notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 08/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | humor

    Cloroquinices

    por Fraga | Publicada em 28/05/2020 às 20h08| Atualizada em 03/06/2020 às 11h34

    Corretamente administrada, a cloroquina é uma droga que funciona igual a qualquer outra droga: faz um bem danado a farmácias e drogarias e dá lucro imenso ao cartel farmacêutico internacional. De vez em quando, e em certos casos, beneficia alguns doentes, principalmente aqueles que não iriam piorar mesmo.

     A cloroquina tem efeitos colaterais não só por todos os lados mas também por cima e por baixo. Além de arritmias, que é o jeito do coração bater descompassado até parar de bater, pode causar sintomas presidenciais, como confusão, convulsões e coma. A cloroquina pode provocar alterações na retina: faz as pessoas enxergarem o Brasil como o Brasil não é, entre outras ilusões de ótica, como um sistema hospitalar sem risco de colapso.

     A cloroquina, mal administrada, pode matar ingênuos e idiotas, mal informados e mal orientados, além de seguidores ideológicos da extrema direita. Pode matar inclusive gente que nem estava disposta a morrer pelo deprimente da república.

     A cloroquina, bem administrada por um governo mal intencionado, pode favorecer a adesão de multidões fiéis diante do palácio do planalto e em quaisquer lugares onde Bozonaro fizer declarações bombásticas, canhonásticas, fuziláticas e revolvásticas. Com esse uso, a fórmula da cloroquina faz com que ela suba à cabeça até sem ingerir nenhum comprimido.

     Para preservar vidas ao redor do mundo, a OMS acaba de suspender os testes com cloroquina. Quer dizer, a Ciência já tem certeza dos riscos da cloroquina e do uso indiscriminado. Agora, só negacionistas e terraplanistas governamentais poderão usar pessoas como cobaias da cloroquina. O problema é que não faltam voluntários.

     Mas nem tudo é crítica contra a cloroquina. Segundo as funerárias, a prescrição a esmo da cloroquina pouco influencia sua atividade comercial. Para a expansão do seu negócio, o ideal seria a distribuição em massa e gratuita da cloroquina.

     Pode, inclusive, no final da pandemia, ser a salvação dos serviços funerários.

     Só o isolamento e o distanciamento sociais nos salvam. E pra quem acha que o tempo cura tudo, uma vacina contra o coronavírus é muito mais segura.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.