notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 08/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | opinião

    Tirem os joelhos brancos dos pescoços negros

    por Eliane Brum | El País | Publicada em 03/06/2020 às 18h38| Atualizada em 04/06/2020 às 16h02

    Sem exterminar o racismo, não se poderá superar nem a covid-19 nem a crise climática. O Seguinte: reproduz a opinião de Eliane Brum, publicada pelo El País

     

    “Não consigo respirar.” A frase de George Floyd, 46 anos, negro, assassinado por um policial branco em Minneapolis, Estados Unidos, não é apenas o grito de um momento. É a frase de uma época em que se morre por falta de ar. A violência asfixia mais negros do que brancos. A covid-19 asfixia mais negros do que brancos. A crise climática vai asfixiar mais negros do que brancos. Há um joelho branco sobre cada pescoço negro. Quando se discute a construção de uma sociedade mais ecologicamente justa no pós-pandemia é necessário compreender que não haverá outro mundo possível enquanto os joelhos brancos não forem arrancados dos pescoços negros.

    Quando pronunciou a frase que resume a sua vida, George Floyd estava em alguma fração dos intermináveis oito minutos e 46 segundos do processo de ser asfixiado pelo joelho branco pressionando o seu pescoço. Repetida nos protestos que têm incendiado, às vezes literalmente, cidades americanas, a mistura de constatação e de pedido de socorro de Floyd atravessou as fronteiras e ecoou no mundo. No Brasil, o grito de Floyd uniu-se ao de João Pedro, 14 anos, negro.

    O adolescente brincava na casa dos tios em 18 de maio, em São Gonçalo, no Rio de Janeiro, quando ela foi arrombada e invadida pela polícia. Em três cômodos, há 70 marcas de tiros. O menino estava em casa, como disseram para ficar. E foi atingido pelas costas. A polícia sequestrou o seu corpo, e ele só foi encontrado pela família, sem vida, 17 horas depois.

    A morte à bala de crianças negras nas favelas do Rio e de outras cidades brasileiras já não é mais exceção. Tanto que, em 2019, crianças do Complexo de Favelas da Maré escreveram para o Tribunal de Justiça do Rio contando como é a sua vida. Uma delas disse: “Não gosto do helicóptero [da polícia] porque ele atira para baixo e as pessoas morrem”.

    O drama biopolítico vivido hoje pelo Brasil é atravessado pelo racismo que estrutura o último país das Américas a abolir a escravidão negra. Jair Bolsonaro elegeu-se com um discurso racista contra negros e contra indígenas. A covid-19, que ele chama de “gripezinha”, foi trazida ao país pelas elites brancas que passavam as férias na Europa. As pesquisas provam, porém, que a doença mata mais negros do que brancos. São também os negros a maioria dos que não podem fazer isolamento porque precisam trabalhar nas ruas e são eles que têm as moradias mais precárias. Mesmo na pandemia, a polícia continua matando majoritariamente pretos. E mesmo dentro de suas casas trancadas, como aconteceu com João Pedro, ainda são abatidos a tiros. Em abril, a polícia matou 177 pessoas, a maioria delas negra, apenas no Rio de Janeiro.

    Sem exterminar o racismo, o ar seguirá faltando. Não será possível vencer nem a pandemia nem a crise climática. Se os brancos clamam por um novo pacto civilizatório isso implica, antes de tudo, que cada um tire imediatamente o seu joelho do pescoço de um negro, o que significa perder privilégios e dividir os espaços de poder em todas ―absolutamente todas― as áreas.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.