônico que faz a gestão pública se desgastar perante a população. Tanto pelo fato de ter um impacto visual nada agradável, ser prejudicial à saúde pública em muitos casos, e causar um esforço financeiro que poderia estar sendo destinado para outras ações, de educação, saúde, segurança, saneamento...

    --- A conscientização das pessoas de um modo geral é o que mais precisamos para nos ajudar a resolver ou, pelo menos, ajudar a resolver em parte esta questão. Não pensem que é fácil o que a gente faz... Limpamos um lugar onde as pessoas jogam lixo em um dia e em menos de uma semana, muitas vezes em até menos tempo, tudo está como antes --- se queixa o secretário Francisco Pinho, dos Serviços Urbanos.

     

    LEIA TAMBÉM

    Por que Marco Alba é um pai para quem assumir Gravataí

     

    Confira a entrevista com Paulo Garcia e Francisco Pinho, comn exclusividade para o Seguinte:, sobre o problema do lixo em Gravataí.

     

    IMPORTANTE

     

    1

    Segundo o Panorama dos Resíduos Sólidos 2017 – Abrelpe, a geração de resíduos sólidos urbanos (RSU) no Brasil foi de 78,4 milhões de toneladas em 2017, aumento de cerca de 1% em relação a 2016.

     

    2

    A coleta regular atingiu 91,2% do que foi gerado, ou 71,6 milhões de toneladas. Isso significa que 6,9 milhões de toneladas não foram coletadas pelos serviços municipais e tiveram destino desconhecido.

     

    3

    Mas o problema não acaba nessas 6,9 milhões de toneladas, pois também 40,9% do que é capturado pelo sistema de coleta regular é descartado de forma inadequada, num total de 29 milhões de toneladas.

     

    4

    Essa enorme quantidade é enviada a lixões ou a aterros controlados, nome dado a lixões adaptados, que nem sempre têm os sistemas necessários para proteção do solo, das águas e do entorno.

     

    Coleta seletiva

     

    Trecho de reportagem publicada pela Abrelpe em seu site oficial. 

     

    ....Os brasileiros estão gerando mais resíduos, mais municípios enviam lixo para lixões, e a coleta seletiva não avança. São dados do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. O estudo é realizado pela Abrelpe, Associação Brasileira Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, e chega neste ano à sua 15ª edição.

     

    ...Em um ano, a coleta seletiva andou de lado. Em 2016, segundo o estudo, em 1.692 cidades não havia nem sequer uma iniciativa nessa área. Em 2017, esse número caiu para 1.647. Mas, na região Centro-Oeste, por exemplo, a maior parte das cidades (55,2%) não tem nenhum tipo de seletiva.

     

    ...Para Carlos Silva Filho, diretor da Abrelpe, a estagnação se deve à falta de recursos dos municípios para o serviço e à falta de adesão da população.

     

    O que é lixo?

     

    (Fonte: Portal resíduos Sólidos)

     

    1

    O conceito de lixo está ligado a um produto que foi descartado e que não tem valor nenhum. A idéia é que o lixo seja descartado e de preferência não tenhamos mais contatos com ele.

     

    2

    Portanto, as causas do lixo é puramente uma ação humana de descarte de um produto. Se você observar bem, na natureza o ser humano é o único animal que produz lixo.

     

    3

    Em uma linguagem mais técnica, Lixo que pode ser reaproveitado de alguma forma, passa a se chamar resíduo sólido. O que não pode ser aproveitado se chama então de rejeito.

     

    4

    O setor de lixo no Brasil é regulamentado pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, que define esses conceitos. Para elaborar essa lei foi feito um trabalho sobre o lixo de mais de 21 anos até ser aprovada. A Lei 12.305/2010 instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos e foi um marco no setor.

     

    5

    Como as consequências do lixo são graves para as sociedades, todos os países devem ter sua regulamentação do setor. A Directiva 2008/98/CE do parlamento europeu define regras para todos os 28 países da União Europeia.

     

    6

    O lixo é sem dúvidas um dos maiores problemas sociais da atualidade. Cólera, disenteria, febre tifoide, filariose, giardíase, leishmaniose, leptospirose, peste bubônica, salmonelose são apenas algumas das doenças relacionadas ao lixo doméstico.

     

    7

    Além disso, a destinação inadequada pode causar poluição dos mananciais,  contaminação do ar, assoreamentos, presença de vetores. Da mesma forma a presença de aves pode causar colisão com aviões, problemas estéticos e de odor e Problemas sociais.

     

    Por que é importante separar o lixo?

     

    Para que possa ser reaproveitado, o lixo precisa ser separado. Assim, o materiais podem ser reconhecidos e reutilizados por exemplo na indústria. Existem inúmeros tipos de lixo, ou melhor, tipos de resíduos sólidos.

    Para cada tipo existe um processo de reaproveitamento diferente. Da mesma forma, não existe uma única tecnologia que seja adequada para tratar todos os tipos de lixo existentes.

     

     

     

     

     

    • opinião
      Aprovado novo plano de saúde dos servidores de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Mil por emprego na ’GM’; sindicato sob pressão
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Expoagas ignora crise e vende R$ 539 milhões
      por Silvestre Silva Santos com assessoria
    • personagens
      Carlos Arthur: força do esporte para o hall da fama mundial
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Sônia Oliveira vai comandar MDB; e a sucessão?
      por Rafael Martinelli
    • doação
      Cobertores ajudarão casas terapêuticas nas noites frias
      por Redação
    • opinião
      A reunião misteriosa do PDT; entreguem os celulares!
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Uma saída para o ’menos médicos’ em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      PT pode lançar Vitalina e Rose para Prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Ressuscitando Abílio
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O oportunismo de políticos de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • trânsito seguro
      Agentes vão filmar abordagens no trânsito
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • gravataí e cachoeirinha
      ’Vereador de bairro’ e em lista em 2020
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ’A Fazenda’ ou ’Centrão’, alguém fica de fora na aliança de Dimas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Emenda ruim atrasa votação do ISSEG
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Sobre comemorar morte e decapitação
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      O sincericídio de Anabel; atrás do muro, não!
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Não é game over de dinheiro da Prefeitura para ISSEG
      por Rafael Martinelli
    • eleição 2019
      A lista de quem pode concorrer ao Conselho Tutelar
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Anabel também vai para trás do muro? Postou e apagou Lula
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Áureo assume Mobilidade; na fila para Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • tecnologia da informação
      AGTI faz de Gravataí um Vale do Silício
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • panificação
      Uma indústria que só cresce em Gravataí e Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • coluna do silvestre
      O novo Asun de Gravataí quer expandir a rede
      por Silvestre Silva Santos
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.