notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 16/08/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    meio ambiente

    Proposta de dique na região do Caça e Pesca não tem recursos previstos | Foto METROPLAN

    Vai sair o píer no Rio Gravataí, o dique contra cheias, ninguém sabe

    por Eduardo Torres | Publicada em 05/07/2018 às 18h09| Atualizada em 13/07/2018 às 16h53

    Com os R$ 800 mil do governo estadual já disponíveis, ainda neste ano a prefeitura de Gravataí deve dar início às obras do píer e da revitalização da orla do Rio Gravataí, com um calçadão, na área do Caça e Pesca. O projeto, no entanto, provavelmente sofra algumas adapatações antes que a licitação para execução seja aberta. Esta foi uma das conclusões da audiência pública que reuniu cerca de 50 pessoas na tarde desta quinta-feira (5), na Câmara de Vereadores de Gravataí, para apresentação de um estudo contratado pela Metroplan contra cheias e estiagens no rio.

    O estudo propõe a construção de um dique — aos moldes do que já existe em Cachoeirinha — justamente naquele ponto da cidade. O secretário municipal de planejamento, Cláudio Santos, estava na audiência, e não escondeu a preocupação de que o recurso para píer, definido na Consulta Pública de 2016, fosse perdido.

    — Imagina se executarmos as obras e, daqui a pouco, vermos que foi inútil. Será dinheiro público perdido — aponta.

     

    : Engenheiro Lucas Martins apresentou estudo contra cheias e secas no Gravataí | FOTO EDUARDO TORRES

     

    Para os técnicos da Metroplan, no entanto, os dois projetos podem, e devem, "conversar". Nos próximos dias, os dois órgãos devem se reunir para tratar do assunto. Na verdade, se o píer já é quase concreto, ninguém sabe se o dique um dia sairá do papel. 

    A partir da conclusão dos estudos, serão iniciados agora os projetos básicos e executivos. No plano de ação proposto pelo consórcio contratado pela Metroplan, a ordem das obras para conter cheias seria, em 2019, o de Gravataí, em 2021, a continuação do dique de Cachoeirinha e a criação do dique do bairro Sarandi, em Porto Alegre. Em 2022, finalmente, o dique próximo ao aeroporto.

    — É claro que esses R$ 252 milhões (custo dos quatro diques propostos pelo estudo) não existem, mass este estudo é um referencial para o planejamento dos municípios da bacia hidrográfica. Enquanto não for viável a obra do dique, as prefeituras terão este estudo como balizador para evitar ocupações em áreas de alagamentos para revisar seus planos diretores, e qualquer obra que leve ao mesmo objetivo do dique, mesmo com proporções menores, já ajudam — diz o diretor-presidente da Metroplan, Pedro Bisch Neto.

     

    Leia também:

    EXCLUSIVO | Gravataí pode ter um dique contra enchentes

    O Rio Gravataío está descendo pelo ralo

     

    Pela proposta, caberia à Metroplan — ou ao órgão estadual que a suceder, em caso de extinção — captar recursos e coordenar uma possível licitação para o projeto regional completo. Vale lembrar que, se o custo dos diques assusta, a estimativa de que, se nada for feito contra os alagamentos de cada ano na bacia do Gravataí, o prejuízo acumulado em 30 anos para os municípios chegaria a R$ 5,5 bilhões.

    No caso de Gravataí, os pontos de alagamentos ao longo dos arroior Barnabé e Barnabezinho, além do Demétrio, não foram incluídos no estudo, que se referia somente ao curso do Rio Gravataí.

     

    Contra as secas

     

    O estudo que levou três anos para ser concluído apontou ainda a necessidade de mini-barramentos ao longo do canal do Gravataí, desde a região do banhado, e ainda um barramento na área da Lagoa da Anastácia, atendendo pedido da APN-VG, como forma de recuperar a capacidade das nascentes reterem água e agirem naturalmente contra as estiagens. Mas, como não há nenhuma perspectiva para que o plano saia do papel, é provável que a taipa, com seis quilômetros de extensão na ponta do banhado, já projetada e orçada pela secretaria estadual do meio ambiente, seja executada — mesmo que não tenha sido recomendada pelos especialistas envolvidos no estudo da Metroplan.

    — Quando o projeto da taipa apareceu, já estávamos em fase final do nosso estudo. Não chegamos a projetar o que aconteceria com a taipa, mas é certo que os impactos ambientais de uma obra da envergadura proposta pela secretaria serão maiores — comenta o engenheiro Lucas Martins, que representou o consórcio na apresentação da tarde desta quinta.

    De acordo com a engenheira da Metroplan, Paula Pinto, ainda não houve contato entre os técnicos do órgão e da Sema. 

    — Com a taipa, provavelmente reduziriamos o número de mini-barramentos previstos no estudo — resume.

     

    Para o futuro

     

    Mais importante do que obras estruturais para evitar a seca, os especialistas confirmaram uma antiga demanda permanentemente discutida no Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Gravataí: o endurecimento no limite de outorga para uso da água à agricultura na bacia. As informações do estudo devem ser importante fonte para a revisão do Plano de Bacia, em discussão no comitê.

    — Um raio-x regional desta magnitude não é feito há décadas. Será um instrumento muito valioso para as gestões dos municípios no futuro — ressalta Bisch Neto.

    Ele reforça que o trabalho concluído na Bacia do Gravataí faz parte de um pacote de quatro estudos em fase de conclusão. Os outros três, radiografaram a Bacia do Sinos, o Arroio Feijó (Alvorada) e a região do Delta do Jacuí (Eldorado do Sul). A intenção é de que, concluídos os quatro, todo o material seja disponibilizado na internet para o público.

     

    • esporte
      Estreia do Cerâmica é adiada em uma semana
      por Eduardo Torres
    • saúde pública
      O que mudou, e vai mudar, no Dom João Becker com Santa Casa
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • caso da maconha
      OPINIÃO | Mário Peres, entre a polícia, a câmara e a facção
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      Juliano Paz aposta nas lives para falar com eleitor
      por Eduardo Torres
    • entrevista
      Dinheiro tirou Rosane Bordignon da eleição
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      Testamos o carro elétrico da GM
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt e Divulgação/GM
    • tá na mesa
      O dia em Marco Alba contestou Caetano e Roberto Carlos
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      Rosane Bordignon decide não concorrer
      por Rafael Martinelli
    • meio ambiente
      O Rio Gravataí é a sala de aula
      por Eduardo Torres
    • nota oficial
      Partido do vereador apoia investigação em caso da maconha
      por Rafael Martinelli
    • delegado confirma
      Vereador será investigado no caso da maconha
      por Rafael Martinelli
    • suspeita
      Saul Sastre é investigado por fraude no Daer
      por Eduardo Torres
    • operação
      Vereador diz que alugava prédio da meia tonelada de maconha
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      Juliano Paz, um pé em Gravataí, outro em Cachoeirinha
      por Rafael Martinelli
    • homenagem
      Diretora do Gensa e Facensa recebeu placa em Brasília
      por Silvestre Silva Santos
    • homenagem
      Denise, a Medonha, vai virar nome de biblioteca
      por Eduardo Torres
    • personagens
      COM VÍDEO | O caçador que abraçou um rio
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • coluna do silvestre
      Quem comprou o terreno do prédio mais alto
      por Silvestre Silva Santos
    • eleições 2018
      10 coisas sobre a foto que mexeu com a política local
      por Rafael Martinelli
    • coluna do silvestre
      OPINIÃO | Bagunça na Freeway, com Justiça & tudo
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      O plano que vai definir a cobrança por uso da água do Gravataí
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.