notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 19/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    segurança

    Projeto envolve R$ 3 mlhões com recursos de multas para adequar o entorno das escolas | DIVULGAÇÃO

    Dinheiro das multas vai para cuidar das crianças fora do portão da escola

    por Eduardo Torres | Publicada em 17/10/2018 às 11h58| Atualizada em 29/10/2018 às 12h18

    Entre janeiro e agosto deste ano, 12 pessoas morreram no trânsito de Gravataí. Uma média superior a uma vítima por mês, que tende a repetir o alto índice de 17 vítimas no ano passado. Para frear e tentar reduzir este dado, a prefeitura aposta na transformação dos costumes no trânsito da cidade. Não é novidade o trabalho do setor de educação para o trânsito com os estudantes e professores da rede pública municipal de Gravataí. A diferença agora, promete o secretário de Mobilidade Urbana, Alison Silva, é que as crianças terão, também do portão para fora da escola um ambiente propício à multiplicação das boas práticas que aprenderam.

    — Nós começamos a colher relatos em escolas de que o ensinamento que já vínhamos fazendo acabava se perdendo ao passar do portão, porque, em muitos casos, não tem sequer uma faixa de pedestres na rua para a travessia segura dos estudantes. De que adianta ensinarmos algo, se a prática não bem assim? — diz Alison Silva.

     

    LEIA TAMBÉM

    Gravataí é campeão na redução de acidentes com morte

    COLUNA DO SILVESTRE | As 10 grandes mudanças no trânsito de Gravataí

     

    Na manhã desta quarta, o secretário apresentou ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Codes) da cidade o Plano de Revitalização, Sinalização, Educação e Fiscalização do Trânsito no entorno das escolas. Será um trabalho conjunto com a educação para o trânsito, de transformação da quadra onde fica cada uma das escolas municipais. Desde a criação de faixas de trânsito elevadas — facilitam a acessibilidade — até o emplacamento das ruas, a adaptação dos passeios públicos, de acordo com cada localidade e, esta parte ainda pendente de recursos, a reforma do calçamento nas quadras onde há escolas municipais.

    O projeto é orçado em pelo menos R$ 3 milhões. Cerca de R$ 300 mil já estão em investimento na criação dos projetos, pela empresa Tranzum, e outros R$ 2,7 milhões serão investidos em uma licitação já aberta para a execução das sinalizações e adaptações viárias.

    — Todo o recurso usado neste projeto vem do que foi arrecadado pelo município em multas. É exatamente este tipo de aplicação que a legislação determina para este dinheiro e, esperamos surta efeito futuro nos números da violência no nosso trânsito — estima o secretário.

     

    : Escola Nossa Senhora Aparecida já passa por adaptações | EDUARDO TORRES

     

    O projeto-piloto

     

    Segundo ele, já estão prontos os projetos de transformação de 75 escolas. A meta da prefeitura é abranger, com o trabalho completo de educação e obras, quatro escolas a partir de novembro deste ano e, em 2019, chegar a 100% da rede municipal. O projeto-piloto será no colégio Nossa Senhora Aparecida, no bairro Santa Fé, e as primeiras escolas a receberem as mudanças serão as que já tenham passado por alguma ação de educação para o trânsito.

    Lá, a travessia em frente ao portão da escola já foi elevada e, nos próximos dias, deve ser feita a nova pintura da faixa de segurança e outras sinalizações.

    — Em cada escola, o projeto dura pelo menos 10 dias, desde as ações em sala de aula, as reuniões com a direção e professores, reuniões com os pais e prestadores de serviços de vans, por exemplo, até a saída com as crianças a campo, no entorno da escola, para ilustrar aquilo que se ensinou. A partir daí, eles vão multiplicar em suas casas e comunidades as boas práticas no trânsito — explica o secretário.

    A definição das outras três escolas que receberão a nova ação ainda este ano será feita em conjunto com a pasta da Educação. A ideia de Alison Silva é incluir a escola de educação especial Cebolinha e a escola municipal especial para surdos (EMEES) neste primeiro pacote do projeto.

     

    Contra a cultura do desrespeito

     

    Segundo Alison, em três anos de ações do programa de educação e segurança no trânsito, Gravataí reduziu em 51% o volume de acidentes na cidade. Mesmo com uma frota em crescimento constante. Emplaca-se, em média, até 20 carros por dia na cidade. Desde 2000, a frota mais do que triplicou. Mesmo com a redução na acidentalidade, as mortes preocupam e os atropelamentos são uma característica triste da cidade.

    — Estamos trabalhando contra uma questão cultural bem básica. Aquele costume das pessoas não respeitarem o local de travessia para pedestre, dos motoristas não respeitarem a faixa de pedestres. Estamos atuando fortemente para reforçar a sinalização na Avenida Dorival de Oliveira, que é o principal ponto de preocupação — diz.

    É que, das 17 vítimas no ano passado, 12 morreram na principal avenida da cidade.

    — Quando refizemos a sinalização próxima do viaduto sobre a RS-118, zeramos o número de mortes naquele ponto. A ideia é agir em todos os pontos críticos com sinalização e educação. Mas também partiremos para ações de fiscalização mais enérgica, como radares à noite — aponta Alison Silva.

    • coluna do silvestre
      GM diz que pode fechar fábrica de Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Fotógrafo foi morto por dívida em Cachoeirinha
      por Eduardo Torres
    • em Brasília
      Marco Alba trata do Complexo de Educação Especial
      por Redação
    • coluna do silvestre
      Pedágio volta dia 15 mais caro do que o anunciado
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O último ano dos canudos plásticos em Gravataí
      por Eduardo Torres
    • 2020
      ’Bolsonaro da Aldeia’ na briga pela Prefeitura
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Corte de dinheiro para Carnaval é aprovado; exceto por petistas
      por Rafael Martinelli
    • governo bolsonaro
      Marco Alba em Brasília; sem embaixador
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Moro foi bem na GloboNews; já é um político
      por Rafael Martinelli
    • carnaval
      Gravataí não vai liberar dinheiro para escola de samba
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Uma em cada quatro armas legais é roubada no RS
      por Eduardo Torres
    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      O que será feito para salvar Ubers da violência
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      RETRÔ 2018 | Sem guerra das facções, na mira dos grandões
      por Eduardo Torres
    • economia
      RETRÔ 2018 | A volta dos investimentos na região
      por Eduardo Torres
    • meio ambiente
      RETRÔ 2018 | O preço do futuro preservado
      por Eduardo Torres
    • política
      RETRÔ 2018 | Do limão eleitoral à limonada política
      por Eduardo Torres
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.