notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 24/09/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    onde buscar ajuda

    Casa Lilás fica na rua Ernesto Fonseca, 122, Centro de Gravataí

    É lilás a casa que ajuda mulheres vítimas de violência

    por Redação | Publicada em 22/03/2018 às 16h08| Atualizada em 23/03/2018 às 14h21

    Somente no último ano, o órgão registrou 175 novos acolhimentos de mulheres vítimas de violência e realizou mais de dois mil atendimentos psicológicos.

     

    O Brasil vive hoje em meio a triste e vergonhosa prevalência da violência contra as mulheres. Uma em cada três sofreu algum tipo de violência em 2017, conforme dados do último Anuário Brasileiro de Segurança Pública. No mês voltado especialmente às ações dedicadas ao sexo feminino, ainda há muito para ser feito no que diz respeito ao combate efetivo de todas as formas de crueldade e opressão cometidas contra elas, pelo simples fato de terem nascidas mulheres. 

    - A opressão é sistêmica e estrutural em nossa sociedade. O que nos aflige é constatar que a criação de legislações específicas para a proteção da integridade da mulher, como a Lei Maria da Penha, aprimora a mudança de costumes, mas não interfere na cultura - observa a primeira-dama de Gravataí, Patrícia Bazotti Alba, advogada e coordenadora das ações alusivas ao Março Lilás na cidade.

    No Brasil, 503 mulheres são vítimas de agressão física a cada hora, de acordo com dados da pesquisa divulgada em 2017 pelo Instituto Datafolha, encomendada pelo Fórum Brasileiro de Segurança. Destas, apenas 11% procuram a Delegacia da Mulher para denunciar.

    - Em 61% dos casos, o opressor é um conhecido, geralmente o companheiro e 43% das agressões ocorreram dentro das casas das vítimas - informa a assessora de Políticas Públicas para a Mulher e coordenadora da Casa Lilás de Gravataí, Analu Sônego.

    O levantamento apontou que 40% das mulheres acima de 16 anos já sofreram algum tipo, o que inclui receber comentários desrespeitosos nas ruas (20,4 milhões de vítimas) ou sofrer assédio físico em transporte público (5,2 milhões).
     

    Casa de apoio

     

    Para dar o suporte e amparo necessários às mulheres vítimas de violência, Gravataí conta com um rede multisetorial de atendimento. A Prefeitura oferece apoio e assistência psicológica continuada através da Casa Lilás, que integra a Secretaria Municipal de Governança e Comunicação Social. Somente no último ano, o órgão registrou 175 novos acolhimentos de mulheres vítimas de violência e realizou mais de dois mil atendimentos psicológicos.

    - Sabemos que esse número é muito maior e é preciso haver a conscientização de que a busca por apoio junto aos órgãos competentes é a única forma de diminuir os índices de agressão, seja ela física, verbal ou psicológica. Quanto mais a mulher espera, acreditando que o agressor irá mudar, maiores as possibilidades do nível de violência aumentar. Se antes o agressor fazia ameaças verbais, por exemplo, a tendência é que com o tempo elas evoluam para agressões físicas - explica a psicóloga Analu.

    V.R. é uma das usuárias atendidas pela Casa Lilás. Vítima de violência psicológica e verbal pelo ex-marido, ela venceu o medo e as ameaças e buscou apoio junto aos órgãos competentes para lidar com a situação. Em outubro do último ano, registrou um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher e foi encaminhada para receber assistência na Casa Lilás, onde faz acompanhamento psicológico até hoje.

    - Ele brigava por tudo, ameaçava se eu quisesse sair de casa, impedia de ver minha família e ainda disse que tiraria meu filho de mim. Hoje estamos separados e se não fosse o suporte da Casa Lilás, eu já tinha surtado. Sou muito agradecida às pessoas que atendem a gente sempre com muita atenção e carinho - compartilha.

     

    LEIA TAMBÉM

    Desfile, serviços e alerta: 13 mulheres são agredidas por dia em Gravataí
     

    Medidas protetivas
     

    Dados do Conselho Nacional de Justiça revelam que em 2016 tramitaram na justiça do país mais de um milhão de processos referentes à violência doméstica contra a mulher, o que corresponde, em média, a um processo para cada 100 mulheres brasileiras. Desses, pelo menos 13,5 mil são casos de feminicídio (assassinato pelo fato da vítima ser mulher).

    Vale lembrar que as medidas são voltadas a providências urgentes e podem ser direcionadas ao agressor ou à vítima como, por exemplo, afastar o agressor do lar ou encaminhar a vítima para um programa de proteção ou atendimento.

    - O medo, por causa das ameaças, é o principal fator de impedimento da busca por apoio dessas mulheres que sofrem violência. É preciso, antes de tudo, mudar este sentimento e buscar ajuda. As leis garantem a proteção e os órgãos competentes servem para dar todo o suporte e amparo necessários para resguardar a integridade delas - diz a primeira-dama Patrícia Bazotti Alba.

    - Só assim estaremos combatendo a violência, transformando a realidade e diminuindo os índices de mulheres agredidas no país.

     

    ONDE BUSCAR AJUDA

    Confira os endereços e telefones das instituições que realizam atendimento às mulheres em situação de violência:

    Casa Lilás
    Rua Ernesto Fonseca, 122 - Centro
    (51) 3600-7720/ 3600-7722

    DEAM - Delegacia da Mulher
    ERS 030, 1013, 2º andar - Parque dos Anjos
    (51) 3945-2712/ 3945-2711

    1ª DP - Delegacia de Polícia
    Rua Carlos Linck, 57 - Centro
    (51) 3488-5733

    2ª DP - Delegacia de Polícia
    Rua Duque de Caxias, 77 - pda 69- São Geraldo
    (51) 3490-2953

    Fórum
    (51)3488-1756

    Defensoria Pública
    (51) 3423-5624

    Brigada Militar - Patrulha Maria da Penha
    190

    Bombeiros
    193

    Central de Atendimento à Mulher RS
    180

    Escuta Lilás
    0800 541 0803

     

    Assista ao vídeo da programação do Dia Internacional da Mulher

     

    • entrevista: vilmar
      “Ajudar Bolsonaro é um chamado de Deus”
      por Rafael Martinelli
    • personagens
      COM VÍDEO | Magrão Júnior, o Forrest Gump da Aldeia
      por Eduardo Torres | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • mulheres contra bolsonaro
      #EleNão chega a Gravataí
      por Rafael Martinelli
    • eleições 2018
      A certeza de Sartori é a mesma de Marco em Gravataí
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • neste sábado
      Como será Festival Paralímpico em Gravataí
      por Silvestre Silva Santos
    • habitação
      A ocupação onde a esperança está só no nome
      por Eduardo Torres
    • candidatos locais
      Sou o Stédile e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • candidatos locais
      Sou o Pedro Ruas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    • candidatos locais
      Sou o Dimas e vou te contar minha história
      por Rafael Martinelli | Edição de imagens: Guilherme Klamt
    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.