notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/02/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    crise na gm

    A cidade de Detroit decretou falência em 2013, após a quebra das montadoras

    O efeito Detroit na Gravataí pós-GM

    por Eduardo Torres | Publicada em 23/01/2019 às 13h29| Atualizada em 07/02/2019 às 12h49

    Depois de um ano inteiro com a prefeitura anunciando, aliviada, que, finalmente, conseguiu equilibrar e começou a pagar as contas passadas, a bomba armada pela GM na última sexta pode colocar tudo, ou boa parte, a perder. O cenário não é considerado concretamente pelo governo, mas uma projeção catastrófica de fechamento do complexo representaria, admite o secretário da Fazenda, Davi Severgnini, resultaria em algo semelhante à quebra do pólo naval de Rio Grande.

    — Hoje, Gravataí conseguiu domar a fera das dívidas, mas não estamos em condições de montar nela e sair cavalgando. A nossa dependência da GM reduziu em relação a 2012, por exemplo, mas o complexo continua sendo o carro chefe da economia da cidade. E não teria como ser diferente — avalia o secretário.

    A GM corresponde a 40% da arrecadação de ICMS do município, e 10% de toda a receita líquida dentro do orçamento previsto de R$ 700 milhões para 2019. Com as contas empatadas, como afirma o prefeito Marco Alba (MDB), esta perda seria fatal.

    Severgnini chega a sorrir quando se fala no caso de Detroit, a cidade norte-americana, berço da GM e quebrada pelo encerramento da fábrica no começo da década. Lá, a crise bateu forte em 2011 e, em 2013, a cidade decretou falência.

    Pois o último recado da bomba armada pela GM vem de matéria do jornal Detroit News, em uma frase da presidente mundial da companhia, Mary Barra, sobre a América do Sul: “Não vamos continuar investindo para perder dinheiro”.

    Ao sindicato dos metalúrgicos, em São José dos Campos, onde a negociação já começou, a proposta da GM deixa todos em Gravataí preocupados com o pior. Dizem que só continuam operando se houver “redução drástica de direitos”, e querem acordo com o sindicato, bem aos moldes do que a reforma trabalhista autorizou. Entre 28 pontos apresentados à categoria, a GM propôs aumento da jornada de trabalho, banco de horas, terceirização em todos os setores da fábrica, fim do transporte fretado, jornada intermitente e fim da estabilidade de emprego para lesionados.

    Na depressão, Detroit, com 700 mil habitantes, chegou a registrar taxas de homicídio 11 vezes maior que Nova York, e índices de desemprego que chegaram aos 30%. E justamente de lá vem o exemplo e a receita que Gravataí, mesmo não acreditando na explosão desta bomba, começa a colocar em prática — já com alguns resultados. A solução de Detroit contra a crise foi “arrumar a casa”.

    Sem dinheiro para investimentos, a aposta da cidade norte-americana foi manter os serviços públicos em bom funcionamento. O raciocínio era ter uma cidade atraente para novos investimentos. Funcionou. Em 2017, o índice de desemprego havia desabado para 7,5%, e a cidade já estava entre as que mais haviam recebido investimentos privados nos Estados Unidos naquele ano.

     

    : Sindicato local se reunirá com a direção da GM na próxima semana

     

    A lição de casa

     

    Em Gravataí, depois de um 2017 de guerra aberta, o ano passado terminou com a cidade com maior índice de redução de homicídios na Região Metropolitana. Na área da educação, o Ideb atingiu a maior nota da história do município. Na área da infra-estrutura, a segunda metade de 2018 foi marcada pelos anúncios e execuções de obras viárias fundamentais na cidade. De acordo com o secretário da Fazenda, a tarefa na determinação de arrumar a casa, em 2019, está na saúde.

    — Acredito que o nosso grande trunfo foi a vinda da Santa Casa par a gestão do hospital. A partir deste movimento, o que se busca agora é uma sinergia entre o hospital, as UPAs e unidades básicas de saúde, para que o sistema, como um todo, seja mais eficiente. Isso resultará em dinheiro economizado também na saúde e, consequentemente, em melhores índices — explica.

     

    LEIA TAMBÉM

    GM não vai embora, dizem sindicatos

    COLUNA DO MARTINELLI | O blefe da GM: quem paga esse almoço?

