notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/01/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    cultura

    Na parede do antigo cine-teatro, ainda está o logotipo da extinta Fundarc | GOOGLE

    EXCLUSIVO | O que será feito do Cine-Teatro

    por Eduardo Torres | Publicada em 27/08/2018 às 16h41| Atualizada em 03/09/2018 às 17h32

    A porta envidraçada há muito já não tem decoração cenográfica. Na parte interna, não há a efervescência do ambiente cultural da cidade e, nas paredes mal cuidadas, ainda está até mesmo o logotipo da extinta Fundação Municipal de Arte e Cultura (Fundarc). Restou o lixo e o vandalismo. Depois de dez anos de desativação do Cine-Teatro de Gravataí, este imóvel degradado, pertencente à prefeitura, em um dos pontos mais nobres da cidade — esquina entre as ruas Antônio Donga e Adolfo Inácio Barcelos, no Centro — está listado como uma das principais moedas de troca para o plano de ver construído um centro administrativo único no município e o consequente corte de gastos públicos com aluguéis.

    A ideia, adianta a secretária de Cultura, Esporte e Lazer, Fernanda Fraga, é repassar a área onde está também a sede da secretaria e outros órgãos municipais a alguma empreendedora que entregue, em contrapartida, uma estrutura administrativa centralizada. No orçamento do município há mais de R$ 20 milhões previsto para alienação de áreas, mas ainda não há prazo para que o plano relacionado ao antigo cine-teatro seja concretizado.

     

    LEIA TAMBÉM

    Artistas protestam contra extinção da Fundarc

    E a Fundarc morre no final

     

    — A nossa gestão da cultura do município nos últimos anos tem se pautado em driblar as dificuldades econômicas, ser coerente e, ainda assim, retomar o espaço que a cidade já teve nas artes cênicas e outras áreas. E o momento que vivemos atualmente é de plena recuperação do protagonismo cultural no estado — aponta a secretária.

     

    : Fachada do antigo Cine-Teatro teve os vidros quebrados | CARLOS GIOVANI COELHO

     

    Vandalismo ganha espaço

     

    Enquanto o município prepara-se para sediar o 4º Festival Estadual de Teatro e o quinto ano da retomada do Festil, eventos a serem realizados no Teatro do Sesc, a imagem que flagrou em fotos feitas com o celular, no último domingo (26), chocou o técnico em espetáculos Carlos Giovani Coelho.

    — Olhei aqueles vidros da porta principal quebrados. Espiei por ali e, lá dentro, tem um acúmulo de lixo impressionante. Ao que parece, não tem sido nem limpo o nosso antigo cine-teatro. Isso me revolta, porque faz parte da minha vida e de um período em que Gravataí fomentou e revelou muita cultura para o Brasil — lamenta.

    Coelho participou da criação do cine-teatro, sendo encarregado por equipar o ambiente. Ele divulgou as imagens de abandono nas suas redes sociais.

    — Mesmo não sendo, desde o início, o mais adequado dos espaços, era um local onde se fomentou muito a cultura da cidade. Fizemos um festival nacional de esquetes e talentos daqui passaram a ter destaque nacional — recorda.

    Ele afastou-se da gestão cultural da cidade ao perceber o abandono na segunda metade da década passada. O prédio do cine-teatro foi condenado e, em 2009, desativado.

    — Em 2013, quando assumimos, a primeira medida que tomamos foi tentar resguardar o que restava dos equipamentos. Porque até então, havia materiais, inclusive, expostos à chuva e outras deteriorações. Na medida do possível, temos resguardado o espaço, até mesmo porque fica junto da sede da secretaria — explica Fernanda.

    Ela admite, porém, a dificuldade de guardar um espaço vazio há tanto tempo.

    — Nós colocamos vidros, fazemos a limpeza e novamente o prédio vira alvo de vandalismo e depósito irregular de lixo. Seguiremos fazendo a manutenção do antigo cine-teatro até termos uma definição do destino desta área — diz.

     

    : Ao invés de espetáculos, o lixo acumula no espaço interno do teatro | CARLOS GIOVANI COELHO

     

    Nova casa de cultura é um plano

     

    Em 2015, foi avaliada a criação de uma nova casa de cultura pública no shopping de Gravataí. No ano seguinte, porém, o plano foi abandonado. No ano passado, com a extinção da Fundarc, qualquer plano de criação de um espaço semelhante ao cine-teatro também foi freado.

    — Dependeríamos de projetos e formas de financiamento bem definidas. Por isso, temos priorizado as parcerias muito positivas, por exemplo, com o Sesc, fundamental para a nossa retomada cultural — avalia a secretária Fernanda.

    Segundo ela, há planos de criação de uma casa de cultura, e algumas áreas foram consideradas, mas ainda considera os planos bastante prematuros. O certo é que o antigo cine-teatro, no que depender dos planos da prefeitura, não voltará a sediar atrações culturais em Gravataí.

    • rs
      Ninguém de Gravataí no governo Leite
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Um mês para APPs dizerem como cuidam seus motoristas
      por Eduardo Torres
    • segurança
      O debate fetichista sobre a redução da maioridade
      por Rafael Martinelli
    • educação
      Ulbra Gravataí demite um quinto dos professores
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      App leva profissionais da beleza até você
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • habitação
      Moradores querem financiar casas da Granja em 35 anos
      por Eduardo Torres
    • educação
      Kit escolar da Prefeitura tem data para ser entregue
      por Silvestre Silva Santos
    • polêmica
      Gravataí e Cachoeirinha podem ter armas liberadas
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Outro baleado, mas poucos motoristas param na região
      por Eduardo Torres
    • opinião
      Farda não garante santidade; promoção, talvez
      por Rafael Martinelli
    • crime na saúde
      MP detalha repasses do Gamp e empresa de Gravataí
      por Eduardo Torres
    • freeway
      Marco Alba comemora troca de praça do pedágio
      por Rafael Martinelli
    • opinião
      Stédile, irmão de líder do MST é secretário de Leite; a verdade
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      CCR confirma mudança do pedágio
      por Silvestre Silva Santos
    • segurança
      Contra violência, motoristas de aplicativos prometem parar
      por Eduardo Torres
    • parceria público-privada
      RS-020 será concedida com pedágios
      por Rafael Martinelli
    • investigação
      MP faz conexão da investigação no Inter com Gravataí
      por Eduardo Torres
    • luto
      Não podemos ser como o Vilmar?
      por Rafael Martinelli
    • segurança
      Conheça os números da criminalidade em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • cultura
      Em Cachoeirinha, a leitura tem parada obrigatória
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.