notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 05/08/2020

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | entrevista

    Paul Kingsnorth em Dublín em novembro de 2019

    ’O ecocídio nos mostrará que estávamos errados. E chegará o apocalipse’

    por Carmen Pérez-Lanzac | El País | Publicada em 09/01/2020 às 14h36| Atualizada em 10/01/2020 às 13h

    Paul Kingsnorth se entregou ao ecologismo até perceber que era em vão. Nada freará a destruição do planeta causada pelo ser humano, diz. Entraremos em extinção, mas a Terra prevalecerá. O Seguinte: reproduz a entrevista publicada pelo El País

     

    Escutar Paul Kingsnorth (Worcester, Inglaterra, 1972) é devastador. Ele dedicou seus primeiros 20 anos de atividade à causa ecológica até que, por volta de 2007, percebeu que era tudo em vão: caminhamos rumo ao nosso ecocídio. Em Confessions of a Recovering Environmentalist (confissões de um ecologista sob reabilitação), ele diz que de nada adianta abraçar o ecologismo, pois este foi absorvido pelo capitalismo. A mudança climática está em marcha, a extinção das espécies avança inexoravelmente, e nós não desejamos conter esses processos. A espécie humana será extinta, afirma, e a Terra, com o passar dos anos, se regenerará. Kingsnorth se mudou há pouco para a zona rural irlandesa. Lá pôde se permitir um terreno baldio que repovoou com freixos e bétulas e onde mora com a mulher e os dois filhos. Agora está imerso num novo livro, no qual imagina como será nossa vida dentro de mil anos: muito menos gente, que — fabula Kingsnorth — viverá selvagemente. O encontro é numa franquia global no centro de Dublin, embora ele logo se desculpe: “Não conheço bem a cidade.” Nos dirigimos então a um frio estabelecimento de comida ecológica. Ele leva consigo um presente para os filhos.

    Algo de madeira? Não. Lego.

     

    PERGUNTA. De onde veio o seu desencanto com o movimento ecologista?

    RESPOSTA: Um dia, percebi que o que estávamos tentando em escala global era impossível. Nunca conseguiríamos mudar o sistema. A maioria das pessoas não quer fazer isso. O conceito de sustentabilidade foi abraçado pelo sistema industrial e pelo consumismo. O debate sobre como deveríamos viver em harmonia com a natureza, que é uma pergunta social, cultural e espiritual, foi reduzido à pergunta de como podemos diminuir nossas emissões. Agora estamos começando a assumir que não podemos frear a mudança climática e a falar de sofrimento. Estamos acordando para o fato de que ultrapassamos o ponto de não retorno.

     

    P. E você continua lutando para reduzir seu impacto ou jogou a toalha?

    R. Como família, tentamos levar uma vida simples. Usamos pouca eletricidade, plantamos nossos alimentos. Mas, de vez em quando, tomo um avião e compro Lego para meus filhos.

     

    P. Você escreve que o mundo se divide entre globalistas e nacionalistas.

    R. Politicamente, é uma melhor divisão que entre esquerda e direita. Mas eu dividiria entre os que pensam globalmente e os que o fazem em termos locais, mais que nacionais. Veja o caso do Brexit. Parece-me muito mais adequado pensar nesses termos. Se você olhar o debate, as conversas se concentram em temas como a nação frente ao sistema global. O que estamos fazendo há décadas é criar um sistema econômico global e, como você terá notado, Dublin se parece mais com Londres, que cada vez se parece mais com Amsterdã... Criamos uma massa capitalista uniforme em todos os lugares, e cada vez mais as diferentes culturas estão desaparecendo. As pessoas que não gostam disso vêm de todos os espectros políticos. Cada vez mais se rebelam contra essa máquina global, frente à qual se sentem indefesos. É um bom resumo do estado do mundo neste momento.

     

    P. Permita-me que lhe pergunte sobre o Brexit. Você votou a favor da saída da União Europeia. Por quê?

    R. A vida inteira defendi que o poder deveria ser tão local quanto fosse possível. O conceito de que o pequeno é bonito, de levar o poder ao mínimo e que as comunidades decidam como querem ser... Por esse motivo, sempre serei a favor de que os Governos nacionais tenham todo o poder sobre estruturas distantes como a UE, que, na minha concepção, não tem nenhuma legitimidade porque não foi eleita por ninguém. Não que eu ache que o Governo inglês seja superdemocrático, mas preferiria que a política agrária e seu efeito em nossos ecossistemas fossem ditados por meu país, não por um organismo que decide sobre 28 países.

     

    P. E acredita que Johnson ajudará a chegar ao modelo local que defende?

    R. Acredito que existam mais opções para que leve o Reino Unido a um mundo de estruturas locais, sim.

     

    P. Não acha que, quanto mais acordos os países assinarem uns com os outros, mais opções teremos para seguir pelo bom caminho?

    R. Sim, mas na UE há cada vez mais eleitores de extrema-direita. Algo falha nesse modelo, e isso faz com que muita gente se volte para o nacionalismo. As pessoas estão perdendo tanto poder sobre sua economia e seu destino que não se identificam com a UE. A globalização desempodera as pessoas.

     

    P. Como pensa que deveríamos nos conectar com a natureza?

    R. A partir do amor e da conexão com ela. O problema não está em nossas emissões de carbono. Vai do sentimento de vinculação que tenhamos até uma floresta que conheçamos ou um rio. Da sensação de apreciar e amar um lugar e querer protegê-lo contra a destruição que seria provocada por um moinho de vento. Como dizia Wendell Berry, as pessoas que realmente sintam uma conexão com o chão serão as que sujarão as mãos para protegê-lo. E isso é o oposto do nacionalismo, que é antiecológico. Não entendo que, além da identidade cultural, não se cultive o amor por nosso entorno.

     

    P. E se conseguíssemos esse localismo, o que deveríamos fazer então?

    R. Não sei. Não tenho respostas. O que faço é avisar sobre o que vi: o coração das pessoas das sociedades industrializadas, como nós, está completamente desconectado dos lugares onde elas vivem. Não é culpa de ninguém, simplesmente é assim. Estamos diante de um dilema porque fizemos as coisas de uma certa maneira. O ecocídio nos mostrará que estamos errados. E chegará o apocalipse. A mãe natureza sempre nos ensina. Muitas vezes, penso que aceitar a mudança climática é como aceitar o final de cada um de nós individualmente, a nossa própria morte.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    [email protected]

    Roberto Gomes | DIRETOR | [email protected]
    Rafael Martinelli | EDITOR | [email protected]
    Cristiano Abreu | EDITOR | [email protected]
    Guilherme Klamt | EDITOR | [email protected]
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.