notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 06/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | humor

    Nova revolução dos bichos

    por Fraga | Publicada em 29/07/2020 às 23h59

    Em Brasília, numa tarde de julho deste famigerado 2020, três animais receberam bilhetes em letra horrível.

    Diziam o seguinte: Runião inportanti da bixarada oje oitu da noiti atrais da Fazenda. PS lê os livro que ten lá.

    O trio destinatário dos papeizinhos eram um cavalo, um cachorro e uma cobra naja.

    Apesar da feia caligrafia e pior ortografia, cada um julgou acertado comparecer. Afinal, uma das palavras estava escrita sem erro, e o PS prometia leitura grátis.

    Pontuais, chegaram juntos ao local. Os três fizeram a mesma pergunta: quem convocou essa reunião? Ninguém sabia.

    Aí viram os livros: um álbum gráfico com o título A Revolução dos Bichos. Era uma adaptação dum tal de Odyr Bernardi da obra dum tal de George Orwell.

    Atraídos pela belezura visual, o cavalo, o cachorro e a naja logo leram, prazerosamente.

    O cavalo comentou: puxa, que coragem dessa turma! O cachorro opinou: achei todos bem unidos. A naja resmungou: é, muito bom, mas faltou cobra nessa história.

    Foi quando chegou a ema, toda altiva. Todos viram que era ela a anfitriã da reunião - trazia mais exemplares debaixo da asa. Ela então falou: Bem-vindos, animados parceiros! Essa noite não será igual às noites do passado.

    E explicou a diferença: Precisamos nos mobilizar e mudar a situação dos animais ao redor do Planalto. Chega de abusos da nossa classe!

    Ninguém sabia do que ela estava falando. Mas como falava melhor do que escrevia, prestaram atenção.

    A ema continuou: Vocês não estão cansados dessa má companhia? Cavalo, você não lembra do peso esmagador em cima de você? Esqueceu que aquele desprezível tinha relho e esporas? São ameaças potenciais à sua saúde!

    A ema virou-se e disse: Cachorro, você não notou que foi sequestrado por aquela família maluca, que até trocaram seu nome? Você passou dias longe dos seus donos, ouvindo falsidades e atrocidades. Lembra do seu rabo entre as pernas?

    Aí mirou a cobra: Naja, querida, tratam você como inferior e por isso você rasteja. Pra piorar, um peçonhento servidor do Ibama é suspeito de facilitar o seu contrabando. Pense nessa condição humilhante, no cerceamento do seu direito de ir e vir. Reaja, Naja!

    Empolgada, a ema prosseguiu: Quanto a mim e outras companheiras, sofremos atentados. Um, alimentício, com sei lá o quê na mão daquele prepotente. Outro, farmacêutico, com uma droga perigosa oferecida pra mim. Tivemos que bicar pra defender nossas vidas!

    Ao grupo, a ema apelou: temos que dar um basta a isso tudo! Proponho convocar todos os animais próximos da Fazenda, demais ministérios e arredores. Vamos espalhar esses livros. Devemos começar nossa revolução libertária! 

    O cavalo, o cachorro e a naja estavam admirados. Perceberam a força da liderança. E foram ouvidos entusiasmados relinchos, latidos e silvos de aprovação.

    O cavalo sugeriu: Ouço falar de porcos no congresso, aves de rapina na câmara e antas no senado, temos que chamá-los. E o cachorro lembrou que havia gatunos em Brasília, não podia faltar representantes na revolução. Na vez da naja, ela se referiu ao ninho de serpentes que era o governo.

    A ema ergueu uma asa e acalmou o pessoal: Gente, temos que ser seletivos. Nem todos esses animais são da nossa espécie. Precisamos de bom senso, algo quase inexistente em Brasília. Orwell e Odyr serão a nossa inspiração!

    Daquela noite marcante resultaram planos e estratégias.

    A ideia não é pegar em armas, apesar do armamentismo estar em alta no país. A ema propõe algo mais revolucionário: um filme. Um épico que valorize princípios democráticos e promova o bem-estar coletivo.

    Para influenciar as massas, eles próprios querem interpretar seus papéis. É um projeto pro streaming, pois não há previsão de reabrir cinemas. Até já escolheram seus nomes artísticos: Ema Thompson, Incitatus, Baskervilles e Naja Desnuda.

    Vamos torcer que dê certo, já que no Brasil nada mais tem dado.

     

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.