notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    meio ambiente

    Possível cova foi flagrada por imagens aéreas entre agosto e setembro

    OPINIÃO | Ibama protegeu quem queria abater os cervos

    por Eduardo Torres | Publicada em 28/12/2018 às 16h23| Atualizada em 14/01/2019 às 11h19

    Quando a fervura baixou em definitivo no polêmico abate dos cervos do Pampas Safari, Ibama e Secretaria Estadual do Meio Ambiente garantiram toda a instrumentação necessária para que os proprietários da área dessem um fim nos animais sob o selo da causa sanitária e de maneira indolor aos animais. Foram abatidos 300 em um frigorífico do interior. Mas, nesta sexta (28), o repórter Carlos Rollsing, da Zero Hora, revela mais um detalhe deste caso, que deixa a desconfiança sobre, afinal, em nome da proteção do que agiu o Ibama?

    Segundo a reportagem, partiu do órgão federal a orientação — ufa, imagina se fosse uma ordem — para que os funcionários do Pampas tivessem seus celulares recolhidos pelos patrões no período de embarque dos 300 cervos para o abate, entre 30 de novembro e 12 de dezembro. Alguém na direção do Ibama apressou-se em dizer que não tem autoridade para isso “só orientaram” a direção do Pampas. A alegação é ainda mais contraditória. Queriam evitar a circulação de imagens que pudessem mobilizar organizações de proteção animal. Isso mesmo, o Ibama agiu para bloquear defensores de animais.

     

    : No final de agosto, cervos foram vistos nas ruas da cidade. Ibama não apurou a origem

     

    Não se viu o mesmo zelo do órgão quando provocado a explicar dois capítulos desta polêmica durante o ano. Primeiro, em agosto, quando um grupo de cervos, comprovadamente não nativos da região da bacia do Gravataí, apareceu na madrugada circulando pelas ruas de Gravataí. A Fundação Municipal do Meio Ambiente foi acionada, mas a superintendência regional do Ibama se apressou em afirmar que a jurisprudência, se acaso houvesse relação com o Pampas, seria federal. Parecia interesse em investigar, não era. A própria superintendente, à época, disse que o caso só seria apurado se provocado pela Justiça Federal. Pelo visto, não foi. E, em Gravataí, quatro meses depois de “brotarem” cervos nas ruas, ninguém sabe de onde saíram e para onde partiram.

     

    LEIA TAMBÉM

    Os cervos do Pampas Safari foram mortos

    EXCLUSIVO | Justiça anula vistoria feita no Pampas

    OPINIÃO | O que seriam as valas abertas no Pampas Safari?

     

    Naquela mesma semana, o Seguinte: teve acesso a imagens aéreas do Pampas Safari que mostravam, nos fundos da área, algo semelhante a uma grande cova. Moradores próximos, ao depararem com a foto, confirmaram que a movimentação por ali era bastante estranha nos dias anteriores — e o cheiro pouco agradável.

    Vale lembrar que, em fevereiro, a pendenga judicial sobre o abate teve um golpe de misericórdia em favor dos proprietários. Foram autorizados a darem sequência ao processo de abate com a justificativa de um surto de tuberculose bovina no rebanho. Mas não era uma ordem irrestrita. Matar os animais na própria área, não podia. Tampouco transportá-los sem autorização da Sema e do Ibama. Mas, assim como os cervos fujões, o possível surgimento de uma cova não recebeu a mesma atenção dispensada aos celulares furtivos dos funcionários do Pampas.

    Quando deu início à transição de governo, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, deixou claro que queria um Ibama com outra linha de atuação. Nas palavras dele, “iria acabar a fábrica de multas”. Na interpretação óbvia, o órgão ambiental passaria a ser um aliado de quem quer lucrar. Muitos órgãos federais já agem sob a cartilha do presidente que assume dia 1º de janeiro.

    • segurança
      Carros da 99 POP terão câmeras de segurança
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Fotógrafo foi morto por dívida em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres
    • em Brasília
      Marco Alba trata do Complexo de Educação Especial
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Pedágio volta dia 15 mais caro do que o anunciado
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O último ano dos canudos plásticos em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • 2020
      ’Bolsonaro da Aldeia’ na briga pela Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Corte de dinheiro para Carnaval é aprovado; exceto por petistas
      por Rafael Martinelli
    • governo bolsonaro
      Marco Alba em Brasília; sem embaixador
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Moro foi bem na GloboNews; já é um político
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Gravataí não vai liberar dinheiro para escola de samba
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS
      por Eduardo Torres
    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      O que será feito para salvar Ubers da violência
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      RETRÔ 2018 | Sem guerra das facções, na mira dos grandões
      por Eduardo Torres
    • economia
      RETRÔ 2018 | A volta dos investimentos na região
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      RETRÔ 2018 | O preço do futuro preservado
      por Eduardo Torres
    • política
      RETRÔ 2018 | Do limão eleitoral à limonada política
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.