notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 18/04/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    segurança

    Procura por armamentos disparou em Gravataí

    Dispara a procura por armas em Gravataí; loja vende há 30 anos

    por Eduardo Torres | Publicada em 21/01/2019 às 14h55| Atualizada em 27/01/2019 às 19h36

    A assinatura do aguardado decreto presidencial que flexibilizou a posse de armas, na última semana, já tem reflexos em Gravataí. A procura por informações para a compra de armas e também sobre os trâmites a serem seguidos para conseguir um registro disparou. Na loja Caça e Pesca, que já atua há 30 anos na cidade, a estimativa é de que aumentou em 50% e 80% a procura de clientes interessados em ter uma arma.

    — Na verdade, é a continuidade do que já vínhamos notando desde o final do ano passado. Em torno de 30 pessoas por semana vêm à loja informar-se sobre a documentação necessária e outras informações. Aqui na loja, além da venda de armamentos, nós prestamos toda a assistência para que a pessoa possa fazer o registro — explica o proprietário, Jonatas Machado Fraga.

    Para que se tenha uma ideia, somente no último ano, houve um crescimento de mais de 40% no número de clubes de tiro registrados no Rio Grande do Sul. O ano de 2018 fechou com 80 locais adequados para o treinamento de tiro no Estado.

    Segundo Fraga, a expectativa para 2019 é aumentar a média de armas vendidas por mês. Até 2018, a loja vendia, em média, sete armas a cada mês. Fraga acredita que chegará a 10 armamentos vendidos, em média, por mês.

     

    LEIA TAMBÉM

    Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS

    COLUNA DA SÔNIA | Por falar em armas...

    OPINIÃO | Gravataí, de zona de atentado à mais segura

     

    E se na ponta do sistema a procura aumentou, no meio da cadeia para ter a qualificação, o registro e a posse de armas explodiu. De acordo com o despachante de armas, Alex Souza, que tem escritório há dois anos em Gravataí, o telefone não parou desde a assinatura do decreto.

    — Eu diria que aumentou uns 200% a procura por informações, mesmo que o decreto, na prática, não tenha mudado nada no Rio Grande do Sul em relação à possibilidade de se ter uma arma. O que aumentou foi a informação do público. Os civis, que antes achavam que não poderiam ter uma arma em hipótese alguma, agora foram informados de que sempre puderam, desde que qualificados — diz.

    E esta é a ressalva que Souza, especialista em armamentos, com 15 anos de experiência, faz ao avaliar o aumento do interesse da população em ter uma arma para defesa pessoal.

    — O primeiro conselho que eu sempre dou é buscar profissionais qualificados para todos os trâmites. Desde a questão de documentos até o treinamento. Não é só comprar uma arma e ter em casa. A pessoa precisa saber usar, manter o treinamento e ser acompanhada nessa qualificação por especialistas — recomenda.

     

    : Especialista recomenda: ter arma, só com muita qualificação

     

    Responsável pela empresa SDA Despachante de Armas, Souza relata em seu site que, nos últimos dez anos, retirou 330 portes de armas em toda a Região Sul do país. E é com este conhecimento que ele acredita que o decreto de Jair Bolsonaro (PSL) não vai alterar o funcionamento das liberações de armas no Estado.

    — Aqui no Rio Grande do Sul, a Polícia Federal costuma avaliar tão somente os critérios técnicos, de treinamento e documentação do interessado. É de Santa Catarina para cima que, muitas vezes, a liberação ficava sujeita ao critério discricionário do delegado. Isso ficou bastante reduzido com o decreto — aponta.

    Sobre um dos pontos polêmicos da medida assinada semana passada, que abre a possibilidade de se manter, em casa ou no local de trabalho, até quatro armas registradas, Alex Souza rebate:

    — Até dois meses atrás, era possível ter até seis armas, dependendo da circunstância. Então o decreto reduziu o número. Mas eu acredito que o número de armas não faz diferença. Tudo depende da qualificação do atirador e do uso que esse armamento terá. Se for para a defesa pessoal, em ambiente menor, uma pistola está ok, mas e se for um sítio na zona rural, provavelmente uma arma longa, calibre 12, seja a mais adequada. Tudo, sempre, com o treinamento ideal para a defesa.

    Conforme o último Atlas Brasileiro da Violência, o Rio Grande do Sul bateu recordes de registros de armas nos últimos anos. Entre 2016 e 2017, foram 10,7 mil novas armas liberadas no Estado. A preocupação de estudiosos no tema da violência está em outra estatística preocupantes deste mesmo documento. No mesmo período, o Rio Grande do Sul foi o segundo estado brasileiro que mais entregou armas legalmente registradas nas mãos da criminalidade. Foram 2,5 mil roubos, furtos ou perdas de armas.

    • cidade
      Governo anuncia centralização dos serviços na área da saúde
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      A lista de vereadores na mira dos ’caça fantasmas’
      por Rafael Martinelli
    • projeto
      Bomba Amiga vai ajudar Bombeiros, BM e socorristas
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • opinião
      Sobre o tiro no Lula; a censura togada
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      A polêmica da Cruz Missioneira; você já odiou a cultura hoje?
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Ministério Público caça CCs fantasmas na Câmara
      por Rafael Martinelli
    • ensino
      Professora Eunice deixa o Gensa e a Facensa
      por Silvestre Silva Santos
    • rs-030
      Prefeito vai adiantar verba para acesso ao Breno Garcia
      por Silvestre Silva Santos
    • opinião
      ’Bolsonaro da Aldeia’ não é ’ditador’ na presidência
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      ConselhoTutelarTur segue decolando!
      por Rafael Martinelli
    • das missões
      Gravataí entra na Rota das Missões
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • exclusivo
      Cervos são avistados nas ruas de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • entrevista
      O vôo de Miki Breier
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Quem filmou agressão de jovem é cúmplice
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Bordignon, Paulo Silveira e Dilamar; e a ausência
      por Rafael Martinelli
    • aldeia dos anjos
      ESPECIAL | A onda privatista - PARTE 4
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aldeia dos anjos
      ESPECIAL | Personagens da Aldeia - PARTE 3
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aldeia dos anjos
      ESPECIAL | Surge uma aldeia - PARTE 2
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • aldeia dos anjos
      ESPECIAL | A última missão - PARTE 1
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.