notcia bem tratada
GRAVATAÍ, 20/08/2018

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Recomendamos

  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Nossos Clientes
  • Facebook

    3º Neurônio | cinema

    Como Debbie Reynolds lançou Chuck Norris

    por Diego Nunes | Memória Cinematográfica | Publicada em 04/06/2018 às 17h16| Atualizada em 04/06/2018 às 17h58

    Muitas pessoas acham que foi Bruce Lee quem promoveu Chuck Norris a astro de filmes de ação, mas foi Debbie Reynolds, a estrela de Cantando na Chuva (Singing in the Rain, 1952) quem deu o pontapé inicial na carreira de Norris.

    Bruce Lee foi sim importante para a carreira de ator de Chuck Norris, mas sua primeira projeção para os holofotes foi dada por Debbie.

    Em 1967 ela passava por dificuldades financeiras, mesmo tendo estrelado os filmes Dominique (The Singing Nun, 1966) e Divórcio à Americana (Divorece American Style, 1967). Apesar de uma carreira bem sucedida, suas finanças eram prejudicadas pelos seu segundo marido, Harry Karl, que desviava boa parte de seus rendimentos. Em 1970 ela se divórcio de Karl, e ficou praticamente sem nada.

    Para fazer um dinheiro extra, Debbie aceitou ir trabalhar em Las Vegas, fazendo shows que lhe garantiam um bom cachê, o que ajudava a pagar as dívidas do casal. Além de cantar seus números musicais de sucesso, ela aceitou um emprego inusitado, disputar uma partida de karatê com Chuck Norris.

    Norris havia começado a lutar em pequenos torneios em 1964, e em 1967 já ganhava projeção no esporte, vencendo inclusive grandes campeões. O cassino Stardust contratou o astro para algumas apresentações, mas o público não se sentiu atraído por esta atração. Para promover as vendas, o Stardut então contratou Debbie Reynolds, que praticava artes marciais, para enfrentar o jovem atleta.

    Debbie aceitou o desafio, e "lutou" com Norris, num desafio que lotou a casa de espetáculos do cassino.

    A dupla então viajou pelos Estados Unidos, repetindo a luta show, com muito sucesso. A carreira de Debbie foi alavancada novamente, e ao provar ser versátil, ela conquistou um público novo e ganhou seu próprio programa de televisão, o The Debbie Reynolds Show (1969-1970), ingressando em um veículo ainda não explorado pela atriz, que passou a ser também uma estrela da TV.

     

     

    Em 1968 Norris ganhou o torneio mundial de karatê, o que aumentou ainda mais sua popularidade. Neste mesmo ano ele fez sua estreia no cinema, fazendo um pequeno papel no filme Arma Secreta Contra Matt Helm (The Wrecking Crew, 1968). Dean Martin, o astro do filme, foi quem sugeriu a contratação do rapaz, que ele conheceu durante uma temporada no mesmo cassino. Bruce Lee era o supervisor das cenas de Karate neste filme, e durante as filmagens ficou amigo de Chuck.

     

    Confira a cena de estéia de Chuck Norris no cinema

     

    Norris só retornaria ao cinema alguns anos mais tarde, desta vez lutando com Bruce Lee em O Vôo do Dragão (Meng long quo Jiang, 1972), que o firmou definitivamente como astro de filmes de ação. Em 2017 ele anunciou que abandonou a carreira no cinema para cuidar da saúde de sua esposa Geena, como quem é casado desde 1998.

     

    Diego Nunes é gaúcho, formado em Rádio e TV pela Universidade Metodista de São Paulo, é pesquisador da memória cultural e artística, e sua paixão é o cinema. Além disso, atua como diretor cultural da Pró-TV, Museu da TV Brasileira, e no departamento de arquivo da Rede Record de Televisão.

    Acompanhe-o pelo Memória Cinematográfica.

    SITE DE JORNALISMO E INFORMAÇÃO
    Gráfica e Editora Vale do Gravataí
    Av. Teotônio Vilela, 180 | Parque Florido
    Gravataí(RS) | Telefone: (51) 3042.3372

    redacao@seguinte.inf.br

    Roberto Gomes | DIRETOR | roberto@seguinte.inf.br
    Rafael Martinelli | EDITOR | rafael@seguinte.inf.br
    Silvestre Silva Santos | EDITOR | silvestre@seguinte.inf.br
    Eduardo Torres | EDITOR | eduardo@seguinte.inf.br
    Guilherme Klamt | EDITOR | guilherme@seguinte.inf.br
    Ao reproduzir uma de nossas matérias, é ético citar a fonte.
    As opiniões assinadas são de responsabilidade de seus autores e não representam a posição do jornal.
    Desenvolvido por i3Web. 2016 - Todos os direitos reservados.