notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 03/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | humor

    Mercado Público não é shopping

    por Fraga | Publicada em 09/06/2020 às 16h24| Atualizada em 10/06/2020 às 17h10

    Shoppings - essa armadilha e obstáculo consumista no caminho da erradicação da Covid-19 - Porto Alegre tem aos montes. Tudo indica que a cidade terá excesso deles no futuro: nada impede que surjam uns ao lado ou em cima de outros.

    Já Mercado Público - essa preciosa raridade mercantil num mundo de mesmices consumistas - só restou um na capital. E há indícios que corre riscos de deixar de ser o que é para se tornar algo contrário à sua natureza e objetivo social. E a intenção da Prefeitura de privatizar o Mercado Público comprova a ameaça que paira sobre ele.

    Shopping, qualquer um, é negócio: ótimo para os comerciantes, inegável serviço à sociedade, altar dos adoradores de vitrines e acumuladores de quinquilharias. O Mercado Público, o único que temos, é acima de tudo patrimônio, material e imaterial: ótimo para os mercadeiros e suas bancas, insubstituível para a clientela tradicional, inigualável polo singular de atração comercial popular.

    As diferenças entre quaisquer shoppings e o Mercado Público são definitivas. Algumas são visíveis: não dá para comparar o prédio neoclássico, arejado na forma e funcional na finalidade, com esses tantos monstrengos encaixotados, mausoléus com gente viva. No shopping se vai para comprar e gastar; no Mercado Público as pessoas vão para se abastecer de um modo de vida já distante e, por isso mesmo, essencial.

    Outras diferenças são impalpáveis: a cordialidade natural do atendimento em cada banca, a leveza e a soltura do convívio entre os fregueses. No Mercado Público todos gozam atmosfera humanizante e civilizatória, enquanto no shopping reina a a artificialidade e a indiferença. O Mercado cheira a especiarias e cereais, no shopping predomina o desinfetante. 

    E é justamente essa forma antiga e salutar de comércio que o porto-alegrense pode perder com o edital de privatização do Mercado Público. Um edital que visa sobretudo livrar a gestão municipal de bem gerir, incompetente até para dar conta da reforma pós-incêndio. Um edital surdo à resistência popular contra a privatização. E que pode ameaçar 100 permissionários e 1.200 trabalhadores.

    Com a privatização, o perigo iminente é o Mercado Público virar shopping, um sistema onde a razão de ser do gestor é o lucro. O que implicará mudanças no seu perfil mercadológico: com o tempo e com interesses em jogo, bancas cederão espaços a modelitos de negócio que vão desalojar bancas tradicionais. Vão sumir bens e produtos que são a base da atração dos clientes. Vão surgir butiques e lojinhas de supérfluos. Vai ser uma descaracterização gradual, disfarçada de melhorias e inovações modernizantes. Mas, cedo ou tarde, o Mercado Público que adoramos sumirá. 

    Com ou sem pandemia, temos que nos unir e reagir à ideia da privatização tal como está no edital atual. Temos que lutar para preservar o Mercado Público tal como é.

    (Para saber do valor do Mercado Público para Porto Alegre e a população, consulte na Wikipédia sua história de 150 anos, visite seu site, leia o edital, se informe da reação à privatização. Ainda dá tempo de salvar nosso patrimônio.)

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.