notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 14/11/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    meio ambiente

    Proposta do estudo cercaria a região do Caça e Pesca | REPRODUÇÃO METROPLAN

    Agora sim, projeto de dique em Gravataí é apresentado

    por Eduardo Torres | Publicada em 04/07/2018 às 00h58| Atualizada em 05/07/2018 às 17h16

    Deveria ter acontecido na semana passada, mas a Metroplan acabou desmarcando no dia. Agora, está programada para esta quinta-feira (5), às 14h, na Câmara de Vereadores de Gravataí, a primeira apresentação pública do estudo recém concluído pelo órgão estadual, e mostrado com exclusividade pelo Seguinte: no começo do mês, com propostas para enfrentar as cheias e secas do Rio Gravataí. Entre os principais projetos delineados no estudo, está a criação de um dique, em moldes parecidos com o que já existe em Cachoeirinha, na região do Caça e Pesca, protegendo aquela área e o bairro Parque dos Anjos, dos alagamentos que já viraram rotina na região. 

    A proposta, que ainda não teve o estudo de impacto ambiental ou um projeto executivo elaborados — são os próximos passos do trabalho da Metroplan —, tem orçamento de R$ 46,2 milhões e pode inviabilizar ou, no mínimo, retardar o plano do governo municipal de criar justamente naquela região um píer orçado em R$ 1 milhão (parte do valor já tem recurso federal garantido). O problema, segundo o estudo contratado como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), é que, da forma como foi concebido pelo município, o píer corre o risco de passar parte do ano debaixo d'água.

     

    Leia também:

    EXCLUSIVO | Gravataí pode ter um dique contra enchentes

    COLUNA DO SÉRGIO CARDOSO | Barragem no Rio Gravataí?

    COLUNA DO SILVESTRE | Depositado dinheiro para fazer calçadão e mirantes no Rio Gravataí

    O Rio Gravataí está descendo pelo ralo

     

    Executar, ou não, as obras propostas no estudo da Metroplan dependerá dos municípios envolvidos na Bacia Hidrográfica do Rio Gravataí. O dique proposto em Gravataí faria parte de um sistema de outras três estruturas semelhantes, em Cachoeirinha e na zona norte de Porto Alegre. Ao todo, os diques exigiriam um investimento de R$ 252 milhões, mas uma economia com as cheias estimada em R$ 5,2 bilhões em 30 anos.

    Além do dique, outro tema que deve gerar polêmica e debates na Câmara a partir do estudo é a determinação, a partir do histórico de cheias do Gravataí, de áreas urbanas que devem ser desocupadas ou terem sua ocupação regrada e limitada pelo município. Em alguns casos, isso implicará em revisões das propostas de zoneamento do Plano Diretor, que está em fase de elaboração.

     

    Ações contra a escassez

     

    Se há debates à vista com relação às medidas propostas contra as cheias, as ações desenhadas pelo estudo contra a escassez de água a cada verão também são polêmicas. Se, de um lado, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente (Sema), pelo seu Departamento de Recursos Hídricos (DRH) está quase em fase de execução de uma taipa próxima às nascentes do Rio Gravataí com o propósito de regular a vazão do rio, a proposta da Metroplan é contrária a isso. Segundo o estudo, mais efciente e menos danoso ao ambiente natural da região do banhado seria a criação de mini-barramentos ao longo do canal na cabeceira do rio. 

    Para completar este cenário, a APN-VG deve apresentar durante a audiência desta quinta um pedido para que o futuro estudo de impacto ambiental dos mini-barramentos inclua a criação de uma taipa na área da Lagoa da Anastácia, que não é considerada nem pela Metroplan, nem pelo DRH. A alegação principal do Estado é de que se trata de uma área que não poderia ser alagada por ter agricultura consolidade, e que não faria grande diferença na disponibilidade de água para o abastecimento público.

    A justificativa é contestada pela principal ONG ambiental da região. Uma das áreas que poderia ter parte do terreno alagado por esta estrutura abriga hoje, por exemplo, um campo de pólo, e não uma propriedade rural. 

    • meio ambiente
      Cobrança pela água do Gravataí pode gerar R$ 9 mi em um ano
      por Eduardo Torres
    • desejo azul
      Gremistas entregam alegria para crianças doentes
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • seu bolso
      OPINIÃO | Silvio Santos é um velho babão
      por Rafael Martinelli
    • cachoeirinha
      Asfalto em 33 ruas é símbolo para governo Miki
      por Rafael Martinelli com assessoria
    • educação
      OPINIÃO | O big brother da escola sem partido em Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • história
      A história da Cachoeirinha do primeiro pedágio
      por Eduardo Torres
    • coluna do silvestre
      ‘Jardins do pesadelo’ estão perto do fim?
      por Silvestre Silva Santos
    • meio ambiente
      Semana para definir rumos da proteção do Rio Gravataí
      por Eduardo Torres
    • política
      OPINIÃO | 25 nomes para prefeitura de Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • polícia
      Jovem executado por engano em hospital era de Cachoeirinha
      por Silvestre Silva Santos
    • vereadores
      Quem leva a presidência da câmara de Gravataí?
      por Rafael Martinelli
    • gravataí
      OPINIÃO | Aumento para os vereadores? Não recomenda-se
      por Rafael Martinelli
    • 2020
      OPINIÃO | A sucessão nas mãos de Marco Alba
      por Rafael Martinelli
    • violência no esporte
      O soco que mudou a vida de Régis
      por Silvestre Silva Santos | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.