notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 24/09/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | humor

    Cachorrada

    por Fraga | Publicada em 22/07/2020 às 19h09| Atualizada em 23/07/2020 às 19h44

    Lá vão 127 dias longe desse mundo contaminante. Se tivesse cão, teria que arriscar passear duas vezes ao dia até o WC na rua. Sem cão, aproveito pra revisitar meu canil mental. São décadas de lembranças caninas, uns vagos, outros inesquecíveis: cachorros da família, dos vizinhos, de amigos, até da ficção vêm abanar o rabo(Em negrito, nomes predominantes).

    Lá fora, mundo cão: gente tratada como cachorro, cachorro com nome de gente. Essa nova mania, forçada humanização, ameaça apagar a graça nominal de antanho. Pra batizar seus bichos, os donos tinham que recorrer ao imaginário popular.

    O rol mais comum era o que enobrecia a cachorrada: Sultão, Barão, Duque, Fidalgo, Lord, Príncipe, Princesa, Rex. Ou dar algum poder a vira-latas: Campeão, Herói, Xerife.

    O clima e a meteorologia davam uma penca de nomes, em geral homenagem à velocidade do cachorro: Chuvisco, Corisco, Corta-vento, Raio, Tufão, Ventania.

    Lá da estratosfera, a conquista espacial mandou duas sugestões a incontáveis cães: Foguete, Sputinik. E, claro, a inúmeras Laica.

    Também era inevitável, nos anos 50, valorizar o animal com patentes militares, como Piloto, Cadete, Capitão, Marechal, Major, Sargento.

    Da cultura indígena, três nomes eram recorrentes: Tupi, Tupã, Xavante.

    Entre os cães de guarda, que nem sempre tinham a brabeza requerida, os nomes tentavam impor medo: Atack, Bandido, Besta, Durão, Fera, Fujão, Furioso, Marvado, Monstro, Perigo, Roncaferro. Rude, Veneno, Urtiga.

    Conforme a característica física, aparência ou comportamento, assim podiam variar: Bacana, Cheiroso, Dunga, Galante, Moleque, Peludo, Pinote, Sanguebom, Sossego, Torto.

    Outros animais podiam ser inspiradores: Baleia, Dragão, Lambari, Leão, Tigre.

    Comida rendia também: Batata, Drops, Farofa, Feijão, Filé, Gamela, Linguiça, Mel, Mocotó, Salame.

    Nomes de ordem carinhosa, como Biriba, Darling, Dodô, Fifi, Joli, Poli.

    A partir da pelagem, Alemão, Braseiro, Brasinha, Black, Branquinho, Brown, Carvão, Criolo, Ferrugem, Malhado, Neve, Pintado.

    Quanto ao tamanho, esses: Gigante, Mindinho, Possante, Nanico, Tico.

    Nas cadelas, caso à parte, clássicos eram os diminutivos: Belinha, Bolinha, Doninha, Doguinha, Mocinha, Rosinha, Tosinha.

    Cinema e gibis influíam muito e obviamente: Rin Tin Tin, Lassie, Capeto, Milu, Pluto, Snoopy, Totó. E dois nomes mitológicos: Argos e Cérbero.

    Hoje, os nomes pessoais tomaram conta das coleiras, sinônimo de preguiça pro batismo. Conheço Adolfo, Bete, Bóris, Bruce, Diana, Fritz, Hugo, Jaqueline, Meg, Lurdinha, Rasec (palíndromo de Cesar). Sem falar no Augusto, o cachorro que foi bolsonarista por alguns dias.

    Mas bem ou mal batizado, com ou sem pandemia, o melhor amigo do homem recém encontrou sua recíproca: é o passeador de cães.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.