    COLUNA DO SILVESTRE | GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí

     

    É que, como Severgnini enfatiza, não depende exatamente da ação direta da prefeitura a escolha por Gravataí de novos investidores, mas o município tem papel fundamental na preparação de fatores secundários nessas escolhas.

    — Não é à toa que condomínios de alto padrão têm procurado Gravataí. Um empresário buscando novos negócios, ou alguém que quer um lugar para morar, leva em consideração os serviços básicos deste lugar. Se tem segurança, se tem uma boa escola, se é fácil o deslocamento e a logística. Estamos muito determinados nestes pontos — diz.

     

    Em busca de investidores

     

    Entre 2002 e 2012, Gravataí viveu os anos dourados da GM, com crescimento real da economia acima de 10% ao ano. Segundo o secretário, porém, o poder público não aproveitou o momento para arrumar a casa e, com isso, reduzir o fator GM na economia local. A partir de 2013, com a primeira crise do complexo, a fonte enxugou. E os cofres públicos minguaram.

    Uma das medidas adotadas pela prefeitura desde 2017 é o georreferenciamento para saber exatamente o tamanho da área construída da cidade e, a partir daí, cobrar o IPTU mais próximo da realidade, e não com referências de 1997, como ainda funcionava o sistema. O trabalho, segundo Severgnini, já está 85% finalizado. Os números da arrecadação presumida são visíveis.

    Em 2018, Gravataí lançou R$ 77,9 milhões a serem cobrados de IPTU. Para 2019, este valor subirá para R$ 90,4 milhões. Uma alta de 16% na arrecadação.

    — É um dos aspectos que faz com que a nossa arrecadação, desde 2013, tenha duplicado, mas a força da GM é inegável e, hoje, fundamental para que o município enfrente, por exemplo, um déficit previdenciário crescente — diz.

    O equilíbrio das contas, garante o secretário, tem atraído investidores à cidade e, diferente de anos anteriores, os bancos também voltaram a procurar o município. É que Gravataí readquiriu a capacidade de buscar financiamentos e, para Davi Severgnini, esta pode ser uma das formas de investir para desfazer, com a casa em ordem, a eventual bomba da GM.

    Será que vai explodir?

    • redes sociais
      ’Teoria’ de jornalista de Gravataí vira notícia nacional
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Não falta vaga para quem quer trabalhar
      por Silvestre Silva Santos
    • caso da maconha
      180 dias sem dono para droga no terreno do vereador
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      O dono da Havan esteve na região, fazendo o quê?
      por Silvestre Silva Santos
    • personagens
      COM VÍDEO | Márcia Becker e seus 115 filhotes
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      5 conselheiros tutelares cobram gratificações em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Por que o estado botou abaixo a Escola Carlos Bina do Xará
      por Silvestre Silva Santos
    • gravataí
      Marco Alba apresenta projeto anticorrupção
      por Redação
    • br-290
      Em vídeo e texto, tudo sobre ’novo’ pedágio da Freeway
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A polêmica nota do presidente da OAB Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Das cinzas políticas do PD, um candidato a prefeito
      por Rafael Martinelli
    • obras
      Longe do ’SPC’, Prefeitura apresenta máquinas
      por Redação
    • opinião
      Dimas pode pedir licença da Câmara
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Como está a duplicação das pontes do Parque
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • transporte
      Exemplo na integração dos ônibus vem de Gravataí
      por Eduardo Torres
    • segurança
      Bala na Cara mantinha armas e drogas em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Boechat e a hipocrisia do morto santo
      por Rafael Martinelli
    • saúde
      HDJB só tem um pediatra; mas número vai aumentar
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      Evandro não quer parecer ’total flex’
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A esquerda que ’só se une na cadeia’ e a laranja do Bolsonaro
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Maioria aprova governo Miki, diz pesquisa
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      GM confirma bilhão em Gravataí a Marco e Leite
      por Rafael Martinelli
    • refugiados
      A vida dos venezuelanos em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres | edição de imagens: Guilherme Klamt
    • transporte
      Um mês para Cachoeirinha ter o seu corredor de ônibus
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Leite pode azedar para servidores de Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.