notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 17/09/2019

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | entrevista

    Teresa Macarulla, no hospital Vall d’Hebron Institut d’Oncologia, em Barcelona, em julho último

    “O ideal é curar o câncer. O mais próximo disso é torná-lo crônico”

    por Jessica Mouzo Quintáns | El País | Publicada em 07/08/2019 às 18h54| Atualizada em 11/08/2019 às 16h20

    Pesquisadora de Barcelona, Teresa Macarulla está abrindo portas para tratamentos personalizados na luta contra o câncer de pâncreas, o mais letal de todos. O Seguinte: reproduz a entrevista publicada pelo El País

     

    Teresa Macarulla (Barcelona, 1974) acaba de participar de um ensaio clínico que lançou luz sobre o câncer mais letal de todos, o de pâncreas. A pesquisa, apresentada neste ano no congresso anual da Sociedade Americana de Oncologia Médica (ASCO), em Chicago, abre as portas para a medicina personalizada nestes tumores tão agressivos. O estudo validou, pela primeira vez, um tratamento teleguiado neste tipo de tumores para um subgrupo de pacientes que têm uma mutação específica (nos genes BRCA): como terapia de manutenção depois da quimioterapia inicial, este fármaco melhora a sobrevivência.

    O quartel-general da luta contra o câncer onde Macarulla trabalha se ergue nos contrafortes da serra da Collserola, em Barcelona. Das trincheiras de seu escritório no Vall d’Hebron Institut d’Oncologia, com a cidade a seus pés e o Mediterrâneo ao fundo, a doutora Macarulla visita pacientes, analisa prontuários clínicos, procura bolsas para novos projetos e prepara ensaios. Sempre há algo a fazer. Principalmente quando sua especialidade, os tumores gastrointestinais, aglutina algumas das neoplasias com pior prognóstico, e os recursos para pesquisá-las escasseiam. Contudo, o câncer não para, e a oncologista tampouco pode parar, admite. A montanha e a igreja são seus pontos de recarga.

     

    Pergunta. O câncer corre mais que vocês, os pesquisadores?

    Resposta. Acho que não. Se o câncer avança, não o podemos parar, então o que tentamos com cada paciente é nos antecipar com os tratamentos e freá-lo, pará-lo. Tentamos estar à frente, mas o tumor corre, e às vezes custa.

     

    P. Por que a pesquisa de que você participou é importante?

    R. Pela primeira vez encontramos um tratamento personalizado para um câncer que até agora só se tratava com quimioterapia. Os pacientes com uma mutação BRCA1 e BRCA2 pela primeira vez contam com um fármaco para eles que, além disso, tem menos efeitos secundários que a químio.

     

    P. Você é dos que acreditam que o câncer será curado ou se tornará crônico?

    R. Haverá mais pacientes que serão curados do câncer. Mas dizer que o câncer globalmente se curará me parece um ideal. Acredito que o mais próximo que temos é poder chegar a torná-lo crônico. O que é preciso é ter objetivos alcançáveis.

     

    P. Qual é o caminho para isso?

    R. A medicina de precisão. É mais difícil, pelos custos e recursos, encontrar as alterações que o paciente carrega em seus genes. Mas é para isso que nos encaminhamos: nem todos os pacientes são iguais e não podemos tratar todos igualmente.

     

    P. É sustentável a medicina de precisão?

    R. Esse é o problema. Provavelmente será preciso fazer um investimento superior no diagnóstico, porque é preciso somar toda a parte de diagnóstico molecular. E direcionamos o tratamento para um nicho menor, sim, mas temos maiores chances de sucesso.

     

    P. A Sociedade Europeia de Oncologia Médica defende o pagamento dos fármacos segundo os resultados obtidos no paciente.

    R. É uma boa opção tentar intercalar estas medidas que tornam o sistema mais sustentável. E isto envolve a indústria farmacêutica também. O que queremos, afinal, é que todos os nossos pacientes tenham disponibilidade de fármacos.

     

    P. O código postal influi no prognóstico do paciente?

    R. Muito. Na Espanha, cada comunidade [região] decide se um fármaco deve ou não ser aprovado. A equidade não é homogênea.

     

    P. Faltam recursos?

    R. Se tivéssemos mais, tudo seria mais fácil. Para o pâncreas, destina-se muito pouco ainda.

     

    P. Ezequiel Emanuel, um dos artífices do Obamacare, diz que não quer viver além dos 75 anos. Rejeita prolongar a vida “porque sim”. Com uma maior sobrevivência ao câncer, estamos desafiando a natureza?

    R. Acho que não. E também a natureza está nos pregando peças. Quando vejo essa gente tão jovem com essas enfermidades, não entendo. Não deu tempo de acumular toxicidade e, mesmo assim, eles têm estes tumores. Tem muitas coisas que nós não controlamos ainda. Centramo-nos no que sabemos: não fumar, comer bem…, mas isto não nos assegura que não vamos ter câncer. E, se tivermos, então a natureza nos pregou uma peça.

     

    P. Há pacientes que decidem deixar de lutar e que não querem sofrer mais. O que opina da eutanásia?

    R. Minha mentalidade é a de lutar enquanto se puder, gastar todos os cartuchos. E, depois, uma boa paliação, um bom acompanhamento. Daí para frente, não é trabalho do médico poder acabar com uma vida. Defendo que se possa acompanhar até o final, não além. Eu acabar com uma vida é algo que não poderia fazer por minhas crenças, porque me dizem que não é minha responsabilidade.

     

    P. Você não se atreveria?

    R. Não é que não me atreva, é que não estou de acordo. Acredito que não somos ninguém para antecipar a morte de uma pessoa. É preciso acompanhá-la e, para isso, lhe dar fármacos que inclusive podem abreviar um pouco a vida do paciente, porque podem causar uma pequena depressão respiratória, mas isto é diferente de que você ativamente acabe com a vida de um paciente. Tudo bem que um paciente peça e que haja um grupo de médicos que faça, mas eu não poderia participar disso.

     

    P. Como concilia a ciência e a fé?

    R. É muito compatível. A mentalidade científica tem que estar presente, porque é a única forma de vencer esta doença. A religiosidade é o que me permite empatizar com o doente, dá um pouco de sentido a minha profissão. A fé me ajuda a entender a vida, a morte, e que andam juntas, que você nasce sabendo que morrerá. Cada oncologista tem que encontrar sua fonte de empatia. A minha é esta.

     

    P. Ainda há mais homens que mulheres nesse universo. É mais difícil para vocês?

    R. A medida que há mais mulheres nas faculdades de Medicina, isto vai mudando. Temos que acreditar, mas também é preciso que você esteja disposta. Precisa entender que, talvez, não esteja lá no aniversário do seu filho. Se quiser chegar ao topo, também é verdade que é uma questão de tempo.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.